terça-feira, 17 de outubro de 2017

FASCISTA É A VÓ !


A seguir, as 14 características do fascismo segundo Umberto Eco, dito numa conferência proferida em 1995, na Universidade de Columbia. 

1. Culto da tradição, dos saberes arcaicos, da revelação recebida no alvorecer da história humana, dos hieróglifos egípcios às runas dos celtas e aos textos sagrados, ainda desconhecidos, de algumas religiões asiáticas.

2. Rechaço do modernismo. O Iluminismo, a idade da Razão, são vistos como o princípio da depravação moderna. 

3. Culto da ação pela ação. Pensar é uma forma de castração. Por isso a cultura é suspeita, à medida em que é identificada com atitudes críticas.

4. Rechaço do pensamento crítico. O espírito crítico opera distinções e distinguir é sinal de modernidade. 

5. Medo ao diferente. O primeiro chamamento de um movimento fascista, ou prematuramente fascista, é contra os intrusos. 

6. Apelo às classes médias frustradas. Em nossa época, o fascismo encontrará seu público nesta nova maioria.

7. Nacionalismo e xenofobia. Obsessão pelo complô. Os seguidores têm de se sentir ameaçados.

8. Inveja e medo do “inimigo”.

9. Princípio de guerra permanente, antipacifismo.

10. Elitismo, desprezo pelos fracos.

11. Heroísmo, culto à morte.

12. Transferência da vontade de poder a questões sexuais. Machismo, ódio ao sexo não-conformista, como a homossexualidade. Transferência do sexo ao jogo das armas.

13. Populismo qualitativo, oposição aos apodrecidos governos parlamentares. 

14. Novilíngua. Todos os textos escolares nazis ou fascistas se baseavam em um léxico pobre e em uma sintaxe elementar, com a finalidade de limitar os instrumentos para o raciocínio complexo e crítico.

Viver é Perigoso

4 comentários:

Marco Antonio Gonçalves disse...

Uma corrente filosófica no século XX vai dizer que depois da evolução vem a barbárie. Como aconteceu com a Alemanha, que no final do século XIX e início do século XX possuía, entre outras coisas, os maiores músicos, maiores filósofos, maiores intelectuais, era a sociedade mais avançada da Europa. Pouco tempo depois, acontece a primeira guerra e depois o país inteiro cai na ideia do nazismo.
Hoje essa evolução cultural e social que se via na Alemanha está no mundo inteiro com a globalização e esses movimentos extremos, principalmente de direita (porque a extrema esquerda, igualmente perigosa, está morta), têm crescido com discurso parecido com o que se via no início do século passado, guardadas às devidas proporções.
O fascismo, caracterizado principalmente pela aversão ao outro, ao diferente, está sendo demonstrado às vezes sutilmente, às vezes explicitamente, nas redes sociais e nos discursos de ódio disseminados no mundo inteiro. Temo que teremos tempos sombrios pela frente.

Edson Riera disse...

Marco Antonio,

Realmente, a história mostra que depois da evolução vem a barbárie. Qualquer um que atente e observe o momento atual, observará tempos estranhos. A internet tem muito a ver com isso. A vontade de se expressar é tamanha e para a multidão seguir tocadores de flautas é fácil. Tomara que não os estejam levando para a correnteza do rio.

Zelador

Marco Antonio Gonçalves disse...

Sempre me recordo da frase de Umberto Eco a respeito das redes sociais: “As mídias sociais deram o direito à fala a legiões de imbecis que, anteriormente, falavam só no bar, depois de uma taça de vinho, sem causar dano à coletividade. Diziam imediatamente a eles para calar a boca, enquanto agora eles têm o mesmo direito à fala que um ganhador do Prêmio Nobel. O drama da internet é que ela promoveu o idiota da aldeia a portador da verdade”.

Edson Riera disse...

Marco Antonio,

Nunca tive para coragem para reproduzir a famosa frase do Umberto Eco. Soava como um tiro nos pés (nos dois). Agora que não publico mais nada no Facebook (admiro muito do que lá publicam), vou publicar no blog por sua lembrança. Como só estou no blog, no máximo acertarei um pé só.

Zelador