terça-feira, 10 de setembro de 2013

SOB A LUZ DE VELAS



Tudo é caro de mais quando não é necessário.

James Joyce

NOVO MODELO


O helicóptero EC130 T2 é o mais novo membro da família Esquilo, a mais popular do mundo. Apesar de manter praticamente a mesma carroceria, o novo Esquilo teve cerca de 70% da estrutura interna modificada. A aeronave é avaliada em US$ 3,9 milhões (cerca de R$ 9 milhões).
Entre os detalhes que mais chamam atenção de quem voa no helicóptero está um sistema antivibração que diminui em até 90% a trepidação durante o voo. 
O novo modelo ficou mais leve, moderno e luxuoso que a versão anterior (EC130 B4). 
O EC130 T2 consegue voar por até 4 horas, o equivalente a uma viagem de São Paulo ao Rio de Janeiro ou a Belo Horizonte, sem escalas. Possui um novo sistema digital de ar-condicionado que permite uma maior precisão para a regulagem de temperatura dentro do helicóptero, além de novo sistema eletrônico de desembaçamento. A aeronave tem capacidade para levar até oito pessoas.
Lançado no ano passado pela francesa Eurocopter, o modelo foi montado na fábrica da Helibras, em Itajubá (MG).

Uol

DIVIDINDO POR DOIS






NOSSA ESCOLA : AOS 100, EM 50

ER

NOTÍCIA QUE GOSTARIA DE LER


Pânico nos palácios: reconhecendo que agiram errado ao espionar o país, os americanos pedirão desculpas ao povo brasileiro tornando públicas todas as informações obtidas. O farão por capítulos. O primeiro será sobre a Petrobrás.

Clarin da Boa Vista

NÃO PERCAM AMANHÃ !


MOMENTOS MÁGICOS


MOÇA BONITA

Cate

ACREDITE SE QUISER


O estado americano de Iowa decidiu garantir a cegos o direito de portar armas de fogos em público. 
De acordo com o "USA Today", não há como questionar a lei, pois a Constituição estadual impede que xerifes neguem o porte de arma baseados em deficiência física.
Os que defendem a lei afirmam, como o xerife Warren Wethington, do condado de Cedar, que está provado que os deficiente visuais pode manipular armas com segurança. Outros ainda lembram que a Constituição americana veta tratamento diferenciado tomando como base deficiências.
"Quando você atira, você saca a arma , mira e atira, e eu não acho que ter a visão é necessário", disse ao "Register" Michael Barber, cego encontrado em uma loja que vende armas em Iowa.
Do outro lado, o xerife Don Vrotsos, do condado de Dubuque, resolveu desafiar a lei e disse que não dará permissão de porte de arma a cegos. Fazendo coro, Patrick Clancy, diretor da Escola de Braille de Iowa, afirmou que o porte de armas é uma das raras exceções na sua filosofia de que deficiente visuais podem participar totalmente da vida social.
O Globo

VAMOS COM CUIDADO

O governo brasileiro pretende ter maior controle sobre as grandes empresas estrangeiras da Internet. Numa das primeiras respostas ao escândalo da espionagem que afetou diretamente a presidente Dilma Rousseff, o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, quer oferecer uma alternativa aos serviços de correio eletrônico Gmail e Hotmail.
O ministério supervisiona a criação de um serviço nacional de correio eletrônico vai criptografar as mensagens e armazenar todos os dados no Brasil. O novo servidor está a cargo dos Correios, de monopólio público, o qual já trabalha na criação de um e-mail com fins empresariais, mas que o ampliará para uso privado.
Há três semanas, o ministro das Comunicações adiantou, em conversa com este jornal, que o Brasil iria “equiparar as comunicações eletrônicas à correspondência”. Ele não deu mais detalhes naquele momento, mas justificou o plano: “A correspondência é inviolável, assim como não se pode romper o sigilo de um telefonema ou de um e-mail”.
Na mesma entrevista, Bernardo explicara a intenção de obrigar os gigantes da Internet a trazerem os seus dados para o Brasil e, assim, evitar que se submetessem às leis de privacidade estadunidenses, onde as empresas são obrigadas a fornecer informações dos usuários quando solicitadas. Contudo, a medida é polêmica e há quem duvide que seja viável. Talvez por isso o ministro tenha decidido atacar em várias frentes para evitar a espionagem, revelada graças aos documentos do ex-técnico da Agência Nacional de Segurança dos EUA, Edward Snowden.
O último movimento de Bernardo aponta para as contas das empresas estrangeiras de Internet e televisão: Apple, Google, Facebook e Netflix. O governo quer que elas paguem mais impostos a partir de 2014. Para tal, encarregou às agências reguladoras do setor, ANATEL (telecomunicações) e ANCINE (cinema), que nos próximos quatro meses elaborem um novo modelo de tributação para estas empresas, que têm sede no Brasil.
O ministro argumenta que as companhias comercializam diversos serviços – publicidade, entre outros – fora do país e fazem operações em dólares e, por isso, deixam de pagar impostos no país.
“Imagine dois supermercados na esquina, um pagando impostos e o outro não. O que paga vai quebrar. O desequilíbrio é brutal. As atividades são semelhantes e devem ser tratadas do mesmo modo”, disse o ministro à Folha, exemplificando a desigualdade entre empresas do mesmo setor.
O Ministério da Fazenda não comentou as declarações de Bernardo, mas afirmou que a lei é igual para todas as empresas, sejam nacionais ou estrangeiras. “O fato de que deixem de tributar no país mediante operações fora do Brasil não significa que o ministério não vá atrás para fiscalizá-las. As operações das companhias, mesmo não sendo feitas aqui, estão sujeitas às nossas leis tributárias”, disse um porta-voz.
 
Folha e El País
 
ER
 
 

FÁBULA