quinta-feira, 30 de junho de 2016

CLÃS DA BOA VISTA


Três das mais conceituadas farmácias de Itajubá ficavam na Boa Vista, é claro. A São Luiz, conduzida pelo Sr. Rui Braga e Sr. Gerson. Farmácia do Sr. Eduardo, com ajuda dos filhos e a Farmácia Nossa Senhora Aparecida, do Sr. Vitor.
Morador mesmo da Boa Vista era o Sr. Vitor, que só agora fiquei sabendo que era o Sr. Vital Eufrásio de Carvalho.
A casa do Sr. Vital permanece intocável na Praça da Igreja São José, onde continua morando  o Eng. Cláucio Galo Carvalho, filho mais novo do casal, Vital e Dona Vitalina, que vieram da vizinha Natércia.
Família bonita. José Hugo, o conhecido Bagunça, que num triste lance, no Estádio Coronel Belo Lisboa, teve a perna fraturada. Participou da jogada, o dentista Ditinho Leite que atuava pelo Yuracan. Em tempo, o Bagunça era atleta do Smart, clube conhecido por todos como o "Leão da Boa Vista".
Airton Galo de Carvalho, o Tirolesa, era o segundo da família. As moças bonitas, Leila, que casou com o Julinho Caputo, Leidi(e), esposa do ex-prefeito, por duas vezes e deputado, Dr. Rosemburgo Romano, idealizador do Hospital e da Faculdade de Medicina e a Leda, amiga de infância, que tomou o barco, com muitíssima antecedência, aos 30 anos, em 1978.
Família extraordinária.

Viver é Perigoso      

ENQUANTO ISSO...


Possível diálogo ocorrido em Brasília ;

- Ministro Tóffolli, chegou um recurso de um preso pela Polícia Federal.

- Por que prenderam o elemento ?

- Desvio de recursos públicos. Aliás, mais precisamente dos aposentados que fizeram empréstimos consignados.

- Qual a estimativa do total desviado ?

- Segundo o Ministério Público, algo em torno de R$ 100 milhões.

- Só por isso ? Esse pessoal está ficando louco. Prisão, daqui em diante, só quando a mordida for maior do que R$ 300 milhões. Digite logo o alvará de soltura. São quantos ?

- Um total de 10 corruptos.

- Mande soltar uns 8 para não dar muito na vista. Se tiver algum filiado do partido nessa leva, providencie uma carta com pedido de desculpas. Ah! me providencie uma taça de vinho branco.  

Viver é Proibido 

MOÇA BONITA

Deborah

COMO O STF NOS ENXERGA

Viver é Perigoso

DE VOLTA PARA A TORTURA


Suspensa pelo STF a curta liberdade desfrutada pelo ex-ministro Paulo Bernardo. Foi punido e voltará para o lado da Senadora Gleisi Hoffmann.

Clarin da Boa Vista

quarta-feira, 29 de junho de 2016

CLÃS DA BOA VISTA


Rua mágica na Boa Vista. Rua Eulálio Pinto, que não fica atrás da Igreja São José. Poderiam dizer que a Igreja é que fica adiante da Rua do Senhor Orlando Berthi e da Dona Sebastiana. 
Casa da moças bonitas e de um querido amigo.
Luíza, Linda, Leila e Marcos.
Sr. Orlando, homem dos sete instrumentos, que veio muito cedo de Caçapava. 
Funcionário da Fábrica de Armas e Professor de Mecânica Prática na Efei. Mago no reparo de motores de popa e da pequena cicatriz na face  provocada pelo salto de um dourado, nas priscas eras do Rio Sapucaí.
Luíza, uma das mais bonitas itajubenses da história. Como diziam, de fechar o comércio. Casou-se com o amigo amazonense, Zé Daou.
Linda, do Betinho Faria, Leila do Walter Mohallem, que partiu muito antes do combinado. Marcos, que foi da Bia e que o destino o fez começar tudo de novo no Rio de Janeiro. 
Falso desligado e atento a tudo.
Dona Sebastiana, que a calma e serenidade a levaram ultrapassar a barreira dos cem. Por nós da Boa Vista, é claro, doravante seria chamada de Rua Orlando Berthi.
Gente de bem.

Viver é Perigoso

MOMENTOS MÁGICOS

SOB A LUZ DE VELAS


Fica decretado que os homens 
estão livres do jugo da mentira. 
Nunca mais será preciso usar 
a couraça do silêncio 
nem a armadura de palavras. 
O homem se sentará à mesa 
com seu olhar limpo 
porque a verdade passará a ser servida 
antes da sobremesa. 

Thiago de Mello

Viver é Perigoso

AMIGO É PARA ESSAS COISAS

Encontrei hoje no Supermercado com um amigo de longa  data. Há tempos não nos encontrávamos. Perguntas comuns sobre a saúde, trabalho, família e seleção brasileira. Interessante, que de imediato reparei um certo desconforto no  Sebastião. Não identifiquei a razão, mas o ar ressabiado não deixava dúvidas.
Como em todo o fim de conversa de mineiros, disse-lhe:

- Bom, então fica assim. Foi legal encontra-lo. Vamos marcar um cafezinho para colocar a conversa em dia.

- Zé, disse ele, desconfiado e olhando para os lados, preciso lhe dizer um negócio meio chato. E colocou-se a cofiar a barbicha.

