segunda-feira, 25 de setembro de 2017

CANTINHO DA SALA

Anselm Kiefer
Anselm Kiefer, pintor e escultor alemão. Seus trabalhos utilizam materiais como palha, cinza, argila, chumbo e selador para madeira. 
Temas relacionados ao nazismo são particularmente vistos em seu trabalho. Discussões polêmicas na mídia sobre o valor de seu trabalho artístico foram feitas durante muitas décadas.
Seus trabalhos são caracterizados por um estilo maçante, quase depressivo e destrutivo, e muitas vezes feitos em grandes formatos. Na maioria deles, o uso da fotografia como suporte prevalece, e terra e outros materiais da natureza são geralmente incorporados. Também é característico o uso de escritos , personagens lendários ou lugares históricos em quase todas as suas pinturas.

Viver é Perigoso

2 comentários:

marcos.caravalho disse...

Zélador,

Prá mim, admirador embasbacado de qualquer escola/pintor, ainda espanta a quantidade de nomes e obra que desconhecia antes de ver um post a respeito publicado aqui no Viver.
Viver é descobrir o sabido que tava guardado nos entremeios...

Questão que fica: como é que vai sobrar material para "minha oba-prima"?
Vou ficar com meu "estupendo gênio", ainda embutido, no sereno...

Um exemplo comtemporaneo: Aldemir Martins me roubou a obra que faria de Vida Secas: rapou o taxo com sua nanquim, não não deixou prá mais ninguém.
Muitos tentaram, ninguém chegou lá...
De qualquer modo, nesse caso, o Graciliano foi devidamente honrado e reverenciado. E deve ter gostado.

Picasso esgotou o D. Quixote.

A nós, brazuquinhas, faltou alguém para ilustrar, a linha nanquim preta sob fundo branco, a epopeia do Urutu Branco pelo Grande Sertão do Urucuia por dentro, indo crescendo por fora.
Poti (gênio!!) chegou perto, rabiscando. Os demais, ficaram pelo caminho, infelizmente.

Na antiga Radio Nacional do RJ anunciariam isso em algum program tipo "Vááácuos de nossa Cultura", por aí...

Fica a cisma, o palpite e o abraço pela extrema gentileza com que fui brindado.

Abraço

Edson Riera disse...

Marquinhos,

Tem espaço garantido para as suas obras. Sairão no "E o Marcos Carvalho, hein? ". Vamos buscar mais do Aldemir. Sobre o Pablo, fiquei contente por ter andado pelos mesmos corredores que você em Paris.

Nos veremos mais amiúde.

Abraço,

Zelador