segunda-feira, 11 de agosto de 2014

SOB A LUZ DE VELAS



Liderar não é nada duro.
As perguntas são todas no presente
As respostas são todas no futuro.

Millôr

CRIMES COMUNS

 
Ouvido na Boa Vista:
 
"Não tenho como votar em um partido que continua, louvando e reverenciando como heróis, os seus dirigentes condenados pelo Supremo Tribunal Federal por corrupção, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e etc."
 
ER
 

SEM ESPERANÇA

Juan Arias para El País.

O Brasil deveria estar alarmado com uma notícia do Tribunal Superior Eleitoral: só um de cada quatro jovens entre 16 e 17 anos com direito a voto nas próximas eleições se preocupou este ano em tirar o título eleitoral, o que pressupõe um desinteresse que beira o desprezo pela política.
O fato é duplamente grave, porque esses jovens não sofreram as garras da ditadura, da falta de liberdade, da miséria e da ausência de oportunidades, nem conheceram o horror das guerras. Seria demasiado fácil, no entanto, criticar esses meninos por sua falta de “sensibilidade política”, como escreveu um deputado federal. A crítica deve ser feita ao atual sistema político, que toda manhã espalha por todo o país montanhas de notícias sobre corrupção, violações à liberdade, feios exemplos éticos de quem deveria ser guia e mestre dos jovens em uma sociedade que se vangloria de ser democrática e liberal.
Uma das primeiras coisas que leio todo dia nos jornais são as cartas dos leitores, geralmente sérias, agudas, sóbrias, atuais e bem escritas. Na manhã de 10 de agosto, domingo, interrompi a redação desta coluna para dar uma olhada no jornal O Globo, que chega à minha porta às cinco e meia da manhã.
Entre as cartas dos leitores, impressionou-me a de Paulo Henrique Coimbra de Oliveira, do Rio. Não o conheço, mas sua carta intitulada “Desesperança” me confirmou o que tinha começado a escrever aqui. Diz Coimbra que, nos últimos dez anos, ele colecionou em um armário de quatro metros quadrados recortes de jornais que ilustravam escândalos políticos distribuídos pelos três poderes do Estado. Fez alguns cálculos: cinco escândalos por dia e uma corrupção que, segundo ele, é “superior ao PIB da maioria dos países do G-7”. Sua última frase é dura e obriga a refletir: “Depois não sabem (os políticos)”, escreve, “porque a sociedade não acredita neles. Dias atrás resolvi queimar tudo, inclusive o armário. E minha esperança de dias melhores foi queimada junto com ele”.
É grave essa apatia pela política partidária mostrada pelos jovens, quando afirmam, amargos que “votar não serve para nada”, porque isso acontece depois dos protestos de junho de 2013, quando parecia que tinham despertado para a esperança e se entusiasmado com a mudança. Até chegaram a sonhar com um Brasil não só mais livre das amarras da corrupção como também mais moderno, com melhor qualidade de vida, no qual os jovens pudessem desenvolver suas aspirações mais legítimas.
O Brasil está vivendo um dos momentos mais difíceis de sua vida política nos últimos 30 anos, porque parece que, para milhões de cidadãos, desapareceu a esperança real não só no sentido de fazer crescer economicamente esse país como também de que seja menos desigual, mais de todos. E com menos privilégios e impunidades nas mãos de poucos.
O Partido dos Trabalhadores (PT), mesmo que acabe vencendo as eleições com sua candidata, Dilma Rousseff, a cada dia, sem dúvida, com índices maiores de rejeição entre os mais jovens que estudaram, sairá da batalha com feridas profundas.
O PT um dia foi, sem dúvida, o partido que melhor soube, com seus ideais, conquistar as massas de jovens que biologicamente são os mais sensíveis às causas sociais e à pureza ética.
Hoje, esses jovens estão abandonando o barco. Já não ficam entusiasmados em votar em um partido que sentem envelhecido e com as mesmas rugas que um dia criticavam.
Não admira que os mais jovens afirmem que votar não tem serventia, e quando os jovens perdem a esperança é porque o horizonte de um país está obscurecendo.
Será que o PT ou seus oposicionistas ainda têm tempo de reconquistar o coração virgem dos jovens que até agora, a menos de dois meses de irem às urnas, continuam dando as costas à política?
A responsabilidade é um pouco de todos. E é grave, porque se trata de uma geração que, dentro de dez anos, será o coração vivo da sociedade e que está crescendo com a alma seca de entusiasmo pela política.
Não podemos nos esquecer de que as guerras ou as ditaduras, frutos do desprezo pela política do voto —a única por enquanto capaz de dominar as colunas do tempo da democracia— nunca chegou de repente. Foram fruto de uma série de ataques aos valores democráticos que, ao longo do tempo, amontoaram as pedras da indiferença e até do desprezo pela política e pela democracia.
E é com essas pedras que acabam sendo lapidados, por raiva ou por indiferença, os pilares das liberdades tão difíceis de conquistar e tão fáceis de perder.
O momento é de reflexão e os jovens não têm a virtude da paciência. São filhos do agora. E as eleições batem à porta.
 
Juan Arias

AS PREFERIDAS DO DOUTOR


CARTA QUE NÃO ESCREVI



Outro dia encontrei com o Prefeito Rodrigo Riera. Em conversa rápida e amistosa, citei alguma colocação postada no "viver é perigoso" e ele disse que não lia e não tinha conhecimento de nada postado. Creio que faz bem.
 
Por outro lado, alguns dos seus assessores me confirmaram que sempre passam os olhos por este espaço.
Peço que alguém do time, num intervalo entre reuniões, transmita este pedido ao Prefeito Rodrigo:
 
No início dos anos 50, meu avô Jayme Riera, então proprietário da Padaria Boa Vista, doou para o Município o banco de jardim, cuja foto está publicada acima.
 
O banco foi instalado na Praça Cesário Alvim, mais tarde denominada Praça Theodomiro Santiago, ou seja, a nossa Praça Principal.
 
Qunado estudante de engenharia, ainda no prédio central, sempre passava pela Praça e "vigiava" o banco da Padaria Boa Vista.
 
Formei-me, fui embora e...num triste dia sumiu de lá.
 
Garimpando, durante a administração anterior, localizamos o banco fixado no Bairro da Varginha, quase em frente ao Bar (peixe) colado ao muro do 4º BE Comb.
 
Na época não havia clima para pleitear nada. Hoje não sei, mas vou tentar.
 
Como faz parte da história da Boa Vista, gostaríamos de transferi-lo para cá (ficando sob nossa guarda), propondo a sua substituição imediata por outro equivalente sem qualquer ônus para a Prefeitura.   
 
Aguardo autorização.
 
Atenciosamente,
 
Edson Riera 

CONTA CONTADORA