quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

MANDRAKE MINEIRO


O Banco do Brasil entrou em uma nova disputa contra o governo de Minas Gerais ao cobrar do Estado aproximadamente R$ 1,5 bilhão para o pagamento de resgates dos depósitos judiciais.
Em comunicado à Justiça mineira, o banco disse que o dinheiro "exauriu-se" porque o Estado teria usado o fundo de reserva destinado a esse pagamento.

Por outro lado, o Gabinete Militar do governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, está comprando mais dois helicópteros, ao custo de R$ 21,8 milhões, em meio à “calamidade financeira” decretada pelo Estado. 
O governo alega que os modelos Airbus AS350 B3e, já encomendados, serão adquiridos para missões de segurança pública e defesa civil. Não há impedimento para que também transportem o petista.

Apenas lembrando, em decreto publicado em outubro, o governador Fernando Pimentel, regulamentou o uso de aeronaves públicas por autoridades do Estado. A medida restringiu voos do vice e de secretários, mas não impôs limites às viagens do petista. A justificativa da restrição ao uso das aeronaves foi a crise financeira no Estado.

Viver é Perigoso

2 comentários:

marcos antonio de carvalho disse...

Governo nenhum deveria ter o "direito" (legislar em causa própria dá lumbago e unha encravada) de possuir aeronaves; de qualquer tipo ou tamanho.

Governo nenhum poderia ter autorização de contratar aeronaves - de qualquer tipo ou tamanho - para transportar suas excelências ou membros de sua família seja para eventos oficiais seja para convescotes.

Governos deveriam ter que fazer reserva e voar em vôos comerciais (classe econômica) como todos nós outros mortais governados. Essa prerrogativa só poderia ser possível em casos de extrema urgência e reuniões/assuntos/conclusões/decisões deveriam ser obrigatoriamente publicadas em pelo menos dois jornalões. O custo da "viagem" também deveria, claro, ser publicado.

É urgente tirarmos a máscara de "criaturas" especiais dessa tropa toda.

Mentiras deslavadas como a o nosso atual governador a respeito de seu vôo para buscar o filho (tadinho, tão pequenino, não pode ainda tirar carteira de motorista...) deveriam ser punidas com suspensão do cargo até que o estado, quebrado ou não, ser reembolsado - com multa a ser estipulada em função da quilometragem.

Repetição do abuso de autoridade (esse, sim, é ABUSO DE AUTORIDADE!; apesar de não constar dos alfarrábios do dotôr Renan) justificaria afastamento definitivo de sua excelência.

Governador tá lá para governar, das 07h00 às 17h00. Não para usufruir dessa maneira jeca dos helicópteros ou aviõezinhos ou aviõzões do Governo do Estado de Minas Gerais, outrora nosso orgulho pela higidez comportamental de nossos outrora governadores.

Edson Riera disse...

Caro Marcos,

Estamos lascados com essa cambada de oportunistas.

Abraço,