terça-feira, 3 de novembro de 2015

INVASÕES DO BRASIL


Daqui a alguns anos, com certeza, teremos as seguintes informações nas aulas de história do Grupo Escolar Rafael Magalhães, na Boa Vista, é claro.

Iª Invasão Francesa
Aconteceu no Rio de Janeiro. Durou de 1555 até 1567. Os franceses foram comandados por Villegaignon e expulsos pelo Estácio de Sá. Tinham interesse em madeira e em especial, no Pau Brasil.

IIª Invasão Francesa
Aconteceu no Maranhão. Durou de 1612 até 1615. Os franceses eram comandados por Daniel de La Touche. Ergueram o Forte São Luís. Foram expulsos pelos portugueses e pelos índios.

Iª Invasão Holandesa
Aconteceu na Bahia. Durou de 1624 até 1625. Foram expulsos.

IIª Invasão Holandesa
Aconteceu em Pernambuco. Durou de 1630 até 1649. Foi um bom período com o Conde Maurício de Nassau no comando. Foram mais ou menos expulsos. Mais ou menos porque foram indenizados pelos portugueses.

Iª Invasão Política
Aconteceu em 2002 e durou até 2018. Dezesseis terríveis anos. Os políticos, chamados de petistas e sua forte base aliada, tomaram o poder e gradativamente foram ocupando e aparelhando todos os espaços públicos. Utilizando Brasília como cidadela, através de acordos espúrios, distribuição de cargos, parcerias com velhos e experientes caciques políticos conseguiram quase alcançar o domínio absoluto. Desaparelharam as forças armadas e através de estranhas nomeações conseguiram obter a maioria dos votos nos tribunais superiores. Se impuseram junto aos menos favorecidos, com ajudas e financiamentos. Os poucos opositores, também políticos, ficaram tolhidos de movimento pelos rabos presos. Espalharam o poder pelos Estados ou Municípios.
Insaciáveis !
Com o passar dos anos as mentiras foram se aflorando, com o surgimento de uma casta de delatores, detidos por dois temíveis justiceiros. Joaquim e Moro.
Parte da imprensa não se acovardou e tão pouco aceitou receber parte do butim.
Os cofres públicos se esvaziaram. Deu-se início a prática de um novo esporte pelos detentores do poder. Pedaladas.
Todos roubavam. Avós, pais, filhos e netos. Grandes empresas foram obrigadas a cerrar as portas.
A classe média se esfalfava em bater panelas em sinal de protesto. Foi achatada.
O pacato e ordeiro povo, sem empregos, sem renda, sem saúde, sem segurança, sem sonhos, começou-se a organizar para retirar os ditadores do poder.
A revolta iniciou-se em 2016, quando das eleições municipais. Num crescendo impressionante, terminou pela grande mudança provocada pelas eleições de 2018.
Uma arma moderníssima foi posta em ação: Votos.
O Brasil ficou livre.

Viver é Perigoso 

DEVEM ESTAR CONTANDO O JÁ ARRECADADO


Corre por aí o aviso que o pagamento do estacionamento rotativo está suspenso até o próximo dia 9 de novembro. Parece que estariam atualizando o software do sistema.
Sem querer encher o saco de ninguém, mas já enchendo: nada público na terrinha dá certo da primeira vez.
Mas, devemos reconhecer,
logo arrumam uma desculpa citando um aprimoramento. 
Deveriam reduzir logo o preço da Zona Azul para R$2,00 e da Verde para R$1,00 e seguir adiante.
Claro, que teriam que empurrinhar o pacato povo da Boa Vista. Extenderam a cobrança para a Rua Miguel Braga.
Ah! menos mal. Fiquei sabendo que parte dos recursos arrecadados ficarão na terrinha mesmo. Com tempo a gente vai se esclarecendo.

