terça-feira, 31 de março de 2015

RETRATO

 
Pobre daquele que não trazia um retrato da namorada na carteira. Sim, num passado distante todos não saiam de casa sem uma.
Um dinheirinho, às vezes a carteira de identidade e a inseparável fotografia com dedicatória. Normalmente, 3 x 4, e tirada com uniforme do Colégio das Irmãs.
Na última sexta-feira o Mat surpreendeu exigindo que o permitissem levar na Escola uma fotografia, com moldura e tudo, da Vó e do Vô.
Por mais que insistissem não abriu mão. Agora anda carregando-a na mochila.
Derrubou-nos.

ER

MOÇA BONITA

Isabeli

NO PARAISO.

 
A Delphi decidiu encerrar definitivamente as suas atividades na fábrica de Itabirito, onde produzia chicotes elétricos. 800 funcionários estão sendo demitidos.
Consequência direta da crise da indústria de veículos no país, com declínio nas vendas, paralisações de fábricas, avanço dos estoques e cortes de empregos nas montadoras, está derrubando a cadeia produtiva do setor.
A Delphi informou que decidiu encerrar suas atividades em Itabirito após ter estudado a continuidade sustentável do seu negócio de chicotes elétricos na região da América do Sul.
Não oficialmente, sabe-se que a empresa vai concentrar sua produção em sua unidade de Paraisópolis, no Sul de Minas.
A situação em Minas Gerais é alarmante, conforme comentam representantes dos sindicados de metalúrgicos que não enxergam com esperanças o futuro dos profissionais do setor automotivo.
O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Itabirito, Robson Paulino, conta que a demissão de 800 pessoas da fábrica impactou a cidade. Para minimizar o impacto que isso traria, o Sindicato negociou com a Delphi, seis meses de cestas básicas, três meses de meio salário nominal e plano de saúde para os funcionários demitidos.

Fonte:  Estado de Minas

Blog: Na hora da crise acontece o cada um por si. Cada região e cada município defende  o seu interesse. Lamento por Itabirito e alívio para os vizinhos de Paraisópolis.

ER 

BRASIL, PRIMEIRÃO !

 
O custo médio da energia para a indústria nacional subiu 48% desde o início deste ano, alcançando R$ 534,28 por megawatt-hora (MWh), segundo atualização feita pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan). Com esse valor, o Brasil passou a ocupar, no mês de março, a primeira posição no ranking internacional dos 28 países mais caros no custo da energia para a indústria, superando a Índia e a Itália, que ocupavam as primeiras posições até então.
Entre os Estados brasileiros, o Rio de Janeiro ocupa o primeiro lugar, com custo médio de R$ 664,05 por MWh, seguido de Mato Grosso (R$ 640,87 por MWh).
O custo médio do gás natural para a indústria brasileira também subiu: 21% nos últimos quatro anos. As empresas pagam R$ 1,29 por metro cúbico do produto. Com isso, o Brasil ocupa a oitava classificação no ranking dos 16 países de gás mais caro para a indústria. É o dobro do registrado no México e mais de três vezes, ou 261% acima do custo dos Estados Unidos.
 
Fonte Firjan
 
Blog: O último que sair favor apagar a luz.
 
ER
 

CORRENDO O CHAPÉU

 
Os maus indicadores econômicos e consequente diminuição da receita dos municípios começam a ser o principal componente da pressão que prefeitos vêm fazendo sobre deputados e senadores para se reformular o modelo de distribuição de recursos da União para as cidades do país. Empenhados em não deixar secar a fonte de recursos de suas bases eleitorais, com as eleições de 2016 no horizonte, parlamentares têm atendido a esta pressão.
Declarou o Deputado André Moura, relator da comissão criada na Câmara para discutir o pacto federativo:
 
-  "Os prefeitos estão desesperados. Eles têm que mostrar trabalho. Pela crise econômica chegarão ao ano eleitoral sem conseguir cumprir as promessas e serão cobrados por isso".
 
É a vida...

Estadão - ER

PREMEDITANDO O BREQUE

Deu no Globo G1

Uma praça de esportes virou motivo de desavença entre os diretores e o atual prefeito de Muzambinho. O local, de propriedade do Estado de Minas Gerais, é administrado como clube há mais de 40 anos. Há sócios que pagam mensalidade, mas agora a prefeitura quer assumir a administração e tornar o acesso gratuito à população e o caso deve parar na Justiça.
Um vídeo gravado no último dia 13 deste mês pelo tesoureiro do clube mostra o prefeito da cidade, Ivan de Freitas, tentando tomar posse do local, sem as chaves do local. Nas imagens, é possível ver que ele chega a pedir um chaveiro para entrar no espaço.
“Eu estou procurando fazer tudo bem feito. Vai num chaveiro, manda o chaveiro vir aqui, para a gente entrar [sic]”, falou o prefeito na gravação.
Procurado, ele informou que a prefeitura tem direito a explorar o local. “Nós vamos recorrer judicialmente para reintegração de posse, porque aquilo pertence ao povo. O que eu quero fazer é abrir as portas para que lá tenha escolinhas, como já começamos a fazer, de vôlei, basquete, futebol, judô, karatê, capoeira, dança, dança dos idosos, natação”, declarou o prefeito, que negou que tenha deixado de pagar as contas do clube no tempo em que geriu a entidade.
O clube possui área de lazer, três campos de futebol, ginásio, piscina com toboágua e parquinho. Em um documento, de dezembro de 2013, a Secretaria Estadual de Esportes, ligado ao Governo de Minas, cedeu o uso do clube ao município por um período de cinco anos, mas a atual diretoria, que administra o espaço e cobra mensalidade de 260 sócios, contesta a transferência.
Segundo o atual presidente do clube, Trindade Escudero, desde 1973, ano da fundação do clube, é a diretoria quem tem a posse do local. Em 2014, eles até aceitaram dividir a área com a prefeitura, mas a parceria não deu certo.
“Abandonavam o clube depois dos eventos e nós do clube é que tínhamos que fazer a limpeza, com despesas nossas. Depois passamos a conta de água e luz para a prefeitura e só pagaram dois meses e isso rescinde, automaticamente, o termo de cessão”, disse
Por isso, depois de uma reunião, a diretoria do clube decidiu que não vai ceder o espaço para a prefeitura. Isso só vai acontecer caso haja uma ordem judicial. A direção ainda pede o ressarcimento do que foi investido no local ao longo das últimas décadas, ou seja, algo em torno de R$ 7 milhões.
“O prefeito disse que vai entrar com uma ação, então nós estamos aguardando essa ação para fazermos a defesa do clube e temos a convicção de que o judiciário não vai antecipar nada sem ouvir o clube da praça de esportes”, comentou o advogado José Roberto Del Valle Gaspar.
 
G1 - Toque do amigo Roberto.
 
Blog: Como andam as negociações da Prefeitura da terrinha e o ITC - Itajubá Tenis Clube ?
 
ER 
 







SÓ FALTA COROAR A RAINHA

Dilma não estaria apitando mais nada. Lula, Renan, Eduardo Cunha e Levy no comando.

Clarin da Boa Vista