quinta-feira, 6 de abril de 2017

É DISCO QUE EU GOSTO



Viver é Perigoso

4 comentários:

wartão disse...

Muito bom

Edson Riera disse...

Wartão,

Um abraço.

marcos.caravalho disse...

A propósito com propósito, uma vez que posso estar repetindo o comentário e pitaco:
A um passo do Estrelato (em DVD ou Netflix).

Ganhou um Oscar de Documentário (2004??).

Mostra, com depoimentos da época das filmagens e com imagens de arquivo, a trajetória/história de algumas cantoras de "backing vocals" (êêêpaa!!) que começaram suas carreiras no final dos 60, século passado.

Para assistir de joelhos, em contrição e agradecendo aos céus por nos terem enviado essas gargantas (esses anjos?? sei lá! aos sábados a gente fica tão, tão, sei lá!)
Detalhe desimportante: meus joelhos já escalavrados pela quantidade de vezes que vi, reví, treví, quatriví, etc"...
Prá mim, entre outras coisas, virou uma espécie de indispensável pingado com pão e manteiga. Dá prá encarar todo dia.

Todas tiveram seus sonhos e ambições frustados por curvas abruptas (ôôôpaaa!!!) da vida.
Sempre somos trombados, nós, que ainda permanecemos nesse vale de lágrimas,, não é verdade?

Por isso, terem ficado no meio do caminho, perdemos nós.
Perdemos mais uma oportunidade de ter suas gargantas "á noite, embalando nossos sonhos; de manhã vindo nos acordar".

Conselhinho dispensável do tio Marcos: Para voltar a fita, repetir a audição e depois "chorar lágrimas de esguicho com arrancos de cachorro atropelado":
1. Todos os cantos e murmúrios "à cappella" e interpretações de uma delas, que ainda hoje, desde 1989, faz backing para os Rolling Stones. Atende por Lisa Fisher.
Um sabiá, de manhã, depois de bicar a metade de uma laranja doce.
Além de gênio, fina e doce, bonita praca, especialmente em sua juventude.

2. Gravação em Los Angeles do disco Let it Bleed.
Uma das músicas, Gimme Shelter.
Chamada, alta madrugada, ao estúdio para uma participação da gravação de uma "nova" banda inglesa, que ela, àquela época grávida, mal conhecia, foi.
Merry Clayton, seu nome.
Práticamente "de primeira", sem muito ensaio, soltou o peito ("-War, children, it's just a shot away! Rape, murder, it's just a shot away!"). Dela esses vagidos, quase gritos - na verdade súplicas desesperadas se vistas no contexto (óia...) da letra.
Fizeram Gimme Shelter tornar-se item obrigatório em qualquer show dos Stones. Só isso...

"A um passo do estrelato": satisfação garantida ou seu dinheiro de volta.

Abraços semitonados.

PS: Tudo isso, mais uma vez embasbacado a propósito da beleza da interpretação (e da "moça da fazenda") da postagem, cantando à New Orleans - no melhor dos ambientes "churrasco no rancho".
A propósito (também) da vastidão de talentos que aquela terra produz, em todos os cantos, para todo tipo de canto e por gente de toda idade e extração social (Óóóiii...) - tenho acompanhado há já cerca de 04 anos as edições americanas (canalhas capitalistas!!) do The Voice. Vejo no canal Sony.
Na minha decrepitude (ó só como abusa esse cara...) tenho que colocar o queixo no lugar depois de cada episódio. Mais uma vez: canalhas exploradores-capitalistas!!!

Edson Riera disse...

Marcos,

Vou passar essa tarde de sábado viajando nesse paraíso. Depois eu falo.