quarta-feira, 21 de agosto de 2013

EL DIA QUE ME QUIERAS


 
O Brasil vai receber 4.000 médicos cubanos nos próximos meses, 400 deles imediatamente, dentro do programa federal Mais Médicos.
Segundo informou o Ministério da Saúde nesta quarta-feira, eles serão direcionados para 701 cidades que não foram escolhidas por nenhum profissional na primeira etapa do programa, 84% delas no Norte e no Nordeste do país. 
O acordo com Cuba é o primeiro a ser fechado pelo ministério. Será intermediado pela OPAS (braço da Organização Mundial da Saúde para as Américas), modalidade de acordo nova para os cubanos, que têm parcerias para o envio de médicos com outros países.
 
Uol 

 

COMEÇANDO DE NOVO


Ouvi hoje, na Futura FM é claro, o Prefeito Rodrigo Riera anunciou o pedido de demissão feito pelo Secretário Adilson Primo. Segundo informado, como de praxe, para tratar de assuntos particulares.
Aconteceu o que já era previsto.
Esperamos que o Adilson Primo consiga resolver todos os seus problemas particulares e viva tranquilo.
Como adiantamos, pela sua experiência, capacidade e contatos, poderá continuar colaborando com o desenvolvimento da terrinha, mesmo longe da administração.
É a vida.
O Rodrigo Riera, durante a sua declaração hoje na Rádio, reiterou o apelo para que todos aqueles que amam a cidade, continuem ajudando com críticas construtivas (se é que entendi).
Quem sabe um dia, embora nos pareça muito distante, consiga entender e reconhecer, que outra coisa não temos feito.
Pela sua bagagem, a saída do Adilson será um baque. Fortíssimo baque. Praticamente impossível achar alguém com o mesmo perfil técnico para substituí-lo.
Esqueçam o choque de gestão anunciado. Com certeza voltaremos ao feijão com arroz, normal em quase todas as prefeituras do país.
Se for um feijão com arroz bem temperado, já estará bom.
Continuamos acreditando.

ER 

CONSELHOS MUNICIPAIS

Deu hoje no site da JovemFM que o Codit - Conselho de Desenvolvimento de Itajubá, com os seus conselheiros devidamente nomeados, se reuniria hoje às 11:00 horas, no prédio da Prefeitura Municipal pela primeira vez neste ano.
Pelo que entendemos, o Eng. José Mafra, diretor da Jovem, continua como membro do Conselho. 
Sobre o assunto e por continuar fazendo sentido, publicamos novamente o post de 08 de fevereiro de 2011. 
Repetimos: Não faz o mínimo sentido, as reuniões de Conselhos Municipais serem mantidas "fechadas". Têm que ser públicas, embora logicamente, sem o direito de intervenção pelos assistentes.
 
08/FEVEREIRO/2011


Um dos mais importantes Conselhos que temos por esse Brasil afora, é o Conselho de Desenvolvimento da Zona Franca de Manaus, coordenado pela Suframa. O zelador morou por cinco anos em Manaus  e acompanhou os acontecimentos.

As reuniões ocorriam mensalmente na última sexta-feira. Era decidida a aprovação ou não, com restrições ou não, parcialmente ou não, de todos os projetos industriais e agropecuários da região.
Participavam do Conselho: cinco ministros de Estado, o Governador e representantes diversos da região. As reuniões duravam de quatro a cinco horas. Decidiam sobre projetos de implantação e expansão no valor de milhões de doláres.
Discussões aconteciam nos detalhes.
Importante: era aberto para o público. 
Mesmo com um pouco do "cheiro" da ditadura que estava se acabando, tinham o interesse de tudo mostrar e nada a esconder.
 ER

 
 
 

FRAGMENTOS

Comenta-se muito na terrinha e no "viver e perigoso", a reportagem feita pelo Jornal Valor Econômico, na última semana, sobre o caso Siemens, Adilson e Itajubá. Poucos leram por se tratar de material com publicação exclusiva para assinantes. Como já está na Internet, destacamos alguns (14) pontos que esclarecem a atuação do Adilson Primo, usando as próprias palavras da publicação.
Por um lado bom, por outro, polêmico. Pelo exposto, tem feito muito.
O ideal seria que ele ajudasse, como está ajudando, porém sem ocupar cargos. Como cidadão que gosta da cidade. 

1 -  Durante uma década, Adilson Primo foi o presidente da Siemens no Brasil. Demitido em 2011, ele voltou a trabalhar este ano, agora num cargo público. É, desde março, secretário municipal de Coordenação Geral e Gestão de Itajubá, cidade de 100 mil habitantes do sul de Minas Gerais.
 
