sábado, 9 de maio de 2015

SOB A LUZ DE VELAS

 
“…a gente carece de fingir às vezes que raiva tem, mas raiva mesma nunca se deve tolerar de ter. Porque quando se curte raiva de alguém, é a mesma coisa que se autorizar que essa própria pessoa passe durante o tempo governando a ideia e o sentir da gente: o que isso era falta de soberania, e farta bobice, o fato é.”
a gente carece de fingir às vezes que raiva tem, mas raiva mesma nunca se deve de tolerar ter. Porque, quando se curte raiva de alguém, é a mesma coisa que se autorizar que essa própria pessoa passe durante o tempo governando a idéia e o sentir da gente; o que isso era falta de soberania, e farta bobice, e fato é. "

Guimarães Rosa

MOÇA BONITA

 Charis Wilson 1941 - Foto Edward Weston

DE NOVO ?

Ano passado, um pouco antes das eleições, os Reitores das Universidades Federais, inclusive o Reitor da nossa Escola, manifestaram publicamente o apoio total e irrestrito à candidatura da Dilma Rousseff.
Erraram feio. Tinham a obrigação de saber da situação ao que o país foi levado pela desastrada gestão do PT.
Muito antes do que imaginam, o barco da Pátria Educadora fez água. Cortes e mais cortes e administrações comprometidas.
Onde vai parar ninguém sabe.
Mas, vá lá saber por quais cargas dágua, voltaram de novo, obedientemente.
Em ofício enviado ao presidente do Senado, Renan Calheiros, os reitores das 63 universidades federais do país defenderam a indicação de Luiz Edson Fachin para ministro do Supremo Tribunal Federal. 
Segundo os senhores reitores, além de preparado, o indicado tem “nome sustentado em uma trajetória ilibada e com reconhecimento de seus pares em vários ambientes jurídicos”.Os reitores se manifestaram por meio da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes).
Em tempo, o Dr.Fachin foi indicado pela presidente Dilma Rousseff para ocupar a vaga de Joaquim Barbosa no Supremo, mas ele precisa ser sabatinado e ter o nome aprovado em votação no Senado. . Há resistências em relação à indicação de Fachin.
O governo está em campanha, entre os senadores, para garantir a aprovação do nome escolhido pela presidente Dilma.
Pelo histórico de manifestações dos reitores, deve dar tudo erarado. Ou antes ou depois.
Perdem uma boa ocasião para um coletivo silêncio.

ER