quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

DESASTRE ECONÔMICO E POLÍTICO

O Brasil deveria começar 2016, ano em que o País será o primeiro da América do Sul a sediar uma Olimpíada, com um humor "exuberante", mas enfrenta um "desastre econômico e político", afirma a revista britânica The Economist na principal reportagem em sua página na internet nesta quarta-feira, 30
Apenas escolhas duras podem colocar o Brasil de volta aos trilhos. Mas Dilma Rousseff não parece agora ter estômago pela elas", afirma a Economist na longa reportagem sobre o país, que recebeu o título "A queda do Brasil". A expectativa era de que o Brasil estivesse na vanguarda do forte crescimento dos emergentes, mas ao invés disso tem que lidar com turbulências políticas e econômicas e "talvez com o retorno de uma inflação galopante".
A Economist destaca que a previsão é que a economia brasileira encolha entre 2,5% e 3% em 2016, seguindo uma recessão em 2016. 
"Gestores de crise do Brasil não têm o luxo de esperar por tempos melhores para começar a reforma", afirma a revista, destacando que a dívida bruta do país, que beira os 70% do Produto Interno Bruto (PIB), é alta para um país de renda média e tem tendência de crescer mais se nada for feito.
A Economist afirma que é "difícil se sentir otimista com as perspectivas de reforma" no Brasil neste momento. As discussões sobre o impeachment devem dominar a agenda política por meses e o PT não tem apetite por "austeridade" na política econômica, conclui a reportagem.
The Economist

Viver é Perigoso

ANO NOVO


HERÓI DA PÁTRIA


A presidente Dilma Rousseff alterou a lei que registra personalidades brasileiras no Livro dos Heróis da Pátria e inscreveu o político Leonel Brizola como herói. Ex-governador do Rio Grande do Sul e do Rio de Janeiro, Brizola fundou o PDT, partido no qual Dilma traçou sua carreira política.
A mudança na lei reduz de 50 para dez anos após a morte o período necessário para que a homenagem seja feita. A alteração foi aprovada pelo Congresso, por meio de projeto do deputado Vieira da Cunha, e sancionada por Dilma. A nova regra foi publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira.
Segundo a lei, ficam registrados perpetuamente no Livro dos Heróis da Pátria o nome dos brasileiros ou de grupos de brasileiros que tenham oferecido a vida à Pátria, para sua defesa e construção, com excepcional dedicação e heroísmo. Há 31 heróis inscritos, entre eles Tiradentes, Zumbi dos Palmares, Santos Dumont e D. Pedro I. O livro fica depositado no Panteão da Pátria, na Praça dos Três Poderes, em Brasília.
(Deu no O Globo)

Viver é Perigoso