quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

CANTINHO DA SALA

Ivan Konstantinovich Aivazovsky, 1887

FEBEM ?

 
Em solenidade ocorrida hoje, 08 de janeiro de 2014, autoridades estaduais e o executivo municipal itajubense assinaram acordo de intenções para a implantação do Centro de Medidas Socioeducativas no município de Itajubá.
O Deputado Bilaquinho privou sua Santa Rita do Sapucaí desse investimento, beneficiando mais uma vez a terrinha.
 
 
Estamos comovidos com mais esse benefício.
 
É a vida
 
ER

COLABORANDO


O Prefeito Rodrigo Riera reclamou por diversas vezes, durante o ano findo, que a sua Administração tinha problemas de comunicação. Ninguém discute. 
Boa informação é informação independente, rápida, sucinta, com um pequeno retrospecto, a apresentação real do presente e uma breve visão séria do futuro próximo.
Nada de papo de palanque. Ninguém acredita e pior, fica com raiva.
Confesso que raramente escuto o rádio em casa. Ouço sempre no carro. 
Por duas ou três vezes nas últimas semanas, ouvi alguns assessores do Prefeito em entrevistas nas emissoras de rádios da cidade.
Descomunicação total.
A começar pelo apresentador do Programa, sempre socorrendo o entrevistado com chavões do brilhante trabalho que vem sendo feito e a mudança para melhor, em todos os sentidos, da cidade.
Os assessores do Prefeito são incapazes de construir uma frase sem uma generosa pincelada de badalação.
Como em entrevistas de jogadores da 2ª Divisão: " O professor (técnico) nos orientou. O professor vai fazer as mudanças necessárias. O professor... 
Conseguem convencer os já convencidos e só.
Falta ao Rodrigo Riera enviar um bilhete (êpa) para todos os seus funcionários nomeados. Curto e grosso:
"É proibido puxar saco de quem quer que seja, exceto do Papa"
O cara quando é bom não bajula ninguém, exceto de brincadeira ou gozação, não tem medo de desagradar e tem absoluta consciência da sua importância na equipe. 
Trás credibilidade e não deixa de ser um princípio de reforma política.

ER

PRÁ PENSAR

 
O Brasil é o único país em que os ratos conseguem botar a culpa no queijo.

