sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

SOB A LUZ DE VELAS



Quanto mais esperto o político, em mais coisas ele acredita - e menos acredita em qualquer delas.

H.L.Mencken

DA CADEIA PARA A TRIBUNA DO SENADO


O Ministro Teori Zavascki decidiu conceder liberdade para o Senador petista Delcídio do Amaral. O Senador está liberado para voltar ao trabalho, permanecendo em prisão domiciliar nas noites e dias de folga. 
Delcídio não usará tornozeleira eletrônica. Terá, entretanto, que deixar seu passaporte em poder das autoridades.
É a vida...

Viver é Perigoso

OI !


CANTINHO DA SALA

Interchange - Willem de Kooning
O bilionário (lógico) Kenneth C. Griffin, pagou US$ 500 milhões por dois quadros: 
“Number 17A”, de Jackson Pollock, e “Interchanged” de Willem de Kooning. 
Ele comprou as obras da coleção particular de David Geffen e deixou-as em exposição no Instituto de Arte de Chicago.
O valor é recorde para os dois artistas e supera a marca de maior venda privada da história, de US$ 300 milhões pagos por um museu do Qatar por um quadro de Paul Gauguin.
“Number 17A” foi uma das três pinturas presentes numa matéria da revista Life de 1949 que apresentou a arte moderna a muitos americanos. 
Quando “Interchanged” foi exposta na galeria Sidney Janis, em 1956, um crítico de arte disse que de Kooning havia superado Pablo Picasso como o pintor mais influente do mundo.

Viver é Perigoso

É DISCO QUE EU GOSTO

TRANSPARÊNCIA É PRIMORDIAL


Sempre me perguntam o que eu acho sobre a de Itajubá. Bem, das coisas que estão visíveis – porque as invisíveis nos escapam, obviamente – acho tímida e mediana. Os serviços básicos têm mesmo que ser oferecidos, isso não é nada extraordinário. Tanto em termos de saúde, obras... Faz parte da obrigação. Mesmo assim, não se consegue fazer tudo o que é preciso.

Eu tiraria o chapéu para o prefeito se sua administração tivesse a preocupação e realizasse coisas que transformassem a vida das pessoas, de verdade. Em quatro anos de governo dá para, pelo menos, começar a fazer isso. E é sempre um caminho sem volta, quando se começa a mexer nas estruturas sociais.
Fazer a população participar da administração – há diversos mecanismos para isso – é talvez a ação mais fundamental que eu espero de um prefeito. Mas participação efetiva, conscientização plena de sua co-responsabilidade para com a cidade e não uma ‘participação’ pra inglês ver. Aí, a transparência verdadeira é primordial. Dou nota baixa à administração local neste quesito.
Criar políticas públicas que tornem o cidadão ator consciente de sua responsabilidade para com o espaço público, para que ele lute pela qualidade da escola pública, mantenha limpas as vias públicas, viva com espírito coletivo, não aceite ações que deteriorem o meio ambiente e por aí vai. O cidadão tem que entender que é proprietário e não agente passivo de uma diretriz vinda de cima.
Ao final de quatro anos, o cidadão tem que ter crescido, se tornado autônomo, crítico, livre, pensante, participativo. Isso muda tudo dali pra frente. Isso muda a história de uma cidade.
Agora, passar 4 anos fazendo apenas o ordinário e deixar o cidadão do mesmo tamanho, ah, isso não é ser um bom prefeito! É medíocre e ultrapassado.

Célia Rennó

ECONOMIA