domingo, 27 de março de 2016

PODE SER DIFERENTE


No início dos anos 80, quando morávamos em Manaus, fomos convidados pelo Pastor da Iª Igreja Presbiteriana de Manaus, Pastor Caio Fábio (o pai), para irmos no encontro que iria acontecer, num domingo de páscoa, como hoje, às 05:00 horas da manhã, numa Praça ampla de Manaus, conhecida como "Bola da Suframa". Na verdade, uma rotatória em aclive, com enorme área gramada.
Lá fui e ainda estava escuro quando cheguei. Centenas de pessoas. sentadas e espalhadas pelo gramado. Famílias inteiras, pareciam em oração. Fiz o mesmo.
Passados uns tantos minutos e o sol veio surgindo espetacularmente. O sol de Manaus é sol mesmo. Não surge com nenhuma timidez. Surge com toda a sua força de Astro - Rei.
Em pé, com sua barba branca tocada pela leve brisa matinal que soprava, na certa vinda do encontro do Rio Negro com o Solimões, no nascimento do Rio do Amazonas, que ficava próximo, suportado por um par de muletas que sempre o acompanhava, o Pastor Caio Fábio, saudou a ressurreição de Cristo.
De forma mágica todos foram cobertos por uma nuvem de alegria. As pessoas riam, se abraçavam e pasmem, algumas até dançavam.
Depois que se fez silêncio, não completo, pelo ruidoso barulho de algumas crianças, Disse o Pastor: 
Porque ELE vive, está afastado o temor do amanhã. Cabe-nos, tornar homens novos.
Bons tempos.

Só por Deus. Como tornar-nos homens novos no meio de tantas frentes de batalhas. Como recolher uma espada já erguida ? Como queimar planos estratégicos de defesa e ataque já traçados ? 
Muito mais fácil vestirmos trajes de perseguidos, injustiçados, injuriados e coitadinhos. Como é difícil sorrir, estender as mãos, relevar e a maior das dificuldades, pedir perdão.
Mas já que transformar em homens novos, por nós mesmos, fica quase impossível e já estamos envergonhados de tanto repetir o pedido para o PAI, vamos fazer como Caim e tentar nos esconder.
Ou como sempre acontece, transformarmos a partir de hoje, pelo menos até segunda ou terça-feira, num homem medianamente novo.
Deus tenha piedade daquele que tem consciência do que tem que ser feito e não o faz, entre os quais eu me incluo.
Mas que pode ser diferente, ah! isso pode.

Viver é Perigoso