De imediato pensei: separou-se da Lourdes. Ou algo desse tipo. Suspirando fundo, ele disse:

- Pensando bem, melhor deixar para lá. Outra hora eu te procuro. Não é nada tão importante assim.

- Que isso Cara ! Sem problema, desembuche ! Sou todo ouvidos.

- Zé, não sei como começar. Penso que isso poderia acontecer com todo mundo. Mas...fazer o quê ? Aconteceu comigo.

- Claro ! É a vida. Devemos estar prontos para surpresas. Tudo pode acontecer. Mas e daí Tião ? 

- Zé, tenho certeza que você entenderá. Não me leve a mal e entenda. Fui levado a isso. Pensei muito e tomei a decisão. Sei que será difícil.

Já com a cabeça feita preocupei-me com a Lourdinha. Tão apaixonada, tão apegada. Mas ela sairá bem. Quem seria a outra ? 

- Tudo bem, Tião. mas aconteça o que acontecer, estaremos próximos.

- Sabia disso Zé. Só peço que esse assunto, pelo menos por hora, fique só entre a gente. Você entende não é ?

- Claro Tião. Por mim tudo bem.

E murmurando, ruborizado e com os olhos rútilos:

- Vou sair candidato a vereador.

Dei -lhe um tapinha nas costas, assenti com a cabeça e olhando com a solidariedade que o momento exigia e já afastando-me, disse-lhe:

- Cara, vá adiante. Isso passa.

Viver é Perigoso   



  

CANTINHO DA SALA

Helen Frankenthaler

TOFOLLI MANDA SOLTAR COMPANHEIRO


Viver é Perigoso

terça-feira, 28 de junho de 2016

MOMENTOS MÁGICOS

MEDICINA EM ITAJUBÁ - 3

Em 2 de maio de 1887, por iniciativa do Sr. Arlindo Vieira Goulart, foi fundada a Sociedade Beneficente Itajubense. A Sociedade funcionou num prédio existente na esquina das atuais Rua Cel Rennó e Comendador Ssgumann, na Praça Dona Amélia Braga. Instalaram-se ali, custeadas pela caridade pública, as primeiras enfermarias, destinadas todas a doentes pobres e, um modesto serviço de ambulatório. Funcionou também uma sua dependência num prédio existente no final da atual Avenida Cesário Alvim, na subida da atual Santa Casa.
Em 10 de outubro de 1900, após cumprir imensos benefícios, a Sociedade foi remodelada e ampliada, recebendo a designação de Santa Casa de Misericórdia.
Com recursos deixados em testamento pelo Dr. Domiciano da Costa Moreira e com auxílio de verba vinda de subscrição popular, foi adquirido pela Santa Casa o prédio da esquina da atual Dr. Pereira Cabral e Comendador Schumann, na mesma Praça Dona Amélia Braga.
A pedra fundamental do prédio da Santa Casa, como conhecemos, foi lançada em 28 de novembro de 1920. A planta foi elaborada pelo francês, Eduardo Piquet e a construção foi administrada pelo Sr. Moisés Luigi. A inauguração ocorreu em 24 de outubro de 1925.
Em 8 de setembro de 1941, foi lançada a pedra fundamental da Maternidade Xavier Lisboa, tendo sido inaugurada em 25 de dezembro de 1944. A iniciativa da sua construção foi do Dr. Gaspar Lisboa e muito contribuíram para a sua construção, o Dr. Venceslau Braz, Cel Alcides Faria, Dr. José Lima Medeiros, Hugo Jannotti, Antonio Simão Mauad, Maurício Kaisermann, Dr. José de Azevedo e muitos outros cidadãos.
Contou também com a ajuda do Governo Federal (50 mil cruzeiros), da Prefeitura (5 mil cruzeiros) e da LBA - Legião Brasileira de Assistência (25 mil cruzeiros).
No dia 19 de abril de 1958, foi inaugurado em Itajubá, o SAMDU - Serviço de Assistência Médica Hospitalar de Urgência, uma vitória do Deputado Euclides Pereira Cintra. No dia 9 de abril tinha chegado na cidade, com muita festa, a primeira ambulância do SAMDU.
Três médicos foram nomeados, Drs Erasmo, Monti e Joaquim Coelho. Foram também nomeados, como auxiliar de escritório, o Sr. Sebastião Vilas-Boa Souza, como motoristas, os Srs. Sebastião Roberti e Antonio Campos Alves, como atendentes, os Srs João Mauro Moraes e Rafael Gabriel Nassar, como auxiliar de serviços gerais, o Sr. Alfeu Rodrigues de Oliveira.
Em 1922 foi criado o Posto de Saúde, custeado pela municipalidade, pelo governo estadual e pela Rockfeller Fondation. 
Em 18 de agosto de 1956 foi inaugurado o prédio próprio ao lado do Mercado Municipal. Passou-se a denominar Centro de Saúde Amílcar Pellon. Um extraordinário batalhador pelo Centro de Saúde, foi o Dr. Antonio Braga Filho, Dr. Braguinha.
Também, inaugurado em 17 de novembro de 1939 o Posto Médico da Fábrica de Armas de Itajubá, com salas de cirurgia, raio-x, gabinete dentário, fisioterapia, oftalmologia e laboratório de análises.

Fica registrado o extraordinário envolvimento das lideranças da cidade no avanço no atendimento médico em Itajubá. em benefício de toda a população da micro-região. Sem nenhuma possibilidade de comparação com os dias atuais.

É a vida.

