segunda-feira, 15 de agosto de 2016

SÓ BLUES

COMEÇAM CHEGAR AMANHÃ


O primeiro santinho conhecido foi o do São Cristovão. Foi pintado à mão e data de 1423. Muito antes do descobrimento do Brasil.
Foi muito utilizado no passado pela igreja católica e até mesmo pelos protestantes (nesse caso não deu muito certo).
Hoje é o principal instrumento de propaganda dos candidatos a vereador. Normalmente, a conta da gráfica é de responsabilidade do candidato a prefeito.
Quantidade ?
Em cidades com 70.000 eleitores, fica de bom tamanho,10.000 unidades para começar a campanha e outro tanto na reta final.
Com o avanço da eletrônica, não há meio do candidato sair feio no retrato (opinião normalmente dada pela família).
Não sei se ficam bonitos, mas diferentes do real, com certeza.
Reparem:
Se o eleitor receber um santinho das mãos de um candidato e olhar alternadamente, mais de uma vez, para a propaganda e para o rosto... uma coisa não tem nada há ver com a outra. 
Alguns candidatos mais abonados encomendam, por conta própria, verdadeiras obras de arte.
Resumindo: Sempre duvidei da eficácia dessa propaganda.
Com São Cristovam deu certo.

Viver é Perigoso

ESTÁ DIFÍCIL !

Viver é Perigoso

NÃO A REELEIÇÃO


Agora em outubro, o blog "viver é perigoso" completa sete anos. Quase um milagre. Deste o seu início vem se posicionando contrariamente às reeleições. Em eleições passadas foi aplaudido pelo pessoal que tenta reeleição este ano.
Logicamente, desta vez, não concordarão.

"O fim da reeleição é a única maneira de restabelecer a dignidade dos cargos políticos, com gente competente e preparada, que saiba enfrentar adequadamente os problemas do país. Não é a dilatação do prazo que vai fazer com que uma administração desastrada ou desonesta se conserte. Todo programa de governo previamente planejado deve ser executado no período legal do mandato.
A não reeleição evita que o político faça conchavos e acertos escusos para se perpetuar no poder. A política, para ser saudável e sustentável, não pode ser profissão, muito menos perpétua.
A proibição da reeleição favorece o princípio republicano da renovação e alternância do poder. É preciso continuamente abrir espaço para o surgimento de novas lideranças políticas, acabando-se com o feudalismo vigente na estrutura dos partidos, cujos fundadores ou chefes fazem deles propriedade particular. Na democracia, quanto mais renovação nos comandos, menos espaço se proporciona ao continuísmo ditatorial ou feudal.
O político - seja ele do Executivo ou do Legislativo - que não executa seus projetos ou ideias dentro do prazo legal do mandato revela, desde logo, um péssimo planejamento ou incompetência para o exercício da função pública.
O Parlamento e o Executivo, nos regimes democráticos, devem ser exercidos sempre de forma transitória. O fim do político profissional não significa acabar com o profissionalismo necessário do serviço ou do servidor público, cuja expertise deve ser aproveitada da melhor forma possível na realização dos programas de cada governo ou de cada mandato."

Luiz Flávio Gomes - Uol

Viver é Perigoso

MOLEZA !


Fácil o Bolt fazer 100 metros abaixo dos dez segundos. Gostaria de vê-lo, ele que não é tão bom na largada, atravessar os 12 metros do cruzamento da Av. Francisco Masseli com a Rua Nova, em 4 segundos, como determina o semáforo brilhantemente regulado pelo Departamento de Trânsito da Prefeitura de Itajubá. Pelo menos deveriam instalar aquele apoio próprio para fixação dos pés, nos lados da calçada.

Clarin da Boa Vista