domingo, 19 de outubro de 2014

O RETORNO


Pronatec : Eu voltei, voltei para ficar. Eu voltei, aqui é o meu lugar....

Clarin da Boa Vista

PRÁ PENSAR

O mistério das pesquisas




Do analista dos Planaltos

Algo muito estranho está acontecendo com as pesquisas eleitorais no segundo turno da eleição presidencial. Os dois maiores institutos – Ibope e Datafolha – passaram a registrar uma improvável imobilidade e empate nas intenções de votos das candidaturas de Aécio Neves e Dilma Rousseff.
Isso estaria acontecendo apesar de toda a atividade política frenética das últimas semanas. Período em que ocorreram coisas capazes de produzir grande variação no ânimo do eleitor. Entre elas vale citar alianças, horário político agressivo, campanha de desconstrução hidrófoba e debates homicidas.
Nada disso provocaria a menor marola nos índices dos candidatos a se acreditar nos grandes institutos. Mais estranho ainda, nunca  Ibope e Datafolha apresentaram, em duas pesquisas consecutivas, exatamente os mesmos índices. Essa simetria perfeita é esquisita até porque a metodologia dos dois é diversa, o Ibope pesquisa em residências e o Datafolha em pontos de fluxo.
Enquanto os dois grandes registram esse improvável congelamento das intenções de voto do eleitor brasileiro em meio a campanha mais violenta dos últimos 25 anos, os pequenos institutos revelam um quadro muito diverso. Paraná Pesquisas, Verità e Sensus dão uma vantagem variável mas significativa para o candidato do oposição, Aécio Neves.
Não se pode minimizar o efeito devastador que as sondagens negativas produzem sobre o ânimo dos candidatos, da militância, e na generosidade de financiadores de campanha. Se o empate persistente do Ibope e Datafolha tem algum tipo de viés, que vai além da bizarrice estatística, estamos diante de uma manipulação muito grave.
 
Publicado pelo Sponholz
 
ER


SÃO NUNCA !