segunda-feira, 16 de junho de 2014

SOB A LUZ DE VELAS

 
"... a ficção continua. Inventam-se novas maneiras de contabilizar erros como se fossem acertos. Ignora-se o prometido. Minimizam-se as expectativas. Hostiliza-se a crítica. Tudo, menos procurar na realidade os fatos crus que servem de ingrediente para do amargo aprendizado que previne desastres e erros futuros.
Viver e propagar ilusão tem algumas vantagens. A maior delas parece ser que a ilusão, sendo obra de ficção, aceita tudo. Na ficção, tudo é facilmente compreensível e explicável. Tudo se encaixa no tempo certo e demonstra que nada era tudo o que podia dar mesmo.
Compreender completamente a realidade é missão nobre, mas impossível. Por definição, o conhecimento será sempre parcial. É trabalho duro e ingrato cuja única recompensa é a possibilidade de corrigir rumos.
Não é, portanto, surpresa que a ficção seja frequentemente mais atraente que a realidade. Na ficção, tudo sempre faz sentido."

Elton Simões (p/ o Noblat)

ER

É A VIDA...


O moço começa sua carreira na capital. Vai treinando, especializando-se e se transforma, dentro de suas características, num bom jogador.
Visando maiores oportunidades e contando com boas recomendações, resolve tentar a alavancar a carreira no interior.
Assim aconteceu.
Capinando aqui e ali, bem preparado, discreto e distribuindo passes com precisão vai conquistando a confiança de toda a equipe.
Numa partida importante, usando de sua habilidade e experiência, sai driblando, desviando de adversários e companheiros e mesmo sob forte marcação, num lance objetivo, já tentado outras vezes, consegue sucesso enviando a pelota para o fundo das redes.
Na certa uma jogada ensaiada.
Sem aplausos. Nenhuma manifestação contra ou a favor, exceto a aprovação demonstrada pelo técnico.
Um velho e experiente torcedor murmurava encostado no alambrado:
- Por falta de aviso não foi.
 
ER 
 
 
 
  

ÓDIO DO PT