Viver é Perigoso


AGARRANDO NUM JACARÉ


Afogando, agarra num jacaré pensando que é um toco.
Deu no El País:

"Em pleno mês de agosto, no meio do furacão político que ainda cambaleia a Presidência do Brasil, Dilma Rousseff pegou o telefone em busca de ajuda. Do outro lado da linha estava Jorge Picciani, presidente da Assembleia Legislativa do Rio, influente político peemedebista e profundamente crítico com o Partido dos Trabalhadores. “Eu queria te ouvir”, lhe disse Dilma, que o convidou em seguida a um café no Palácio da Alvorada. Do encontro participaram o ministro da justiça, o secretário de confiança da presidenta, Giles Azevedo, Jorge Picciani e seu filho Leonardo, promissor líder da bancada do PMDB na Câmara. O patriarca dos Picciani conta que Dilma reconheceu que se encontrava em uma situação “delicada” e pretendia recuperar as rédeas da articulação em Brasília. “Agora é comigo”, disse enfaticamente a presidenta, segundo relata Picciani. Ela ouviu seus conselhos para garantir algo que estava fora das mãos da uma cada vez menos influente Rousseff: uma maioria no Congresso que lhe permita, de uma vez, aprovar o pacote de medidas econômicas para enfrentar a crise. Naquele café de manhã de duas horas há dois meses oficializou-se a aliança da presidenta com os Picciani, um clã em ascensão."

Viver é Perigoso
.

PETROBRÁS EM GREVE, DESVALORIZADA, PARADA, SUCATEADA...


MOÇA BONITA

Ana

PRÁ PENSAR !



Vim para colaborar e lutar até convencer os outros, ou até que os outros me convençam.

Raul Prebisch

A ÚNICA OPOSIÇÃO AO "GOVERNO" DILMA


LIVRO, PRESENTE DE AMIGO


Quase todos brasileiros conhecem José Serra. Como candidato a Presidência da República, Prefeito,  Governador, Senador, Deputado Federal e Ministro. 
Nem todos conhecem o José Serra, Presidente da UNE, quando a UNE era atuante e representativa, como o exilado em 1964, até o seu retorno ao Brasil em 1977.
Precisarão ler o livro "Cinquenta anos esta noite", escrito por ele e editado pela Record.
Como disse Ferreira Gullar, "importante para a melhor compreensão de importantes momentos da vida política brasileira dos últimos cinquenta anos".
Exilado na Bolívia, passando pela França, Itália, Chile (muito) e EUA. Extremamente bem preparado. Um doutor em economia de alto nível.
É Doutor pela Universidade de Cornell.
Entenderão um pouco mais do golpe militar que derrubou Allende, no Chile, onde viviam e foram perseguidos, centenas de brasileiros.
Votei no Serra para Presidente. Sempre o achei seco, autoritário e pouco simpático.
Tive a chance de sentar e conversar um pouco com ele, quando era Ministro da Saúde, tarde da noite (ele só dorme alta madrugada), em um restaurante de Brasília.
Talvez por estar meio brigado com quem eu acompanhava, foi mais seco ainda, embora educado.
Seu passado de luta e a convivência com tantos que fizeram e fazem parte da história, talvez lhe permita isso.
Casou-se no Chile, onde nasceram os seus dois filhos.
O duro de conhecer a história é ter que reconhecer que os maiores culpados pela triste situação que o nosso país se encontra, somos nós mesmos.

Viver é Perigoso

BNDES DEVERIA COBRAR DO LULA


Tanta explicação para confirmar que estão correndo atrás do dinheiro emprestado.

"O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) negou por meio das redes sociais que tenha suavizado exigências para privilegiar a empresa São Fernando, do empresário José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Uma nota do BNDES foi publicada em resposta à reportagem da "Folha de S. Paulo", na edição de domingo, intitulada "BNDES suavizou exigências para socorrer amigo de Lula", segundo a qual o banco de fomento teria concedido crédito no montante de R$ 101,5 milhões em 2012.
De acordo com o BNDES, seus procedimentos são técnicos e impessoais e "neste caso específico, diferentemente do que insinua o texto do jornal, não houve violação de norma do banco para favorecer a empresa". A operação da São Fernando Energia era um financiamento indireto, explica a nota do BNDES.
"Desta forma, a análise da operação e o risco de crédito foram assumidos pelos agentes financeiros, tanto público quanto privado", afirma o banco, acrescentando que no caso da São Fernando, o BNDES está perseguindo com o rigor usual a recuperação dos recursos emprestados."

Viver é Perigoso