domingo, 14 de fevereiro de 2016

TÔ FALANDO GREGO ?

Aos políticos de minha cidade, com pouquíssimas exceções

Em 2015, mais de 95% da população mostrou não querer o aumento do número de vereadores. Vocês não quiseram ouvir . Alegaram manipulação da pesquisa, disseram que o movimento era elitizado, 
E que a crise nem era tão feia assim, o importante era garantir a tal representatividade. Na verdade pensavam no próprio umbigo e/ou cumpriam ordens. 
Deram ás costas a cerca de 400 pessoas que em audiência pública referendaram a correção da pesquisa realizada e arquivaram sem rubor na face, o projeto de redução para 10 vereadores.Em 2016 , já promoveram correção nos seus salários enquanto a população agoniza - de fato para alguns, ou no temor para muitos, do desemprego á porta e de uma recessão de porte descomunal e com fim indeterminado.
Continuam andando na contramão da população e na mesma arrogância já conhecida.
De tudo faremos para deixar a cada um de vocês desempregados a partir de outubro e assim mostraremos como tem sido viver sem as benesses da política. É o mínimo que podemos desejar e faremos os esforços possíveis.
Ou escutam a população ou ficarão sob o risco de trabalharem no mínimo 44 hs por semana com salário aviltado , sem roupas empertigadas e sob o mesmo sol escaldante ou chuva contínua a que estamos todos expostos. 
Sejam coerentes e continuem pensando em salvar a própria pele: escutem a população pois o dia de vocês está chegando. O que é de vocês , está guardado e será ofertado em boa hora e de forma tranquila.
Em tempo : minha fala é de Brasileiro e de cidadão indignado com seus políticos. Não quero os seus lugares, não tenho estômago nem sei contar a mesma estória diferente conforme a conveniência, já tenho os meus muitos defeitos e estou correndo de adquirir novos.
Não bastasse a precariedade dos serviços que ofertam , também entregam ao povo o sentimento de desestímulo com a participação política através do péssimo exemplo dado.

Remy Andrade

Remy, um cidadão itajubense. Uma liderança comprometida com o desenvolvimento da cidade (e no momento, com a sobrevivência e restauração dos empregos). Acomodados, desacostumamos ver nossas lideranças assumir posição.
Em 1929, a Associação Comercial de Itajubá, presidida então pelo Sr. Didi Pereira, promoveu uma reunião entre os seus associados, com o intuito de tomar uma atitude quando da sucessão presidencial. Deliberou a ACI, endereçar ao Presidente Antonio Carlos sua solidariedade à Aliança Liberal.

Viver é Perigoso

10 comentários:

Anônimo disse...

Parab~ens ao Remy pela fala! Gostaria de vê-lo lá na ACIEI onde esta há anos sem , nenhuma expressão, deixando a entidade , como todos, ao deus dará.
Cade a FRICI meu camarada, cade a representatividade da entidade junto a cidade, será que só porque não estão dando a verba de 200 mil pra fazer uma feirinha ridícula vc anda brabo assim?
Tudo bem, sua bandeira é legal, mas vamos começar a dar exemplo em nossa casa, na AC, na Fabrica.
A palavra induz o exemplo arrasta.
Vá em frente, ah, desta vez em abril deixe gente nova entrar na presidencia, ta chato estas dobradinhas de sempre, fica mal...parece clubinho! Como na CDL né.

Anônimo disse...

Zelador, atualmente os petistas estão se especializando em se passar por vítimas e perseguidos. No caso do encerramento do programa da CR, antes de cair nessa tática, seria bom analisar melhor.

O programa estava se tornando um “Ana Maria Braga” do rádio. Já tinha a seção de saúde, e, não demoraria muito, fatalmente iria ter a seção de culinária e de horóscopo. Isso é muito bonitinho na televisão, embora essa fórmula já esteja ficando desgastada. Será que no rádio esse tipo de programa atrai anunciantes e gera lucros, que é o do quê a rádio sobrevive?

Além dos mais, seria oportuno se a própria jornalista esclarecesse se não foi convidada ou solicitada a mudar a linha do programa, tendo se recusado por qualquer motivo. Por exemplo: depois de tantos anos de carreira, não seria agora que iria mudar de estilo, etc... etc...

E, por último, todos estando carecas de saber que a mesma será candidata nas próximas eleições, qual a vantagem para a rádio em ser utilizada como palanque??

Anônimo disse...