Informações obtidas junto as publicações do Sr. Armelim Guimarães, que não nos deixam esquecer dos grandes exemplos de solidariedade e abnegação de cidadãos de bem.

Viver é Perigoso           

LAMBENDO EMBIRA


Um levantamento sobre infraestrutura e volume de negócios começou a ser feito no Distrito Industrial de Pouso Alegre. A iniciativa faz parte de um projeto da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais - Codemig e Instituto Evaldo Lodi, ligado à Federação das Indústrias de Minas Gerais - FIEMG, para dar suporte financeiro e técnico a empresários. 

O programa de incentivo aos polos fabris foi lançado em 2015 para atender, em sua primeira etapa, 17 distritos em 13 cidades. Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, sediou o projeto-piloto, que está em fase de conclusão. No centro industrial de Contagem, uma estrutura administrativa, composta por associação de empresários e poder público, está prestes a ser criada para a execução do plano de ações que vai atender a localidade.

Até dezembro, além de Pouso Alegre, Belo Horizonte, Betim, Divinópolis,Governador Valadares, Ipatinga, Ituiutaba, Juiz de Fora, Montes Claros, Sete Lagoas, Uberaba e Uberlândia, devem ter os seus próprios planos de ação.

Blog: E nós ? Os administradores da terrinha têm que cair na real e acatar a posição de meros coadjuvantes no desenvolvimento estadual. Estamos lascados.

Viver é Perigoso  

MOÇA BONITA

Angela
Parabéns Angela. Moça Bonita, corajosa, paciente, tolerante, determinada, encorajadora, transbordante de fé.

Abraço,

Viver é Perigoso

SALAFRÁRIOS DA CULTURA

Viver é Perigoso

segunda-feira, 27 de junho de 2016

CARTA QUE NÃO RECEBI

Nova Jersey, 26 de junho de 2016

Prezado Amigo,

Entendo que o avanço da tecnologia é inexorável. Meu pai, Thomas Edison, repetia isso desde o meu nascimento, em Nova Jersey, em 1879.
Não contesto e não me revolto. Simplesmente aceito. Saio descochada de cena.
Jamais acreditei que seria proibida de circular e, desculpe a modéstia, de continuar brilhando no seu país, a partir do final desta semana. Para ser mais precisa, no dia 30 de junho de 2016.
Sou ciente da minha importância na sua vida. Na sua movimentada infância na Boa Vista, é claro, minha presença espantou sombras e medos.
Te acompanhei na leitura da Bíblia Sagrada, do que muito me orgulho. Senti muito feliz por estarmos juntos nas leituras das Crônicas Marcianas e dos Frutos Dourados do Sol, do Ray Bradbury e claro, nas conversas do Júlio Verne. E cá entre nós e que ninguém nos ouça, também estivemos juntos no folhear apressado da Playboy americana que circulava entre todos os amigos da escola.
Na  minha presença, em altas madrugadas, você leu e releu as mal- traçadas linhas da cartinha anunciando o "fora" da namorada.
Certo, que apaguei-me, certas vezes, para preservar a sua intimidade.
Fique com essa desleal concorrente esbranquiçada e fria fluorescente.

Lâmpada Incandescente

Viver é Perigoso




FALTA DE JUÍZO !


Segundo uma propaganda eleitoral antecipada que corre pela internet, Itajubá não está longe de ser uma das dez melhores cidades do Brasil. 
Oremos pelas outras. 

Viver é Perigoso



domingo, 26 de junho de 2016

NA FRENTE DAS CRIANÇAS ?


Viver é Périgoso

MOÇA BONITA

Jennifer Hawkins 

VENTOS DE GUERRA


Atenção moçada: Consultem os prazos limites da Legislação Eleitoral e concluam que a partir d0 final da próxima semana os pré-candidatos não poderão mais falar no rádio. Os da oposição não precisam tomar cuidado, uma vez que todas as emissoras da cidade não costumam abrir espaço esses invejosos.
Ah ! Propaganda disfarçada de Informativo e inaugurações estarão proibidas.
Tem muita gente de olho.

Viver é Perigoso

sábado, 25 de junho de 2016

ENFIM...


Viver é Perigoso

É A VIDA...



Quem nasceu ou mora há algum tempo em Brasília já ouviu falar na história do sargento Silvio Hollenbach.
Em 1977 ele passeava no zoológico da capital com seus filhos quando viu um garoto de 13 anos cair e ser atacado no fosso das ariranhas.
Ele se atirou no fosso e conseguiu salvar o garoto. Mas, morreu dias depois por infecção generalizada devido às mordidas dos animais.
Ele ganhou um busto no zoológico e sua história de heroísmo é uma das mais famosas de Brasília.
O menino que foi salvo, no entanto, nunca agradeceu aos familiares do sargento. Nem sequer um obrigado ou solidariedade com aqueles que perderam um pai para que um outro menino pudesse viver.
Hoje, a história e Brasília se reencontram.
O menino salvo pelo sargento chama-se Adilson Florêncio da Costa.
Vivo, pôde subir na vida e chegou ao cargo de diretor financeiro do Postalis.
Rico, foi preso hoje na operação Recomeço da Polícia Federal. Ele é suspeito de desvios milionários no fundo de pensão dos funcionários dos Correios, de surrupiar a aposentadoria de quem esperava descansar após uma vida de trabalho.