2 - Seu desempenho parece impressionar o jovem prefeito Rodrigo Riera (PMDB), que criou o cargo para ele. Em cinco meses na prefeitura, Primo, diz o prefeito, ajudou-o a articular reuniões com quatro ministros da presidente Dilma Rousseff, a conseguir recursos para a cidade, além de facilitar, graças a sua ampla rede de contatos, negociações com empresas interessadas em investir na cidade. "Ele goza de um relacionamento junto ao governo estadual, federal e também junto ao setor empresarial, tanto na Fiesp quanto na Fiemg [as federações das indústrias de São Paulo e Minas]", disse Riera em entrevista ao Valor em seu gabinete no fim da tarde da terça-feira.
 
3 -  As denúncias das últimas semanas de irregularidades envolvendo a Siemens num período que em parte a empresa esteve sob o comando de Primo começaram a causar desconforto na prefeitura.
"Nós estamos ansiosos porque é uma pessoa que passou a ser do convívio de todo mundo diariamente. Eu troco ideias [com ele], todos os secretários [o fazem]. Somos uma família aqui dentro", disse o prefeito.
 
4 - Há duas semanas ou mais circulam na cidade boatos de que o prefeito demitiu Primo por causa das notícias sobre a Siemens. Por ora, o secretário continua no posto, com agenda cheia de compromissos.
 
5 - Adilson Primo já disse a Riera que deixa a prefeitura se surgir algo contra ele nas investigações sobre as irregularidades da Siemens - pratica de cartel e corrupção para venda de trens ao governo de São Paulo entre 1998 e 2007; Primo comandou a empresa entre 2001 e 2011. "O Adilson já colocou que se surgir uma linha contra ele, que ele apareça como acusado, ele, vendo um governo de jovens como esse, eu, o vice-prefeito e vários secretários, ele se defenderia fora do cargo."
 
6 - O prefeito contou que ainda não teve tempo de se sentar com seu secretário para conversar mais longamente sobre o assunto. Primo não quis receber a reportagem, seguindo, conforme deu recado, a orientação de seus advogados de evitar a imprensa.
Perguntado se o fato de o atual secretário de Gestão ter estado à frente da Siemens num período sob suspeita não o fragiliza como representante da prefeitura, Riera não esconde a dúvida.
"Como o fato é novo e eu não tive nenhuma reunião com ele para tratar desse assunto digo a você que pode ser que sim, pode ser que não. Ainda não tenho uma sensibilidade sobre isso, se teve algum efeito negativo. Pode ser que surja, sim. Estamos atentos a isso. Mas nós somos seres humanos. Não podemos condenar alguém antes [do julgamento]. Vamos aguardar mais um pouco."
Em seguida, acrescentou: "Eu prezo pela lisura. Se tiver qualquer coisa que esteja errada [na conduta de integrantes da equipe], não faz parte do meu governo. Mas até se prove qualquer coisa, eu não... Nós vamos aguardar."
 
7 - Rodrigo Riera está em seu primeiro mandato. Foi eleito no ano passado e já tinha exercido dois mandatos de vereador. Tem 35 anos e era ligado politicamente ao ex-vice-presidente no governo Lula, José Alencar, a quem chama de "meu padrinho político". Seu pai foi suplente de Alencar no Senado, além de amigo pessoal dele.
O prefeito diz que o secretário fica de fora das conversas sobre política, assunto sobre o qual diz ter ojeriza e sobre o qual, segundo o próprio prefeito, o secretário "não entende absolutamente nada".
 
8 - O prefeito conta que foi apresentado a Primo em agosto de 2012 pela empresária Leandra Machado. Ela integrava o grupo que atuou na estruturação da campanha de Riera e que concebeu a ideia de ter na cidade uma espécie de CEO que se ocuparia da gestão mais diretamente, deixando o prefeito mais com a atividade política. Leandra contou ao Valor que tem um tio próximo a Primo e que o convidou o ex-executivo para ser esse CEO se Riera fosse eleito. Todos sabiam que havia algo nebuloso envolvendo sua saída da Siemens, mas julgaram, lembra Leandra, que apesar disso a experiência dele em gestão poderia ajudar muito a cidade.
 