Millôr

É DISCO QUE EU GOSTO


MERCADOR DA MORTE

 
Se depender das vítimas do amianto, 2014 poderá ser o pior ano da vida do bilionário suíço Stephan Schmidheiny. Elas preparam-se para abrir mais uma frente na luta pelo banimento da fibra cancerígena. Desta vez, miram em algo talvez mais valioso do que a própria fortuna do empresário cuja família fundou a Eternit suíça. Durante o século 20, o grupo industrial plantou fábricas pelo mundo e semeou com elas doenças fatais como asbestose (conhecida como “pulmão de pedra”) e mesotelioma (o chamado “câncer do amianto”). Agora, o alvo de doentes e familiares é o patrimônio imaterial ao qual o suíço dedicou muito dinheiro, batalhões de marqueteiros e os melhores esforços: sua biografia.
No Brasil, os advogados da Associação Brasileira dos Expostos ao Amianto (ABREA) pretendem cassar a prestigiosa Ordem do Cruzeiro do Sul, concedida ao suíço pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso em 1996.
“Não convém ao nosso país manter uma medalha concedida a alguém que posteriormente foi condenado criminalmente por omissão dolosa de proteção à saúde de milhares de pessoas.” Roberto Caldas, também advogado da ABREA – e hoje juiz da Corte Interamericana de Direitos Humanos – afirma: “Uma comenda é um sinal para a sociedade de que aquele indivíduo agraciado realizou um grande serviço ao país. A partir do momento em que se percebe que o indivíduo ‘fugiu’ do que se acreditava, nada mais natural que a honraria seja retirada. Não pode um criminoso continuar ostentando uma honraria como essa e comprometendo a imagem do país”.
Stephan Schmidheiny é um personagem trágico do mundo contemporâneo. Ele tenta apagar ou pelo menos ofuscar – o seu papel de protagonista naquela que é conhecida como “a maior catástrofe sanitária do século 20”: as dezenas de milhares de mortes no mundo inteiro por contaminação de amianto (asbesto), uma parte significativa delas ocorrida dentro das fábricas da Eternit suíça, de sua família, ou no raio de alguns quilômetros do seu entorno.
A família Schmidheiny, uma das mais ricas da Suíça, fez fortuna explorando o amianto a partir do início do século 20. Em 1969, aos 22 anos, Stephan chegou a estagiar na fábrica da Eternit em Osasco, na Grande São Paulo, período em que conheceu alguns dos operários que acabariam morrendo pelas doenças causadas pela fibra. Em 1976, aos 29 anos, assumiu a direção dos negócios da Eternit suíça e, segundo sua versão, decidiu encerrar a produção e vender a empresa ao descobrir que o amianto causava doenças graves, algumas delas fatais. Mas a Eternit deixou as mãos da família somente em 1990. Não foi fechada, mas vendida, deixando para os novos donos a lucrativa produção, assim como o passivo humano e ambiental. 
Estima-se que só na França morrerão 100 mil pessoas de doenças relacionadas ao asbesto até 2025. Os primeiros países europeus a vetar a matéria-prima foram a Islândia, em 1983, e a Noruega, em 1984. Progressivamente, o amianto foi sendo eliminado em diversos países até a proibição total pela União Europeia, em 2005. Hoje, o amianto está banido de 66 países, uma lista honrosa da qual o Brasil não faz parte.
Enquanto a maior parte do mundo desenvolvido já baniu a matéria-prima e lida com o passivo humano e ambiental, parte das potências emergentes, como o próprio Brasil, ainda é bastante permeável ao lobby da indústria, quando não conivente com o adoecimento e a morte de pessoas. O Brasil é hoje o terceiro produtor mundial de amianto, o terceiro exportador e o terceiro usuário de amianto. É interessante perceber que, no Brasil, enquanto o amianto rareia nas regiões mais nobres das grandes cidades, continua amplamente usado em favelas e periferias, aldeias indígenas, comunidades quilombolas e ribeirinhas, e nas casas de pequenos agricultores, inclusive – e talvez especialmente – na Amazônia.
No Brasil, empresas como a Eternit criaram um procedimento padrão. Quando os operários estavam perto da morte, quase sem conseguir falar, seus representantes apareciam no hospital oferecendo quantias irrisórias e um documento pronto para assinar, no qual eliminavam a possibilidade de qualquer futura reivindicação judicial pelos familiares. Desesperados, com dor, sem ar, muitas vítimas assinaram os papeis da vergonha.
No primeiro momento, a indústria do amianto negou o caráter tóxico da fibra. Depois, quando se tornou impossível abafar o crescente número de doenças e de mortes de operários, muitos deles por mesoteliomas e outros tipos de câncer relacionados à contaminação por asbesto, assim como pesquisas com resultados cada vez mais contundentes, mudou o discurso e passou a disseminar a ideia do “uso controlado do amianto”. Tentava convencer que, com precauções e proteção, era possível continuar produzindo sem arriscar a vida dos trabalhadores. Para isso gastou – e segue gastando – milhões de dólares para pagar marqueteiros, lobistas e cientistas com a missão de fazer essa ideia circular – e preponderar.
O Brasil, país em que o amianto é proibido apenas em seis estados (Rio Grande do Sul, São Paulo, Pernambuco, Rio de Janeiro, Mato Grosso e Minas Gerais), é um exemplo de como a estratégia tem funcionado à custa de vidas humanas, de contaminação ambiental e, em breve, de uma sangria considerável nos cofres públicos da saúde e da previdência.
Em 13 de fevereiro de 2012, Schmidheiny, foi condenado, pelo Tribunal de Turim, a 16 anos de prisão e ao pagamento de 100 milhões de euros pela morte de milhares de pessoas por doenças relacionadas ao amianto, contaminadas em plantas da Eternit na Itália. O crime foi descrito como “desastre ambiental doloso permanente e omissão dolosa de medidas de segurança para os operários”. Em 3 de junho de 2013, a sentença não só foi confirmada em segunda instância, como foi ampliada de 16 para 18 anos de prisão. Está prevista para 2014 a sentença final, em Roma. .
No Brasil, a principal protagonista da luta pelo banimento do amianto é a engenheira Fernanda Giannasi. Auditora fiscal do Ministério do Trabalho por 30 anos, ela aposentou-se em agosto para se dedicar em período integral à causa que já lhe rendeu ameaças de morte.
Em 19 de dezembro de 2003, João Francisco Grabenweger, operário da Eternit de Osasco, na Grande São Paulo, que, por falar alemão, foi uma espécie de intérprete e cicerone do jovem Schmidheiny em seu estágio na fábrica brasileira, escreveu uma carta ao bilionário. A seguir, um trecho: “Permita-me perguntar-lhe, senhor, você já leu algum artigo sobre as vítimas dos campos de concentração nazistas? Aquelas que sobreviveram recebem compensação financeira substancial com todos os direitos possíveis. Quando nós, ex-empregados da Eternit, fomos mantidos completamente ignorantes do fato de que trabalhávamos em um campo de concentração de amianto. Sendo bons funcionários, trabalhamos com o melhor que tínhamos, com completo orgulho e dedicação, para criar o império de cimento de amianto da família Schmidheiny. Mas o que recebemos da ‘Mãe Eternit’? O que adquirimos foi uma bomba com detonador de ação retardada que havia sido implantada em nossos tórax. (...) Peço-lhe que nos ajude a garantir a justiça com a qual temos sonhado para aqueles que deram suas vidas por você, senhor, e por sua família, e seus negócios.”
João Francisco Grabenweger morreu de asbestose, em dolorosa asfixia, em 16 de janeiro de 2008. Nunca recebeu resposta. A Eternit, em outras mãos, lhe ofereceu US$ 27 mil para abandonar seu processo judicial por indenização.
 
Eliane Brum (Para El País)

MOÇA BONITA

Chantal

LEI PROFESSOR RUI

Conheço o Professor Rui há séculos. Sempre foi sincero e aberto nos seus posicionamentos sobre tudo. Futebol, ensino e política.
Um homem com expressões curtas, grossas, escolhidas (e altas).
Por que o amigo Professor está deixando chateados os seus eleitores ?
Simples: Depois de eleito e conhecendo o sistema, o Professor se preocupou em buscar um equilíbrio, que na maioria das vezes se mostra enganoso.
10 ou 17 vereadores ? O Professor Rui defendeu 15. Perdeu.
O Prefeito diminuiu a área inicialmente prevista para aterrada a várzea do Rio Piranguçu ?  Sim, e o Professor não só apoiou como defendeu o projeto com unhas e dentes.
Rodeio maltrata os animais e caminha para ser proibido em todo o país ? O Professor defende a regulamentação do pobre espetáculo, com a introdução de algumas recomendações que atenuariam o martírio dos animais.
Dentro do espírito, e para não dizer que radicalizamos em tempo integral, sugerimos a introdução de uma emenda ao Projeto de Lei dos Rodeios (Lei Professor Rui):
"Os rodeios só serão permitidos com a utilização de robots, conforme apresentado na figura cima"
 
ER