sexta-feira, 22 de novembro de 2013

SOB A LUZ DE VELAS


 
 
Só lidar com gente honesta, meu Deus, que solidão !
 
Millôr

PADRÃO ENGENHARIA


Antes de mais nada, um aviso: Este post é um elogio.
Estivemos hoje na sede campestre, cada vez mais bonita, do Clube Itajubense, onde aconteceu e deve estar ainda acontecendo o "Encontrão", reunindo professores, alunos, ex-alunos e funcionários da Unifei.
Faz parte das comemorações do centenário da nossa Escola.
Segundo informado, foi organizado pelo pessoal do Diretório Acadêmico.
Foi mantido o já tradicional e famoso "padrão engenharia" no evento. Muitos amigos, descontração, boa música, camaradagem, fraternidade, lembranças, habilidade para desviar-se de assuntos polêmicos. Enfim, uma maravilha.
Dentro do padrão mencionado, como sempre, desorganização plena.
Seguramente mais de 1500 pessoas e dois  simples pontos para servir. Os veteranos ficaram "a ver navios" no tocante ao arroz com vinagrete e farofa. Parece que no churrasco tinha carne. Não vi.
Uma caneca de chope, tão somente após uma longa batalha.
Mas quem foi lá para comer e beber ?
Creio que grande parte dos presentes lá esteve para saudar a Escola e reencontrar com amigos.
Desde o meu tempo de estudante já era do conhecimento geral:
Em eventos da engenharia é sempre melhor comparecer já jantado e almoçado.
Valeu a pena. 
Para não deixar de fazer um registro pessimista, desconfio que nenhum dos participantes do gostoso encontro de hoje estará presente nas festividades do próximo centenário.
É a vida.

ER

PERSONAGEM PRINCIPAL

Quem seria o principal personagem da história itajubense ? Poderia estar entre o Padre Lourenço, o fundador do município, o grande político Wenceslau Braz, que foi governador do Estado e Presidente da República ou o Dr. Theodomiro Santiago.
Basta estudar um pouco o assunto e inevitavelmente se chegar a conclusão que o nome mais marcante da nossa história, com todo o reconhecimento aos outros, foi o Dr. Theodomiro Santiago.
Não é verdade que o Dr. Theodomiro nasceu em Maria da Fé. Nasceu em uma fazenda de seu pai que ficava dentro dos limites da nossa cidade. Nasceu no dia 1/12/1882. Estudou aqui na cidade, em Barbacena e em Ouro Preto.
Fez o primeiro ano de Direito em BH em 1902, transferindo-se no ano seguinte para Faculdade de Direito do Largo São Francisco, em São Paulo, onde se formou em 1906, com 24 anos.
Prestem bem atenção na idade.
Em 1907 voltou para Itajubá onde assumiu a Diretoria do Ginásio Itajubá.
Entre 1909 e 1910 aceitou o convite do seu cunhado Wenceslau Braz, então governador de Minas, e trabalhou em BH como seu Secretário. Voltou novamente para a Diretoria do Ginásio, onde ficou até 1912.
Aproveitando muitos instrumentos que tinham sido adquirido pela municipalidade e tinham pertencido a extinta Escola Normal Municipal, o Dr. Theodomiro deu início no dia 15/06/1912 ao curso técnico eletro-mecânico.
Dr. Theodomiro, então com 30 anos sonhava com um curso completo eletro-mecânico com ênfase à pratica. Financiado pelo seu pai, Cel. Carneiro Júnior, que pôs a disposição do filho 600 contos de réis, embarcou no Rio de Janeiro com destino à Europa (21/05/1912), onde iria comprar equipamentos para os laboratórios e contratar professores.
Ele chegou de volta a Itajubá no dia 19/11/1912, sendo recebido com muitas festas.
Com três professores europeus, as aulas começaram no dia 01/03/1913. Os professores eram os belgas: Victor von Helleputte , Armand Bertholet e Arthur Tholbecq.
Oficialmente a Escola de Engenharia foi inaugurada no dia 23/11/1913, quase no final do seu primeiro ano de funcionamento.
Atentem: Com 30 anos de idade, no começo do século XX, um advogado monta no interior uma escola de engenharia inovadora.
Sem dúvida, o Dr. Theodomiro foi um homem de visão extraordinária.
 
( fonte Armelin Guimarães)
 
vivereperigoso
 
ER

NÃO TEM COMO

 
 
Enquanto isso na terrinha: Começou errado, vai seguindo errado e não tem como terminar certo.

Anônimo

PT SEGUE FIRME NAS PRIVATIZAÇÕES

 
 
De forma acertada, o PT, agora administrando o país, deu mas um passo na privatização de bens públicos.
 
Desta vez, sem nenhum acanhamento, que vinha inibindo os petistas no sentido das privatizações, transferiram para empresas privadas o Aeroporto do Galeão e o de Confins.
O consórcio formado pela construtora Odebrecht e a operadora Changi, de Cingapura, venceu a disputa pelo aeroporto do Galeão, com uma proposta de R$ 19 bilhões. 
 
Já o leilão de Confins, foi vencido pela construtora CCR, com lance de R$ 1,82 bilhões.
 
Os leilões aconteceram simultaneamente. Começou pontualmente às 10:00, na sede da BM&F Bovespa. 
 
Nada como um dia após o outro.
 
ER
 

ESPECIALISTA