domingo, 17 de julho de 2016

VELHO LEÃO


"O velho Leão nem é mais a força dominante no território. Olhar tranquilo e distante. Odeia moscas. Parece sorrir quando olha de soslaio para suas cicatrizes. Aparenta ter orgulho delas. Observa com aparente desinteresse todo o seu redor.
Mas é um Leão."

John Chair

Viver é Perigoso

BOM DOMINGO ?


"O número de pessoas que buscam asilo, estão internamente deslocadas nos seus países ou são refugiadas por obras de guerras e perseguições chegou no final de 2015 a 65.3 milhões. Isso significa que uma em cada 113 pessoas da população mundial está fora do mundo comum e não tem acesso direto à hospitalidade universal. Cerca de 51% de refugiados do mundo são crianças, muitas separadas dos pais e viajando sozinhas à procura de destino.
O limbo em que se encontram os excluídos do mundo comum é, na perspectiva de uma razão abrangente da humanidade, a mais grave tensão difusa que permeia a vida internacional. " 

Celso Lafer

Viver é Perigoso

MOMENTOS MÁGICOS

JOGOS OLÍMPICOS

Viver é Perigoso

CANTINHO DA SALA

Joan Miró
Viver é Perigoso

RESUMINDO...


No princípio a autoridade constituiu a sua enorme equipe de assessores, formada por fieis amigos e aliados.  
E viu que isso era bom.
Depois percebeu que alguns deles insistiam em ter ideias próprias e os incentivou a deixar a equipe. 
E viu que isso era bom.
Faltava alguma coisa. Notou que o pessoal ficaria orgulhoso e feliz em ter uma praça florida, águas coloridas e um palco para as crianças escalar em dias de sol. 
E viu que isso era bom.
Em seguida concluiu ser interessante assumir a paternidade e a ajudar na conclusão, de projetos conseguidos por autoridades que vieram antes, projetos de casas populares tocados pelo governo federal, creches, pontes e pista de pouso.
E viu que isso era bom.
Concluiu que as águas devem se limitar a correr dentro dos leitos dos rios e providenciou a liberação de aterros, expulsando os seres viventes que lá se refugiavam.
E viu que isso era bom.
Imaginou que aumentando o número de vereadores ficaria mais fácil dominar a maioria e ao mesmo tempo provocaria o descontentamento da população contra os próprios, desviando o foco de atenção.
E viu que isso era bom.
Desentendeu-se e provocou divisões nas forças vivas da cidade, como grandes empresas, entidades e universidades.
E viu que isso era bom.
Não gostou da existência de vozes e penas discordantes de seus procedimentos, na imprensa escrita e falada. Provocou o silêncio de questionamento em quase todos os veículos.
E viu que isso era bom.
Optou por instalar o procedimento de consultas populares, de planejamento e de transparência, ao nível zero.
E viu que isso era bom.
Trocou um prédio industrial por um auditório/teatro.
E viu que isso era bom.
Pressentiu que seria bom estabelecer regras confusas para o projeto de estacionamento rotativo. Com o clamor popular teria uma boa oportunidade de socorrer os aflitos e em conjunto jogar a responsabilidade em cima das entidades do comercio.
E viu que isso era bom.
Colocou à venda muitos imóveis públicos com o intuito de reforçar o caixa.
E viu que isso era bom.
Colocou para funcionar um restaurante popular com preços subsidiados.
E viu que isso era bom.
Investiu todo o prestígio para conseguir verbas oficiais para o Hospital, relegando a um segundo plano, a antiga e tradicional e misericordiosa casa de saúde.
E viu que isso era bom.
Não investiu na manutenção dos empregos na industria.
E viu que isso era bom.
Resolveu buscar ficar mais um período no comando.
E viu que isso era bom.
Depois...descansou.

Viver é Perigoso  

TCHAU, NANICOS !

Proposta de emenda à Constituição dos tucanos Aécio Neves (MG) e Ricardo Ferraço (ES) restabelece a cláusula de barreira no Congresso. Isso pode significar o fim de partidos como o PTdoB, PSTU, PSDC, PV e PSC, além de outros, como PCdoB e PPS, já que eles podem não atender ao pré-requisito mínimo de 2% de votos válidos em ao menos 14 estados nas últimas eleições. Candidatos eleitos teriam que mudar de partido se quiserem exercer o mandato. 
Partido formado por ex-petistas, o Psol só atinge o mínimo exigido em três estados e corre risco de sumir se a PEC for aprovada.
A cláusula de barreira foi estendida ao Senado porque caso contrário, de acordo com Ferraço, a Câmara jamais aprovaria a proposta.
Projeto parecido foi aprovado em 1995, com validade a partir de 2006, mas foi vetado no STF por prever corte de recursos e de tempo de TV.

Diário do Poder

Viver é Perigoso

MOÇA BONITA

Arizona Muse