Vera Magalhães

Blog:Lembramos da Crônica publicada pela Folha em 1º de setembro de 1977. Foi escrita pelo jornalista Lourenço Diaféria (1933/2008). Pela crônica, Diaféria foi preso pelo regime militar. Durante algumas semanas a Folha deixou em branco o espaço destinado ao colunista em repúdio à sua prisão.A crônica comentava o heroísmo do Sargento Silvio Delmar Hollenbach, que em agosto/77, pulou num poço de ariranhas no zoológico de Brasília para salvar um menino. A criança se salvou, mas o militar morreu.

Viver é Perigoso

sexta-feira, 24 de junho de 2016

MEDICINA EM ITAJUBÁ - 2

Em 1966, com o hospital já praticamente pronto, embora ainda não em funcionamento, Rosemburgo Romano aproveitando o momento, bem como, a história e tradição de Itajubá no ensino, lançou a idéia da criação de uma Faculdade de Medicina, a qual foi, na época, vista, por muitos, como visionária, como um sonho impossível.
Rosemburgo acompanhado de Sebastião Osvaldo da Silva e do farmacêutico, mais tarde médico, Expedito Magalhães Ribeiro, foram à casa do Prof. Dr. Eurípedes Garcia em São Paulo, médico do Hospital das Clínicas e da Beneficência Portuguesa, para elaborar o estatuto da futura Faculdade.
Muitos médicos de São Paulo tornaram-se amigos e apoiaram a ideia da interiorização da medicina incentivando-a, como Dr. Dante Pazzanese, Dr. Adib Jatene entre outros. Decisivo o apoio do Sr. Laudo Natel, então governador de São Paulo.
Embora só existindo no papel a Faculdade, Rosemburgo intitulou-se diretor e nomeou Sebastião Osvaldo da Silva secretário geral. Foi feita grande divulgação da Escola pelos meios de comunicação, contando com a inestimável ajuda do jornalista Sebastião Inocêncio Pereira, redator e diretor do jornal “O Sul de Minas”.
Era necessário também, por normas governamentais, para a criação de uma Faculdade isolada, que ela estivesse ligada a um órgão público, a uma fundação, a uma sociedade ou associação.
Foi constituída uma comissão integrada pelos senhores: Dr. Basílio Pinto Filho, Dr. Sebastião Rezende Monti, Sr. Sebastião Osvaldo da Silva e o farmacêutico Expedito Magalhães Ribeiro que, em abril de 1967, procuraram pela Fundação Theodomiro Santiago ligada à Faculdade de Engenharia, na pessoa de seu Presidente Pedro Mendes dos Santos a quem foi feito o apelo da incorporação da Faculdade de Medicina de Itajubá por essa Fundação. Havia ainda memoriais assinados por diretoras de treze escolas de 2º grau, pela Diretoria do Lions, por médicos, odontologistas e vários outros, em um grande movimento liderado por Rosemburgo Romano, conforme consta em ata.
Em 23 de abril de 1967, a Fundação Theodomiro Santiago torna-se Mantenedora da Faculdade de Medicina de Itajubá, considerando que o patrocínio da criação da Faculdade de Medicina de Itajubá representaria inestimável serviço prestado ao Estado de Minas e ao país no campo do ensino de nível superior. Ficou designado o nome do Dr. Rosemburgo Romano como diretor da Faculdade na ata dessa reunião.
Em 1970 a Fundação Theodomiro Santiago deixaria de ser mantenedora e seria criada a Fundação Universidade Regional de Itajubá (FURI), em 27 de agosto de 1970, pelo diretor Dr. Rosemburgo Romano, passando a ser a nova mantenedora. Em 1972 foi extinta a FURI e criada a Associação de Integração Social de Itajubá (AISI), como nova mantenedora da Faculdade, na gestão do Dr. Ítalo Mandolesi Filho como diretor, tendo como administrador o Sr. João Aldano da Silva, que organizou toda a parte administrativa da instituição. A Associação de Integração Social de Itajubá (AISI) permanece como Mantenedora da Faculdade até o presente tendo-se tornado entidade de utilidade pública pela lei No 6.734 de onze de dezembro de 1975, assinada pelo então governador Dr. Aureliano Chaves de Mendonça.
Voltando ao ano de 1967, já com todos os papéis prontos, uma comitiva de cerca de 40 pessoas, entre os quais: Rosemburgo Romano, José Ribeiro Filho, Dr. Walter Cabral (Juiz de Direito), Sebastião Osvaldo da Silva, Dep. Euclides Cintra, Dep. Luiz Fernando Faria de Azevedo, Dr. Amarílio Barreto Costa, Dep. Aureliano Chaves entre outros, dirigiu-se ao Conselho Federal de Educação no Rio de Janeiro para protocolar o projeto de criação da Faculdade.
O então prefeito de Itajubá Tigre Maia, neto do escritor Bastos Tigre, também integrante da comitiva e que deu grande apoio a todo processo de criação da Faculdade, preparou o campo para a entrevista com o diretor do Departamento de Educação, Sr. Epílogo Gonçalves de Campos. Foi protocolado o projeto.
O Conselho Federal de Educação, em 01 de abril de 1968, autorizou o funcionamento da Faculdade de Medicina de Itajubá, sendo esta a data oficial de sua criação. Foi convocado o primeiro vestibular.
A Faculdade começou a funcionar no prédio do Hospital das Clínicas, onde as aulas eram ministradas. Assim nascia a quinta Faculdade de Minas Gerais.
O corpo docente foi constituído, a convite de Rosemburgo Romano, por professores renomados com o intuito de oferecer o melhor em ensino e também dar nome à escola que se iniciava.
Integraram o quadro de professores: Prof. Samuel Pessoa, Prof. Luigi Boigliolo, Prof. Adib Jatene, Prof. Edmundo Chapadeiro, Prof. Lauro Solero, Prof. Oswaldo Castro, Prof. Waldemar de Carvalho, Prof. Tasso Ramos de Carvalho, entre muitos outros luminares da medicina brasileira.
Não havia, entretanto, ainda, o prédio da Faculdade e aqui cabe uma curiosidade: na época da aprovação, veio a Itajubá uma comissão do Conselho Federal de Educação do Rio de Janeiro, para fiscalizar o patrimônio físico da Faculdade.
Rosemburgo conseguiu que fosse feita a cessão do prédio de propriedade do médico radiologista Dr. José Lourenço de Oliveira, localizado à rua Dr. Pereira Cabral, no centro, e do edifício do “Instituto Padre Nicolau” no bairro Avenida, para a Escola, entretanto, a Faculdade nunca funcionou nesses locais.
O patrimônio apresentado impressionou a comissão.
O terreno onde hoje é o campus da faculdade, foi doado pela Sra. Sinhá Moreira e pelo Sr. Luis Carlos Carneiro, de Santa Rita do Sapucaí que eram donos de grande loteamento no local e este último, dono da agência de veículos onde hoje é a Itavel.
A doação foi efetivada constando de dois lotes de 5.000 m² cada, entremeados por uma rua.
A rua da Faculdade, R. Cel Renó Junior, foi aberta a mando da própria direção da Faculdade com auxílio do Dr. Pedro Fonseca Paiva chefe do DER e foi também, realizado, pela direção, um aterro de um metro e meio em toda a área.
Na planta do loteamento havia ainda um espaço reservado para uma praça ao término da rua da Faculdade (R. Coronel Renó Junior) cuja doação seria solicitada ao prefeito Tigre Maia. O Prefeito concedeu a doação do terreno que viria tornar-se a praça de esportes do diretório acadêmico, que leva o nome do Prof. Ítalo Mandolesi Filho, segundo diretor da Faculdade que empenhou-se em sua construção. A praça de esportes abriga hoje o complexo esportivo do diretório acadêmico e sua discoteca “Albatroz”.
O Diretório Acadêmico foi fundado pelos alunos da primeira turma em junho de 1968. O prédio da Faculdade foi inaugurado em 1970.
Em outubro de 1970, assumiria a direção o Prof. Dr. Ítalo Mandolesi Filho que, entre outros feitos administrativos, como a construção da Praça de Esportes do Diretório Acadêmico que leva seu nome, colocou o hospital em funcionamento definitivo e obteve o reconhecimento da Faculdade em 1974.

