quinta-feira, 19 de junho de 2014

SOFRIMENTO

 
É mais ou menos como chegar em casa no final da tarde, se atirar no sofá e se livrar do par de sapatos novo e meias. E claro, ficar tocando "piano" com os dedos dos pés. Nos leva até a fechar os olhos.
É o que sentimos ao assistir uma partida entre duas seleções que não têm nada a ver com a gente.
Claro, escolhemos sempre a representante do país mais pobre ou daquela mais desajeitada na prática, como diziam os comentaristas do passado, do esporte bretão.
Podemos até dar o luxo de mudarmos de time, por alguma antipatia ou algo assim, umas duas ou três vezes durante a partida.
E mais, abandonamos a sala a qualquer momento para buscar uma latinha de cerveja, dar uma beliscada na geladeira e folhear o jornal.
Total falta de compromisso, estilo eleitor brasileiro nas eleições. Como amanhã ninguém se lembrará para quem torceu, também não lembram em quem votaram.
Já em dia de jogo pelo Brasil...isso é divertimento ?
A penação começa pela manhã. Risos forçados e respostas ríspidas. Tensão pura.
Como diz um amigo da Boa Vista:
- Seria mais justo que a seleção do pais que promove a festa só entrasse na final e precisando só do empate.
É a vida.

ER