Belas palavras, refletindo a indignação da maioria da população itajubense que, com certeza, fará justiça nas próximas eleições.

Edson Riera disse...

Anônimo das 13:22 horas,

Vamos repetir até cansar: O Brasil começa aqui !

Zelador

Celem disse...

Parabéns ao Remy pelo texto. A grande mudança na política tem que começar nas cidades.
Não há outro caminho.
Celem

Edson Riera disse...

Anônimo das 12:39 horas,

Condutores de programas de rádio na terrinha não estão podendo mais convidar e entrevistar pessoas que tenham capacidade de emitir posições, mesmo que de passagem, do desagrado do Executivo. Já existe um index com nomes dos questionadores. Você não mais os ouvirá este ano, exceto quando da propaganda gratuita (claro, se algum for candidato).
Deveria ser uma ginástica manter o programa atrativo sem o dia a dia da cidade. A Célia deve ter feito o que pode.
Informações culturais, de saúde e segurança, talvez ficariam melhor num programa da manhã ou no final de tarde.
A Célia tem capacidade para encarar com sucesso tanto um programa de entrevistas como um noticiário mais vibrante.

Zelador

Edson Riera disse...

Anônimo das 12:36 horas,

Quando sou eu que escrevo não me chateiam os comentários. Quando busco um escrito por alguém de coragem me chateiam os comentários pessoais e anônimos. O Remy não usa do artifício do anonimato. Por que você nessa crítica pessoal não faz o mesmo ? Poderiam conversar e esclarecer melhor.
Acho o Remy atuante e peço-lhe desculpas por submetê-lo à críticas.

Zelador

Remy andrade disse...

Caro Edson,
Imagine, não há absolutamente nada do que se desculpar.
A iniciativa de postagem em redes socias foi minha e ela traz implícita
A exposição á críticas, justas ou não.
Vejo nas considerações efetuadas por este anônimo , oportunidade
De alguns esclarecimentos .
À avaliação de nulidade do trabalho prestado nestes 4 anos é
Pessoal e pode não corresponder a realidade. A Aciei não está em
Absoluto ao Deus dará, pelo contrário, tem crescido ano após ano e
Tem tido um perfil mais ativo junto aos assuntos da comunidade. Discordo
Desta crítica e tenho a certeza de que sem o véu do anonimato , não seria
Apresentada.
A inquietação quanto a realização da Frici, no mesmo parágrafo chamada
De feirinha ridícula , não traz consistência se a queixa é de fato pela não
Realizacão. Em 2015 a feira não foi realizada por iniciativa exclusiva de sua
Diretoria que entendeu não ser mais adequado tomar dinheiro público para
Realiza-la. Quando pudermos bancá-la financeiramente, a faremos.
Quem depende financeiramente dos outros , mede muito suas palavras e
Está restrito em seus posicionamentos. A aciei hoje pode se posicionar como
Quer, isto incomoda ao anônimo ?
Por fim, poucos se oferecem ao serviço voluntário de presidir ou compor
Uma diretoria de uma entidade. Caso seja de interesse do anônimo , poderá
Participar dentro das previsões do estatuto da entidade. Basta querer parar
De queixar-se e se disponibilizar ao serviço..
Deixo-lhe um abraço Edson e reitero a confiança de que estamos
Construindo uma massa crítica que futuramente não mais aceitará
Passivamente à condução da política nos moldes que vemos hoje.
Este dia chegará.
Grato pela oportunidade.








Edson Riera disse...

Caro Remy,

Grato. No passo lutamos pela não dependência da ACIEI dos recursos da PMI para realização da Frici, embora consiga entender que os benefícios advindos da sua realização quitem qualquer compromisso com a cidade.
A ACIEI, em termos normais tem criação e poder de fogo para realizar o evento, deixando com a Prefeitura os arranjos de infraestrutura.
A presença da entidade nos absurdos que aflorarão foi uma necessidade e um gesto nobre. Foi uma tentativa de antecipar dificuldades que, inevitavelmente, virão por conta dos aumentos de gastos e mais ainda como você mencionou, por induzir as pessoas ao descrédito, a desconfiança, ao pessimismo, ao desânimo.
Os políticos federais estão afundando o país, contando com integral apoio (salvo as raras e mesmas exceções, dos políticos locais.
Abraço,

Edson

Anônimo disse...

Ao anônimo das 12:36 eu diria: poderia dormir sem essa.