segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

VENTOS DE GUERRA


É do conhecimento geral que a terrinha já foi um pólo irradiador de bons ventos para todo o Estado de Minas.
Iluminação pública, libertação dos escravos ( antes foi localizado no município, um dos maiores quilombos do país: o famoso Quilombo da Berta, nas Anhumas), telefone automático, industrias, ideias, políticos de alta estirpe, muita instrução e durante uma época, acreditem, cultura.
Um grupo remanescente de idealistas e sonhadores ainda luta para resgatar um mínimo do brilhantismo que já existiu. Não se trata de saudosismo, mas de responsabilidade.
A política praticada hoje em Itajubá, tenta atropelar e esfacelar qualquer tentativa nesse sentido.
A alavanca mestra são negócios.
Não importam os custos e os não benefícios. Formaram-se grupos.
O jovem Prefeito, enfrentando uma eleição extremamente dividida, pelos seus procedimentos, deixa a entender que assumiu compromissos impagáveis com os seus apoiadores.
Começou pela formação da equipe de governo. Pessoal, possivelmente qualificado, foi indicado por Belo Horizonte (ou Santa Rita), sem o mínimo de vivência com o dia a dia da terrinha. Terão que aprender a um alto custo.
Batalhão de assessores com experiência única na atuação como cabos eleitorais.
O capacitado Super Secretário foi uma operação de risco. Sua saída levantou um poeirão que ainda não se acentou. Afastamento total da Siemens.
A demissão do experiente, capaz e honrado, Dr. Gilberto Azevedo, trouxe insegurança.
Promessas, promessas, que jámais serão cumpridas, uma vez que dependem de outros.
Lei do silêncio. Aproximação com o Hospital de Itajubá e escorraçamento da Mahle da gestão da Santa Casa. Benefícios ?
Compromisso com alteração do Plano Diretor e liberação para o aterro da várzea do Ribeirão Piranguçu. Enfrentamento frontal com a própria Mahle, importantes órgãos ambientais e a centenária Unifei.
Total falta de jeito para levar adiante o projeto do aeroporto.
Incertezas com a Valônia e aumento do IPTU.
Aceitação do despejo do lixo de mais cidades vizinha no aterro sanitário municipal, diminuindo sensivelmente o seu tempo de utilização.
Desinformação sobre o projeto de internet grátis e sobre as inúmeras tentativas para licitar a coleta de lixo.
Encaminhamento da Lei Prof. Rui (martírio de animais em rodeios), com descabida atuação dos assessores diretos.
Perda de importantes secretários, como os Professores Leandra e Madson. 
Divisão total parcial entre os órgãos de comunicação com a promoção de privilégios.
Vivemos numa cidade dividida. O que é ruim.
Bom ? A formação da Guarda Civil. Tentativas de organização no trânsito. Providências para melhorar o escoamento do Ribeirão Anhumas. Levar avante os projetos de construção da ponte da Boa Vista e construção de creches, conseguidos e iniciados pelo Dr. Jorge.
Negociação  para troca do prédio da Cabelte por um Centro de Eventos. 
Mas ainda temos tempo, muito embora 2014 deverá ser um ano de muitos compromissos eleitorais, que facilitarão alguma coisa e dificultarão outras tantas.
Como política é momento e o momento não é bom, o Vice Prefeito Christian candidato eventual a Deputado, terá uma árdua luta pela frente.
Ainda tenho confiança em dias melhores.

ER







 
  
 
 
 
 
  

AH Ah Ah !