quinta-feira, 23 de outubro de 2014

PERDENDO ATÉ AS CALÇAS


A FAMÍLIA


EM OUTROS TEMPOS


Em 1932, o povo paulista saiu em defesa da constituição e um nosso conterrâneo ilustre, Dr. Theodomiro Santiago, atravessou a serra, pela Vila Maria, a cavalo, e foi lutar pela defesa da Constituição.
Foi um dos líderes.
Com o fim da revolução (durou de julho a outubro de 1932), ele foi preso em sua casa na cidade de Itajubá e conduzido ao Rio de Janeiro.
Foi expatriado junto com outros companheiros. Partiu para o banimento em novembro de 1932, chegando em Lisboa, a bordo do navio Siqueira Campos", em 18 de novembro de 32.
Talvez tenha sido o primeiro e único itajubense enviado para o exílio em toda a nossa história.
Homem do valor.
 
ER

MOÇA BONITA

Alia

O HERÓI SEM CARÁTER

 
"...O ambiente em que o presidente Luiz Inácio da Silva criou o personagem sem freios que faz o que bem entende e a quem tudo é permitido - abusar do poder, usar indevidamente a máquina pública, insultar, desmoralizar - sem que ninguém consiga lhe impor paradeiro, não foi criado da noite para o dia. Não é fruto de ato discricionário, não nasceu por geração espontânea nem se desenvolveu por obra da fragilidade da oposição.
Esse ambiente é fruto de uma criação coletiva. Produto da tolerância dos informados que puseram seus atributos e respectivos instrumentos à disposição do deslumbramento, da bajulação e da opção pela indulgência. Gente que tem vergonha de tudo, até de exigir que o presidente da República fale direito o idioma do País, mas não parece se importar de lidar com quem não tem pudor algum.
Da esperteza dos arautos do atraso e dos trapaceiros da política que viram nessa aliança uma janela de oportunidade. A salvação que os tiraria do aperto em que estavam já caminhando para o ostracismo. Foram ressuscitados e por isso estão gratos.
Da ambição dos que vendem suas convicções (quando as têm) em troca de verbas do Estado.
Da covardia dos que se calam com medo das patrulhas.
Do despeito dos ressentidos.
Do complexo de culpa dos mal resolvidos.
Da torpeza dos oportunistas.
Da superioridade dos cínicos.
Da falsa isenção dos preguiçosos.
Da preguiça dos irresponsáveis.
Lula não teria ido tão longe com a construção desse personagem que hoje assombra e indigna muitos dos que lhe faziam a corte não fosse a permissividade geral. Se não conseguir eleger a sucessora não deixará o próximo governo governar. Importante pontuar que só fará isso se o País deixar que faça; assim como deixou que se tornasse esse ser que extrapola".

Dora Kramer - Estadão