domingo, 5 de janeiro de 2014

PORQUE HOJE É DOMINGO

Com raiva não se faz um poema. Não se faz uma criança dormir, não se faz uma boa noite. Não se faz uma casa de cartas se você estiver com raiva, e se você estiver com muita raiva mesmo, dificilmente poderá sorrir educadamente, profissionalmente, ou até falsamente. Se você estiver com mágoa, talvez não consiga trabalhar, não consiga almoçar, não consiga olhar nos ohos. Impossível tirar um cochilo com ciúme de alguém ou sair pra comprar um presente. Não se aplaude nada com inveja.
Talvez você não consiga segurar a onda se estiver numa crise, se estiver sem amparo, sem família, sem razão, sem compreensão, sem dinheiro, sem tempo. E aí pode ser realmente difícil fazer um discurso, fazer uma festa, passar um café, passar a mão na sua cara, com calma, com calma.
Não vai dar pra cantar alto como nos filmes, se você estiver com um grande vazio. Não vai dar pra se esticar, ver graça num cachorro, rir da piada. Se você estiver impaciente de tão triste, e triste porque não tem muita paciência nem com você mesmo, você não poderá nem explicar como isso é triste. E se você quiser escrever um poema sobre isso tudo, talvez ele fique mais pesado que o seu coracão, e aí não terá razão escrever uma coisa dessas para que alguém leia, porque ninguém precisa disso. E se você se sentir culpado por isso, provavelmente não vai conseguir fazer mais nada porque na certa, com dor não se faz nada de bom. Só uma oração.
Ela é a menor descrição desse texto e a mais capaz de mudar o sentido de todas as outras.
Que Deus abençõe a gente!

Luciana Elaiuy

PODE SER

Entre várias especulações sobre a concepção dos algarismos arábicos, há uma que relaciona a quantidade de ângulos existente na forma do algarismo e a quantidade que ele representa.
Observe na figura abaixo as formas primitivas dos algarismos e suas regiões internas. Perceberá que o número 1 possui 1 ângulo. Enquanto o 3, possui 3! E o nove, adivinhe... 9 ângulos.

Web

PRÁ PENSAR

 
O homem feliz é o que não tem passado. O maior dos castigos, para o qual só há pior no inferno, é a gente recordar. Lembranças que vem de repente e ataca como uma pontada debaixo das costelas, ali onde se diz que fica o coração. Alguém pode ter tudo, mocidade, dinheiro no bolso, um bom cavalo debaixo das pernas, o mundo todo ao seu dispor. Mas não pode usufruir nada disso por quê? Porque tem as lembranças perturbando. O passado te persegue, como um cão perverso nos teus calcanhares. Não há dia claro, nem céu azul, nem esperança de futuro, que resista ao assalto das lembranças."

Rachel de Queiroz

MOÇA BONITA