sábado, 4 de julho de 2015

PERSONAGEM DE FICÇÃO

 
"...A presidente Dilma, ela, em si, um personagem de ficção –seu autor foi Lula–, já atingiu o estágio em que pode falar o que quiser, sem compromisso com a realidade e, muitas vezes, significando o contrário. Exemplo: em 2014, antes da eleição, foi à TV anunciar um corte de 18% nas contas de luz e que o Brasil era "o único país a baixar o custo da energia e aumentar a produção no setor elétrico". Não ria.
Há meses, Dilma anunciou o programa "Brasil: Pátria Educadora". Ato contínuo, decepou 31% do orçamento do MEC (o maior corte entre todos os ministérios), representando R$ 7 bilhões a menos em circulação no setor. Tal medida deixou de tanga professores, alunos, bolsistas, funcionários das universidades, terceirizados e fornecedores, além de apunhalar o setor editorial com a queda radical na compra de livros este ano e calote nas compras do ano passado.
Esta semana, Dilma comparou-se a Tiradentes e declarou "não respeitar delatores". Referia-se aos que estão praticando a delação premiada, medida que ela assinou, autorizando, e elogiou em outubro último como "útil para desmontar esquemas de corrupção".
Agora, jogando para a galera em Washington, Dilma prometeu que "até 2030, o Brasil terá desmatamento zero". Considerando-se seu histórico, tudo indica que, até 2030, teremos uma Amazônia careca."

Ruy Castro