Livro "História da Medicina - Curiosidades e Fatos", de autoria do médico e professor, Dr. Lybio Martire Junior - Editora Astúrias.

Viver é Perigoso


AGORA VAI !


Criada em Curitiba a AETPT - Associação dos Ex-Tesoureiros do PT

Clarin da Boa Vista

PIPOCAS PARA OS MACACOS


Antes que algum candidato a Prefeito prometa a construção de um zoológico na cidade, o que, diante do estamos vendo, não seria nada impossível, interessante que tomassem conhecimento no que vai pelo mundo.

"Finalmente os argentinos nos mandam algo diferente de frentes frias. Informaram que foi decidido o fechamento do Zoológico de Buenos Aires, fundado em 1874.  
Foi anunciada a construção de um ecoparque interativo que implicará a transferência de 1.500 animais para reservas naturais e santuários de todo o país — de elefantes africanos e rinocerontes até serpentes. 
Antes haverá um censo dos animais, será definido seu estado de saúde e tomada a decisão sobre o local para onde irão. O Governo calcula que uns 50 exemplares permanecerão no lugar porque mudá-los poria sua vida em risco.
Uma Comissão para a Transformação do Zoológico de Buenos Aires recomendou avançar para um modelo de ecoparque, aberto à comunidade. 
A ideia oficial é converter os edifícios do Zoo em espaços interativos de educação ambiental, com apoio de suportes tecnológicos. Também funcionará ali uma clínica para animais vítimas de tráfico ilegal. . 
Afirmou um dos defensores do fechamento do zoológico:
“Um zoológico transmite uma mensagem perversa, sobretudo porque se volta para um público infantil ao qual dizemos que enjaular um ser vivo para o nosso deleite é válido. Acredito que agora vem uma mudança de modelo para a qual já estamos preparados, porque quando se diz às crianças que não é certo prender animais isso lhes parece uma obviedade”.

Viver é Perigoso

ASSUNTO RESOLVIDO



Finalmente resolvida a questão. O júri de Los Angeles decidiu ontem, quinta feira, que a célebre "Stairway to Heaven " não foi plagiada. A música do Zeppelin há anos era alvo de acusações de plágio. A acusação pedia milhões de dólares pela cópia e falta de crédito.
A música foi composta por Robert Plant e Jimmy Page, do Zeppelin.
Melhor assim.

