domingo, 10 de maio de 2015

QUASE DESENGANADO


VENTOS DE GUERRA

 
Ouvi hoje a gravação do Programa Falando Francamente (JovemFM) acontecido ontem. Somente a última meia-hora, quando tratam dos assuntos da terrinha.
Surpreendente  uma notícia dada. Foi confirmada a ida do Prefeito Municipal ao Programa Informativo 987, da Célia Rennó, na próxima quarta-feira.
Pautado ou pautou ? não vem ao caso.
Será bom ouvi-lo numa frequência não domesticada e obediente.
Não acredito que acontecerá uma entrevista. O estilo próprio e pessoal do nosso Prefeito o impede de responder possíveis questionamentos. Ele discursará.
A Inês já estará morta, na quarta-feira, quando da exceção aberta pelo Prefeito comparecendo aos microfones de uma emissora não alinhada com projetos da sua administração. A Inês, no caso, vai morrer na reunião da Câmara de amanhã, segunda-feira.
À galope, como a carga da Brigada Ligeira, deverá ser anunciada a cumplicidade do legislativo com o executivo, na operação "queima imobiliária de bens públicos".
Para fazer caixa, só não venderão as avós por falta de escrituras.
O Prefeito justificará a comercialização dos bens públicos sob a justificativa de acerto de caixa que possibilitarão algumas obras.
Sobre o caixa-curto e cortes de custos, como possível enxugamento da máquina, nem pensar. Ingratidão na política peemedebista é pecado.
Célia, muita calma nessa hora.
De longe, ouvirei a gravação à noite, desde que algum comentarista não me recomende o contrário.
É a vida.
 
Em tempo: Como disse na tarde de sábado na fila da Padaria Morro Chic, um sério é lúcido Vereador (espécime em extinção):
- "Zé, as coisas ainda irão piorar muito antes de melhorar".

ER

MÃES !


MÃE !


Imagem de uma mulher sofrida, castigado pelo tempo, um olhar de desespero no rosto, duas crianças que inclinam-se em seus ombros, uma criança no colo. Tornou-se um ícone fotográfico da Grande Depressão nos Estados Unidos. A foto foi tomada em março de 1936, um acampamento para os trabalhadores agrícolas localizado a 175 milhas ao norte de Los Angeles por Dorothea Lange.
Lange,  estava trabalhando para a Farm Security Administration, com uma equipe de fotógrafos que documentavam o impacto dos programas federais na melhoria das condições rurais.
É a imagem de mãe que habita os meus pensamentos. Uma fisionomia que sempre me pareceu próxima.
 
Viver é Perigoso

CANTINHO DA SALA

Hans Hofmann - Bacchanale, 1946

SEM DÚVIDA !