9 - Após sair da Siemens, Primo fez saber que tinha pretensão de trocar São Paulo por Itajubá. A família dele é daqui, a mãe, uma ex-professora, ainda vive na cidade e teve um problema de saúde há pouco tempo. Alguns dos amigos dele, da época de escola e de quando ele se formou em engenharia elétrica pela Universidade Federal de Itajubá (Unifei) estão aqui.
 
10 - Em março deste ano, com a criação da secretaria, Primo começou a trabalhar. Leandra deixou meses depois a prefeitura, onde comandava a secretaria de Indústria e Comércio. Ela saiu criticando o colega. "Nos corredores, todos os colegas reclamavam da postura deselegante e autoritária dele. Com a minha pasta isso era gritante" Leandra diz que ele conduzia assuntos que seriam afeitos à pasta dela. "Como se eu não existisse".
 
11 - O prefeito o apresenta assim: "Adilson é uma pessoa de conceito, que quadruplicou ou quintuplicou as receitas da Siemens no Brasil. É tido em Itajubá como um grande gestor". E na prefeitura o secretário tem feito a "máquina funcionar" e é alguém que "desobstrui os caminhos, [que tira] os obstáculos que nós temos", nos termos do prefeito.
Exemplos? "Tive reuniões com quatro ministros pouco tempo atrás, todas elas agendadas por ele" [depois ele se corrigiu dizendo que Primo ajudou a articular e a conduzir conversas, não exatamente agendar]. Os encontros ocorreram na última semana de junho e, segundo a prefeitura, integraram a comitiva mineira, Riera, Primo, um vereador e dois secretários de Estado, Nárcio Rodrigues e Bilac Pinto e o reitor da Unifei.
 
12 - Um dos encontros foi com o ministro de Ciência e Tecnologia, Marco Antonio Raupp, para tratar do Centro Nacional de Tecnologia de Helicópteros - um centro de pesquisa e desenvolvimento a ser instalado na cidade. "Não existiam recursos. Ele [Primo] intermediou e, dividindo entre o ministério da Ciência e Tecnologia e a secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia, conseguimos R$ 6 milhões que há muitos anos não saíam do papel e em poucos meses ele conseguiu. Ele conversou, fez várias reuniões com a secretaria e com o ministério e nós conseguimos esses R$ 6 milhões." O ministério só registrou o pedido de audiência feito por Nárcio Rodrigues - não os participantes do encontro.
Primo participou de reuniões com integrantes do governo estadual, confirmou o Valor. Mas no governo Anastasia ninguém parece muito disposto a fazer comentários sobre ele. Rodrigues disse que não tinha nada a declarar; outros dois colegas dele de governo tampouco quiseram ser citados.
Na mesma ida a Brasília, a comitiva também foi recebida pelo ministro Fernando Bezerra (Integração Nacional) para tratar de obras contra enchentes, segundo a prefeitura. "Essa agenda, essa interlocução, foi feita pela secretaria de gestão daqui [do Adilson Primo]. Nós tivemos já um ok da parte da técnica do Ministério de Infraestrutura", disse Riera. A assessoria da pasta não confirmou a presença de Primo.(posteriormente, confirmou)
A prefeitura também informou que os ministros César Borges (Transportes) e Antonio Andrade (Agricultura) os receberam - as assessorias disseram que tinham como confirmar a presença do ex-executivo.
 
13 - Com uma ampla rede de contatos, Primo também tem ajudado na atração de investimentos para a cidade, diz o prefeito. Diz, por exemplo, que foi Primo quem tornou mais fáceis as conversas com a Plasinco, empresa metalúrgica de Várzea Paulista (SP), sobre investimentos na cidade. "Como eram conhecidos dele do mundo da indústria, facilitou muito as negociações." Ao Valor, um dos executivos da empresa, que pediu para não ser nomeado, disse: "Estamos em entendimento com a prefeitura e haverá um investimento para a construção de uma unidade de produção de condutores elétricos para automóveis. Eu conhecia o Adilson da época em que ele era da Siemens. Tenho impressão que ele na prefeitura agora ajuda muito nas nossas conversas, ele é da área, é um técnico". (blog - trata-se da Cabelauto).
 
14 - Para o prefeito, Primo está na prefeitura pelo desafio. "O desafio de servir. Ele está aposentado. Nasceu em São Lourenço, mas veio para Itajubá com três anos. É um itajubense. E o itajubense ama Itajubá."
Se ele vai continuar servindo a cidade por muito mais tempo apesar do noticiário negativo sobre a Siemens é a pergunta que corre esses dias em Itajubá.
 
ER
 
 


MOÇA BONITA

Gisele

TÁ NO FORNO