Viver é Perigoso

MEDICINA EM ITAJUBÁ - 1

Em 1960, Itajubá possuía apenas um hospital, a Santa Casa de Misericórdia, fundada em 1894. Em julho daquele ano chegou à cidade o jovem médico Rosemburgo Romano (nascido em Ponte Nova), formado na primeira turma da Faculdade de Medicina de Uberaba, que, unindo-se a outros médicos, fomentou a ideia da criação de um novo hospital.

Para por em prática a ambiciosa aspiração, em 1963, foi criada uma sociedade anônima denominada Hospital Itajubá Sociedade Anônima (HISA), cujo primeiro contrato social foi elaborado pelo Sr. Alberto Pereira Filho, como Sociedade em organização, tendo inicialmente como membros oito médicos da cidade, que eram, em ordem alfabética: Dr. Adílio Guimarães Dias, Dr. Basílio Pinto Filho, Dr. Erasmo Cardoso, Dr. Joaquim Lima Coelho, Dr. José Pinelli, Dr. José Sebastião Rezende Monti, Dr. Orlando Sanches e Dr. Rosemburgo Romano.

Dr. Adílio (sempre a Boa Vista) quis ceder seu casarão, hoje pertencente à receita estadual no bairro da Boa Vista, mas, o antigo imóvel, apesar de grande e imponente, seria pequeno para o que se pretendia, assim, foram criadas ações para serem vendidas à população, o que geraria os dividendos para a construção do futuro hospital.

Os primeiro impressos relativos às ações do HISA foram feitos sob a forma de crediário pelo Sr. Geraldo Teófilo de Oliveira (também da Boa Vista) , pai da Dra. Daisy Mara de Oliveira Valério, anestesista, tendo financiado, portanto, a verba inicial do futuro hospital.

Os papéis das ações começaram a ser vendidos, com grande aceitação pela população de Itajubá e também pelas populações de cidades vizinhas, que entenderam a importância do empreendimento para toda a região, arrecadando dinheiro suficiente para a construção do hospital.
As plantas do hospital foram feitas pelo Eng. Joaquim Nogueira da Gama, do DER, Cel. Miranda, Engenheiro do exército, com o auxílio de outros, como Dr. José Ernesto Coelho, que trouxe fotografias de um moderno hospital dos Estados Unidos que acabou influenciando a planta definitiva.
Ainda no ano de 1963, foi adquirida uma área de propriedade da Sra. Cândida Gonçalves Bustamante e de seu marido Sr. José Gomes Bustamante, em um morro, no local denominado Chácara das Moças, atualmente Morro Chic. O casal e seus filhos José, Antonio e Tereza Bustamante, prestaram grande colaboração ao projeto, posto que, o valor que a sociedade anônima não tinha para pagar, foi financiado à longo prazo, tendo sido completado o pagamento muitos anos depois. O espírito nobre da família Bustamante jamais cobrou a instituição, deixando-a livre para pagar como e quando pudesse. Mais tarde seriam adquiridas mais duas outras áreas acima e ao lado do hospital.

As obras do hospital tiveram início em 31 de dezembro 1963, estando presentes, entre outros, o padre Agostinho Picardi, pároco da cidade, Dr. Rosemburgo Romano, Dr. Orlando Sanches, Sr. Antonio Riera, Sr. Sebastião Inocêncio Pereira, redator do jornal O Sul de Minas.
(observação: nosso querido Tio Antonio, da Padaria Boa Vista).

O prefeito na época era o Sr. José Maria Campos, mas, como a prefeitura estava em sérias dificuldades financeiras, o apoio restringiu-se apenas à aprovação da planta.

Só em 04 de maio de 1965, entretanto, com as obras já em andamento e contando já com mais de mil associados, é que foi lavrada uma Escritura Pública de Constituição da Sociedade Anônima Hospital Itajubá, até então nada estava oficializado, na qual consta um prédio em construção em terreno de 4.400m². A este ato estiveram presentes: Dr. Jerson Dias, Dr. Ítalo Mandolesi Filho, Dr. Joaquim Lima Coelho, Dr. Orlando Sanches, Dr. Rosemburgo Romano, Dr. Erasmo Cardoso, Dr. José Lourenço de Oliveira, Dr. Basílio Pinto Filho, Sr. Walter Mohallem, Sr. João Aldano da Silva, Sr. Roberto Benedito Andrade Carneiro, Sr.João Pinto Ribeiro, Sr. João Mauro de Morais (o nosso João Mauro - da Avenida) e Sr. Antonio Riêra.

As ações continuaram a ser vendidas, havendo grande colaboração na divulgação, na venda e na aquisição, por parte de médicos, outros profissionais e de grande parcela da população, não apenas de Itajubá, mas também de cidades vizinhas como Pedralva, Carmo de Minas, São José do Alegre (aqui se destacam o apoio do Sr. Geraldo Daniel de Carvalho, Sr. Benedito Mendonça e Sr. José de Campos), Santa Rita do Sapucaí (sob a liderança do Dr. Elias Kalláz), Piranguinho, Brazópolis, Paraisópolis, Conceição dos Ouros entre outros municípios, que compreenderam a importância do projeto para a região.

Não houve apoio do governo de Minas e então o Dr. Rosemburgo Romano buscou apoio em São Paulo, do Sr. Laudo Natel, que se prontificou a ajudar, concedendo empréstimo através do Bradesco, banco do qual ele era acionista e fazendo apresentações a empresas de São Paulo que poderiam fornecer material hospitalar.

