domingo, 12 de junho de 2016

VENTOS DE GUERRA


Reparem, se não está fácil para os americanos escolher um candidato, imaginem para nós brasileiros. Após a maratona de eleições primárias a disputa será entre o esquisito Donald Trump e a aguada Hillary Clinton. Impressionam os índices de rejeição aferidos pelos Institutos de Pesquisas: Hillary, 56% e Trump, 59%.

Índice de rejeição é detalhe da pesquisa eleitoral, que mais apavora a coordenação de campanha de qualquer candidato. Digo, coordenação de campanha, porque é norma, principalmente em cidades do interior, esconder os números reais das pesquisas para o candidato.

Os coordenadores têm acesso exclusivo aos dados obtidos e costumam inflar os números bons e reduzir e esconder os negativos, em especial o temido índice de rejeição. 
Razão: As eleições, por exemplo, em Itajubá, são definidas pelo contato direto, propaganda boca a boca e visitas porta a porta. Um candidato ciente que é possuidor de um alto índice de rejeição é tomado por um banzo. Um desânimo e por uma vontade de mandar todos para aquele lugar. 

Na terrinha, pelas suas características, torna-se difícil e mesmo, quase impossível, reverter o índice de rejeição. Devastadora a resposta dada à pergunta : Em quem você não votaria de jeito nenhum ?

Por aqui, temos especialistas em desconstruir nomes e candidaturas. E o pior, têm habilidade e experiência para fazer ruir nomes, espalhando pretensos elogios e votos de solidariedade. Disparam mísseis que abalam porta-aviões.

Em princípio, até mesmo os atingidos, em primeiro momento, ficam felizes com as menções. Um pouco adiante, nas urnas, constatarão os estragos.

Candidato a Prefeito com índice de rejeição próximo dos 40%, só ganha uma eleição se for candidato único. Somente um fato novo e excepcional para reverter o quadro.

O contrário também funciona, ou seja, basta uma notícia, mesmo que não totalmente verdadeira, porém impactante, seja espalhada e levada ao conhecimento dos eleitores às vésperas de um pleito e a desgraça está feita.

Telefonemas e recados elogiosos e solidários podem ser mais ameaçadores do que ameaças diretas e indiretas. Quem tem ouvidos, que ouça.

Promessas, propostas mirabolantes, ideologias e comprometimento de partidos em níveis Estadual e Federal, não influenciam nada ou muito pouco.

Podemos, e isso é terrível, estar caminhando para eleger o menos rejeitado, como deve acontecer com os americanos.

Viver é Perigoso   

E AGORA ?


Mais da metade das  empresas em operação no Brasil está inadimplente. Segundo a Serasa Experian, em abril, 4, 4 milhões de companhias estavam com dívidas em atraso. O total das dívidas soma R$ 105,6 bilhões.
45,2% são comerciais. 45% são de serviços e 8,9% são indústrias.
51% das empresas com dívidas estão localizadas no sudeste. 

Blog: E a Dilma quer voltar.

Viver é Perigoso

CURITIBA !


Viver é Perigoso

MOÇA BONITA

Kim