segunda-feira, 19 de maio de 2014

SOB A LUZ DE VELAS


 
Conseguiram o que queriam: transformar o povo num cão que não morde. (mas também não abana o rabo.)

Millôr

LIBEROU GERAL !


O ministro do STF, Teori Zavascki, decidiu hoje, segunda-feira, soltar todos os 12 presos da Operação Lava Jato, entre os quais o doleiro Alberto Youssef e o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto da Costa.
Todos os inquéritos também foram suspensos pela decisão e devem ser remetidos ao Supremo.

Blog: Vamos todos a la playa ! (antes que abram o bico)

ER

GENTE NOSSA

By Saulo Caridade
No último sábado aconteceu uma raridade. Sai de casa para ir num churrasco na casa de grandes amigos. Sempre saio de casa com uma leve má vontade e a certeza de estar deixando alguma coisa para não fazer. Atenção, para não fazer.
Aconteceu uma surpresa. Não trato da especialidade maravilhosa do almoço, da atenção dos anfitriões e da conversa agradável dos amigos reunidos.
A gostosa surpresa foi estacionar ao estacionar o carro na Alameda, observar o seu nome gravado numa reluzente placa azul, devidamente fixada no poste.
 
RUA GUILHERME CARDOSO
 
Justa homenagem. Situada lá nos altos do Jardim América e de lá se vê a Boa Vista.
Quem na cidade não se lembra do Sr. Guilherme ? Mais detalhadamente, do Sr. Guilherme da Dona Thereza ?
Eu me lembro quando a família chegou de Paraisópolis para morar na terrinha. Fomos vizinhos na Rua Eulálio Pinto.
Homem sério, lutador e expedicionário brasileiro de primeira hora. Esteve na Itália na 2ª Guerra Mundial. Parece que não gostava muito de falar do assunto.
Disputava lealmente com o Sr. Albertino Paes o título de melhor armazém da Boa Vista (e por que não da cidade?). Botafoguense doente.
Foi sócio do Sr. Zezinho Correia na montagem do primeiro supermercado Peg-Pag do Sul de Minas, na esquina do Café Hélio.
O empreendimento não seguiu com muito sucesso. O povo ainda ficava acanhado ao retirar diretamente as mercadorias das prateleiras e pior, estava acostumado com o "pendura" mensal nas cadernetas.
Pai de um monte de engenheiros (Zé Cláudio, Guila, Beto), dentista (Paulinho) e das moças bonitas da Boa Vista.
Deu uma saudade danada da Bia (do Marquinhos Berti), que resolveu tomar o barco muitíssimo antes do combinado.
A Dona Thereza está firme na Boa Vista.
É a vida

ER

AGORA VAI !


MOMENTOS MÁGICOS


PESSIMISTA LIGHT - 3

 
Um dos grandes responsáveis é a possibilidade legal de reeleição.
Praticamente todos os vereadores ainda não entenderam a grandeza do cargo ocupado.
Giram em torno do Prefeito, Secretários e Assessores, esperando a suprema graça de uma reforma ali, outra capinada mais acolá, o adiantamento de um exame médico e a aprovação de uma indicação.
Consideram a graça recebida e transmitida a um serviço de terraplanagem essencial para alcançarem o paraíso, ou melhor, a reeleição.
Afastam-se dos seus eleitores.
Chegam a kafkiana situação de aprovar com entusiasmo um terrível engano admitido pelo próprio Executivo. No caso a elevação do ISS.
Alguém hoje considera que o nosso Legislativo encontra-se atento e isento na fiscalização?
Hoje, lamentavelmente, um instantâneo tirado por uma Kodak, mostraria a Câmara, com sua maioria absoluta de seis, elevando diariamente suas preces voltados  para a "meca do Centro Administrativo".
Isso é ruim para o próprio Prefeito.
Desprendimento e transparência  se fazem mais do que necessário.
É a vida
 
ER 

PESSIMISTA LIGHT - 2


 
Novo não é necessariamente jovem. A Administração Municipal, exceto por alguns antigos generais é constituída por gente nova que já conseguiu atingir o ameno cume dos quarenta anos. Daí para frente é que começa a se tornar íngreme.
Qualquer ideia ou projeto discutido torna-se uma possibilidade de negócio. Não, necessariamente de negociata, mas de negócio.
Vislumbra-se uma investimento e todos já têm na cabeça, um indicado, um conhecido, um amigo ou um ex ou futuro parceiro.
Procedimento normal e corriqueiro na iniciativa privada, de onde quase todos vieram. Mas não no serviço público, onde não basta ser correto. Têm que parecer ser correto.
Já assisti esse filme antes e não apreciei o "The End".
Os homens públicos estão à pagar pelo descalabro nacional que atingiu a classe.
A coisa se complica e poderá se complicar ainda mais, com a inevitável possibilidade de dispensa de licitações. Ou por necessidade de urgência ou por notória especialização, ou algo mágico que a possibilite.
Estão se colocando em uma situação em que as pessoas mais observadoras passam a imaginar, até mesmo, a existência de chifres na cabeça de cavalo.
E faz sentido.
Hoje existe aí a internet que propaga opiniões diversas com uma tremenda velocidade. Os internautas, de modo geral, parecem estar dotados de uma admirável coragem. Situação irreversível que tende a recrudescer ainda mais.
Desprendimento e transparência  se fazem mais do que necessário.

ER
 

MOÇA BONITA

Renata

CANTINHO DA SALA - AQUELE SORRISO

 
Em 1519, um pouco antes de morrer, o artista, cientista e inventor italiano Leonardo da Vinci fez os retoques finais do retrato de uma jovem florentina, Lisa Gherardini del Giocondo, cujo o marido, um rico comerciante de seda, havia encomendado a pintura dezesseis anos antes, em comemoração ao nascimento do filho do casal. Na época em que o quadro foi finalizado, Leonardo tinha ido morar na França, a convite do Rei Francisco I, que acabaria comprando a pintura; assim, aparentemente nem a Sra. Del Giocondo nem seu marido tiveram a chance de ver a obra de Da Vinci.
Depois da Revolução Francesa a obra foi transferida para o Louvre, onde não chamava muita atenção.
No dia 21 de agosto de 1911, um funcionário do Louvre chamado Vicenzo Peruggia roubou o quadro. Italiano orgulhoso, Peruggia acreditava que a Mona Lisa deveria ser exposta na Itália.
A obra ficou escondida em seu apartamento por dois anos. Ele foi preso quando tentava vendê-la para a Galeria Uffizi, em Florença.
O público ficou cativado pelo possível patriotismo do Sr. Peruggia e o trataram mais como herói do que como um criminoso.
Antes da Mona Lisa retornar ao museu francês ela foi exposta por toda a Itália.
A partir daí, a Mona Lisa jamais retornaria ao anonimato.
A pintura foi objeto de atividade criminosa por mais duas vezes. A primeira quando um vândalo atirou ácido sobre a tela, e depois quando um jovem boliviano, Ugo Ungaza Villegas, atirou-lhe uma pedra.
Hoje, está exposto atrás de uma caixa de vidro à prova de balas e com temperatura controlada em uma parede exclusiva do Louvre, em Paris.
Segundo consta, está segurada em US$ 700 milhões.
Sorriso realmente enigmático.
 
(dados Duncan Watts)
 
ER