Em 1966 as obras do hospital estavam praticamente concluídas e a aparelhagem começou a ser adquirida gradativamente. A empresa White Martins também concedeu crédito especial através do Sr. Pinheiro que era seu representante na região e do Sr. Félix Bulhões, diretor proprietário da empresa.
O hospital mais tarde receberia o nome de Hospital Escola da FMIt.


Livro "História da Medicina - Curiosidades e Fatos", de autoria do médico e professor, Dr. Lybio Martire Junior - Editora Astúrias.

Viver é Perigoso (09/6/2011)

BEAU GESTE


Janeiro de 2000. A força avassaladora do Rio Sapucaí inundava a cidade de forma jamais registrada na história. Famílias deixando seus lares e bens, duramente conquistados, em busca de locais seguros.
Desinformações e princípios de pânico. Muitos moradores, comemorando as festas da passagem de ano em outras cidades.
Entra no ar, na Panorama FM o Chico Vasconcelos. Conduzida por ele foi montada às pressas uma central de informações.
Enquanto os telefones funcionaram na cidade, o Chico recebia informações e pedidos de socorro que eram transmitidos no ar.
Tornou-se o único canal de informações.
A primeira noite passei em cima de uma mesa com o Rádio Portátil ligado direto no Chico Vasconcelos, que concentrava todas as informações sobre a força e o nível das águas. No dia seguinte fomos até a Cabelauto, que em férias coletivas, contava somente com os guardas da portaria. Ao atravessar uma correnteza, dentro do Condomínio Helibras, o carro foi levado pela força das águas. O grande amigo Vicente Motorista e eu terminamos a travessia a nado. Foi uma imprudência.
Foi utilizada a cozinha industrial da Cabelauto, quando um segurança produziu uma substancial sopa e café. Cerca de 100 pessoas, impedidas de seguir viagem pela BR-459, lá se alimentaram e dormiram, ou nos próprios carros ou em camas improvisadas com caixas de papelão.
E durante todo o tempo os rádios dos carros permaneceram ligados no Chico Vasconcelos.
Um gesto extraordinário.
Com setenta e cinco anos, Chico Vasconcelos tomou o barco ontem na terrinha. Já deve ter escutado ontem na sua recepção:
- Você é o Cara da enchente de 2000 em Itajubá ? Pode entrar direto.
É a vida...

Viver é Perigoso
     

FALTOU !


Viver é Perigoso

HORA DO ACERTO

Sinto incomodado e não contente com a exposição pública, quando da prisão de acusados de corrupção na Operação Lava - Jato.
Tudo bem, estão pagando por agirem mal e prejudicar milhões com a malversação de recursos públicos.
As operações espetaculosas, com total cobertura dos meios de comunicação, já podem ser consideradas uma parte da punição. 
Não sei, mas o medo de ser sujeito a essa exposição, na certa, poderá arrefecer a ganância e desrespeito para com as coisa públicas. 
Vai dar muito o que falar a prisão do ex-ministro Paulo Bernardo.
A PF realizou a busca, apreensão no apartamento funcional cedido para a sua mulher, Senadora Gleisi Hoffmann, acontecida, segundo a imprensa, na presença de um filho menor. Constrangedor por causa do filho.
Não constrangedor por ser a esposa do detido, Senadora da República. Todos deveriam ser iguais perante a lei.
Recentemente, o Lula foi levado para prestar depoimento, tendo o seu apartamento, na ocasião, sido revirado de cabeça para baixo pela PF. Tudo na presença de sua esposa. Ninguém se preocupou com o possível constrangimento da Dona Marisa. 
José Dirceu, idem. O Vacari, idem, tantos empresários famosos, idem.
Todas as esposas dos citados não gozavam de Foro Especial.
Por que o melindre com o possível ferimento de direitos especiais da Senadora Gleisi ? No caso ela é esposa de um denunciado acusado de crime.
A reação imediata dos seus companheiros do Senado, buscando ajuda no STF, parece mais uma solidariedade esperançosa, prevendo o que poderá acontecer, dentro em breve, com muitos deles.
Estamos atravessando um lamaçal.

Viver é Perigoso  
  

HORA DO ACERTO

Sinto incomodado e não contente com a exposição pública, quando da prisão de acusados de corrupção na Operação Lava - Jato.
Tudo bem, estão pagando por agirem mal e prejudicar milhões com a malversação de recursos públicos.
As operações espetaculosas, com total cobertura dos meios de comunicação, já podem ser consideradas uma parte da punição. 
Não sei, mas o medo de ser sujeito a essa exposição, na certa, poderá arrefecer a ganância e desrespeito para com as coisa públicas. 
Vai dar muito o que falar a prisão do ex-ministro Paulo Bernardo.
A PF realizou a busca, apreensão no apartamento funcional cedido para a sua mulher, Senadora Gleisi Hoffmann, acontecida, segundo a imprensa, na presença de um filho menor. Constrangedor por causa do filho.
Não constrangedor por ser a esposa do detido, Senadora da República. Todos deveriam ser iguais perante a lei.
Recentemente, o Lula foi levado para prestar depoimento, tendo o seu apartamento, na ocasião, sido revirado de cabeça para baixo pela PF. Tudo na presença de sua esposa. Ninguém se preocupou com o possível constrangimento da Dona Marisa. 
José Dirceu, idem. O Vacari, idem, tantos empresários famosos, idem.
Todas as esposas dos citados não gozavam de Foro Especial.
Por que o melindre com o possível ferimento de direitos especiais da Senadora Gleisi ? No caso ela é esposa de um denunciado acusado de crime.
A reação imediata dos seus companheiros do Senado, buscando ajuda no STF, parece mais uma solidariedade esperançosa, prevendo o que poderá acontecer, dentro em breve, com muitos deles.
Estamos atravessando um lamaçal.

