quarta-feira, 16 de setembro de 2015

VENTOS DE GUERRA

 
A situação do país é tão crítica, tão absurda, tão sem horizontes, que às vezes tenho certo acanhamento de discutir a questão do aumento do número de vereadores na terrinha.
Sinto-me bem em logo cair na real e seguir preocupando com a minha cidade. Afinal, as mudanças tão necessárias têm que começar por aqui.
Hoje às 10:00 horas fui até o gabinete do Vereador Rui. Nunca antes tinha ido ao gabinete de qualquer outro vereador. Não por me sentir importante ou algo assim. Penso que os Senhores Vereadores é que teriam, como por ocasião das eleições, procurar em contatos diretos, sentir o pulso da população. 
Nas eleições, votei e pedi votos para o Prof. Rui.
Como tenho discordado de todos os posicionamentos tomados pelo nobre Vereador (rodeio, alínea L, aprovação de empréstimos, vendas de bens públicos, etc) e tenho me manifestado (no blog) a respeito, procurei-o para registrar os meus cuidados e as sutis diferenças entre discutir ideias e pessoas. Pessoas não discuto.
Como não poderia deixar de acontecer, o assunto caiu na questão 10 ou 17 vereadores. Concluindo de bate pronto:
Não dá para discutir o assunto com o Vereador Rui e seu fiel escudeiro Almir.
Lamento por insistirem em desacreditar da séria pesquisa efetuada pela Unifei -Jr, insistir em não ouvir a voz rouca das ruas e tentar menosprezar o acontecido na histórica Audiência Pública acontecida no Auditório da Faculdade de Medicina.
Outras coisas foram faladas.Talvez, não merecedoras de registro.
Que façam o que quiserem, afinal, contam com o aval do Prefeito.
Perdi o político. Espero ter mantido o amigo.
É a vida.

Viver é Perigoso 


AGORA VAI !

 
O TSE aprovou a criação do Partido Novo, agremiação nascida da iniciativa de profissionais liberais e empresários. O Partido Novo teve o seu registro deferido pelo TSE, ontem, dia 15 de setembro. Tem o 30, como número eleitoral.
Ideologicamente alinhado ao liberalismo, foi fundado em 2011, por pessoas sem carreira política. Em sua maioria, profissionais liberais, engenheiros, administradores, economistas, advogados e médicos.
Quer diminuir o tamanho do Estado, defender com intransigência a propriedade privada e a livre-iniciativa e acabar com o que os seus fundadores chamam de "carreirismo político".
 
Blog: Acompanhamos desde o início a batalha por sua criação e legalização. Começando do zero, poderá ser diferente. Não sabemos quem são os "novistas" da terrinha.
 
Viver é Perigoso
 
 

TOMOU O BARCO

 
Notícia sempre triste. Desta vez, além de triste, surpreendente. Tomou o barco hoje em Pouso Alegre, com muita antecedência, a amiga de muitos anos, Sandra Wood.
Jovem, culta, participativa e pessoa de fé.
Família tradicional na cidade e ex-funcionária do Banco do Brasil. Filha da Dona Cora Wood e irmã do Pity, que vive na terrinha e do Thomaz, que também já nos deixou.
Fomos todos criados frequentando a Escola Dominical da Iª Igreja Presbiteriana de Itajubá.
Deverá ser sepultada amanhã em Itajubá.
Mais uma cadeira vazia na Assembleia dos Amigos.

Viver é Perigoso

DEFENDER, ATACAR E REZAR

 
08:00 - Defender a Dilma de impeachment alegando se tratar de golpe.
 
09:00 - Descer a ripa na Dilma ou melhor no Levy pelo pacote fiscal.
 
10:00 - Acusar a Veja, Estadão e  O Globo, de golpismo e defensores da elite.
 
11:00 - Rezar pela absolvição do Zé Dirceu e do tesoureiro Vaccari.
 
12:00 - Lembrar e citar o sucesso do Bolsa Família, Pronatec, Transposição do São Francisco.
 
13:00 - Descer a lenha no Juiz Sérgio Moro que estaria punindo companheiros sem julgamento.
 
14:00 - Elogiar o Juiz Moro e insinuar que a Operação Lava-Jato é obra do governo. Justificar a prisão dos empresários capitalistas corruptores.
 
15:00 - Criticar duramente a Dilma por fugir dos mandamentos do partido. Lembrar que a culpa de tudo é do FHC. Recordar do aeroporto na fazenda do tio do Aécio.
 
16:00 - Lembrar e citar o sucesso do Mais Médico e o do programa Minha Casa Minha Vida. E mais: o mensalão não existiu.
 
17:00 - Sonhar com a derrubada da Dilma e a entrada do Lula na oposição. Pensar em 2018. Pular Pasadena e Petrobrás.
 
18:00 - Rezar e agradecer por não ter havido corte de assessores comissionados no pacotão anunciado. Registrar que a Dilma é ex-guerrilheira e durona. Lutou pela democracia.
 
19:00 - Queimar todas as camisetas vermelhas com estrela branca, bandeiras e adesivos de antigas campanhas. Estudar possibilidade de se filiar no PSD.
 
20:00 - Lembrar de não citar o termo "herança maldita" e que a Dilma estaria arrumando a casa. Usar o argumento somente quando se tratar de Minas Gerais.
 
21:00 - Ler os blogs patrocinados pelo governo. Decorar algum argumento.
 
22:00 - Chorar, rezar e tomar uma para esquecer.
 
23:00 - Dormir e sonhar com o Genuino, Mantega, Erenice, Gleisi, Okamoto, Petrobrás, Fidel, Maduro, Kirchner, Evo, Dona Marisa,Hadad, Suplicy e com muita sorte, com o Lula. 
 
Viver é Perigoso

ENQUANTO ISSO...

Viver é Perigoso

TAL QUAL HOJE

 
O diálogo está na peça Le Diable Rouge, do francês Antoine Rault. Passa-se há 400 anos, na França de Luís 14. São 400 anos. E parece que foi anteontem.

Jean-Baptista Colbert, ministro da Fazenda:
- "Para arranjar dinheiro, há um momento em que enganar o contribuinte já não é possível. Eu gostaria, sr. Mazarino, que me explicasse como gastar quando se está endividado até o pescoço".

Cardeal Mazarino, primeiro-ministro de Luís 14:
- "Um simples mortal, claro, quando tem dívidas e não consegue honrá-las, vai preso. Mas o Estado é diferente! Não se pode mandar o Estado para a prisão. Então, continua a endividar-se".

Colbert:
- "Mas como fazer isso, se já criamos todos os impostos imagináveis?"

Mazarino:
- "Criando outros".

Colbert:
- "Mas já não podemos lançar mais impostos sobre os pobres".

Mazarino:
- "Sim, é impossível".

Colbert:
- "E sobre os ricos?"

Mazarino:
- "Também não. Eles parariam de gastar. E um rico que gasta faz viver centenas de pobres".

Colbert:
-  "Então, como faremos?

Mazarino:
- "Há uma quantidade enorme de pessoas entre os ricos e os pobres: as que trabalham sonhando enriquecer e temendo empobrecer. É sobre essas que devemos lançar mais impostos, cada vez mais, sempre mais! Quanto mais lhes tirarmos, mais elas trabalharão para compensar o que lhes tiramos."

Brickmann

Viver é Perigoso



Ô POSIÇÃO !