Viver é Perigoso  
  

quinta-feira, 23 de junho de 2016

CANTINHO DA SALA

Georges Mathieu

BURACO NEGRO


"Estamos passando no Brasil, é preciso reconhecer, momentos de grandes dificuldades. O país está enfermo, às voltas com graves crise de natureza econômica, política e ética. Sem dúvida, é preciso que as enfermidades sejam tratadas, como estão sendo, e tenhamos a coragem de ministrar os remédios amargos quando necessário"

Teori Zavascki

Viver é Perigoso


ERRAMOS !


Embora publicado num cantinho de pé de página, o "erramos" da Folha de São Paulo pegou fama. Acontece uma falha da redação, uma informação não confirmada ou mesmo uma rara "batatada", quase sempre observada por um assíduo e chato leitor, lá vem a notinha "erramos".
Humildade e reconhecimento de engamos. Bem escondidinho.
Aí está uma sugestão para o próximo número do coloridíssimo Informe da Prefeitura. Logicamente, não teria necessidade de ser colorido. Ficaria bem melhor, devido ao conteúdo sugerido, ser editado em Preto & Branco.
Seria só com notas com o título "erramos". Umas maiores, dado o tamanho do erro e outras menores, justificando coisas mais simples.

Erramos 1 - Lamentamos o equívoco de ter expostos carros velhos de administrações anteriores no Sambódromo.
Erramos 2 - Erramos em ter proibido os Secretários e Assessores de conceder entrevistas.
Erramos 3 - Em não responder pedidos de informações da imprensa.
Erramos 4 - Em exagerar na estrutura contratada para o Show do Chitão&Xororó.
Erramos 5 - Em apoiar a regularização dos rodeios.
Erramos 6 - Em comprar um automóvel com características exclusivas.
Erramos 7 - Em concordar em receber o lixo de mais cidades vizinhas.
Erramos 8 - Em contratar de forma atabalhoada a empresa para explorar a Zona Azul.
Erramos 9 - Em direcionar a agenda de trabalho das emissoras de rádio locais.
Erramos 10 - Em colocar a venda imóveis pertencentes ao município.
Erramos 11 - Em não discutir com a Mahle a sua permanência na Santa Casa.
Erramos 12 - Em apoiar o aumento de dez para dezessete vereadores.
Erramos 13 - Em permitir o aterro das margens do Ribeirão Piranguçu.
Erramos 14 - Em permitir a saída da PKC
Erramos 15 - Em não conduzir com absoluta transparência as obras de reforma da Praça. 

Escreveu o grande Nelson Mandela:

Somente políticos de gabinete são imunes ao erro. Os erros são inerentes à ação política. Quem está no centro da luta política, tendo que lidar com problemas práticos e prementes, dispõe de  pouco  tempo para reflexão, não há precedentes para guiá-los e estão sujeitos a errar muitas vezes. Mas no devido tempo, desde que sejam flexíveis e preparados para um exame crítico do próprio trabalho, adquirem a experiência e a visão necessárias para evitar as ciladas mais comuns, e podem seguir adiante em meio à palpitação dos eventos.

Nelson Mandela 

Todo mundo erra. Assumir os erros, e cuidar para que não se repitam mais, é o que interessa.
Vamos adiante.

Viver é Perigoso 

E SEGUE O JOGO...


Com a Operação Custo Brasil, deflagrada hoje pela Polícia Federal, o PT recupera a liderança do Campeonato brasileiro de corrupção, que havia perdido para o PMDB, que caiu para segundo posto.
Com o sucesso da Operação Turbulência, realizada no início da semana, o PSB, do falecido Eduardo Campos e Marina Silva, sob algumas posições e deixa a zona de rebaixamento. O PSDB segue em sua campanha incerta, cheia de altos e baixos. Nada ainda decidido.

Clarin da Boa Vista 

TURMA DO ANDAR DE CIMA


Os jornalistas do "Gazeta do Povo" do Paraná foram mexer no vespeiro e estão se lascando. Comentaram sobre o tratamento especial (e legal) recebido pelos Senhores Juízes do Paraná.
Realmente a classe se considera intocável. Não era para ser. Auxílio Moradia deveria ser extinto para todos os funcionários públicos. Deputados, estaduais e federais, Senadores, e Ministros. Não se justifica e é visto como um privilégio.

Deu no "Estado de Minas"

"Juízes e desembargadores mineiros receberam ontem um extra de até R$ 75 mil, referente a mais uma parcela do passivo de auxílio-moradia garantido pela Justiça aos magistrados que estavam no exercício de suas atividades no período de setembro de 1994 a dezembro de 1997. Nos corredores do Tribunal de Justiça, a informação é de que o próximo depósito do mesmo valor será feito na conta dos magistrados no segundo semestre.
O retroativo se refere à extinta “parcela de equivalência salarial”, valor que era pago aos magistrados como forma de compensá-los pela verba de auxílio-moradia que era paga apenas aos deputados federais e estaduais. A questão vem de 1988, quando a Câmara dos Deputados criou o benefício para os parlamentares – cerca de R$ 3 mil atuais, em valor convertido para o real."

Viver é Perigoso