segunda-feira, 29 de julho de 2013

SOB A LUZ DE VELAS



Acabar com a corrupção é o objetivo supremo de que ainda não chegou ao poder.

Millôr

ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO

Foi divulgado hoje pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - PNUD, o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal do Brasil - IDHM.(dados do censo de 2010)
O que vem a ser o IDHM ?
É uma medida resumida do progresso a longo prazo em três dimensões básicas do desenvolvimento humano: renda, educação e saúde.
O Brasil está bem, com um índice considerado alto - 0,727
Minas Gerais está na 9ª posição. Ocupam as primeiras posições, o Distrito Federal, São Paulo e Santa Catarina. O último colocado é Alagoas, com o Maranhão em penúltimo.
Nossa cidade obteve um índice de 0,787, considerado alto.
A terrinha ocupa a 85ª entre os 5565 municípios do pais e a 4ª posição em Minas Gerais.

Posicionamento em Minas Gerais:
1 - Nova Lima 0,813
2 - Belo Horizonte - 0,810
3 - Uberlândia - 0,789
4 - Itajubá - 0,787
5 - Lavras
6 - Poços de Caldas
7 - Juiz de Fora
8 - Varginha
9 - Lagoa Santa
12 - Pouso Alegre
 
Itajubá, com relação ao IDHM de 2000, teve um crescimento de 13,89% no levantamento de 2010. Nas últimas duas décadas (1990/2010) teve um crescimento de 36,87%, ficando abaixo do crescimento nacional (47,46%) e abaixo da média estadual (52,93%).
 
Para se ter uma ideia comparativa com os nossos vizinhos:
Pouso Alegre - 0,774
Santa Rita - 0,721
Piranguinho - 0,717
Maria da Fé - 0,702
Brasópolis - 0,692
Wenceslau Braz - 0,678
Delfim Moreira - 0,669 

A cidade que alcançou o melhor índice no país, pelo terceira vez consecutiva, foi São Caetano do Sul (0,862). O pior índice ficou com Melgaço - Pará (0,418).

ER
 

MOÇA BONITA

Luana

ROUBEI MAS DEVOLVEREI



Em reunião com promotores de Justiça na semana passada, a multinacional Siemens admitiu devolver aos cofres públicos parte do valor que teria sido superfaturado no fornecimento de equipamentos de trens e metrô ao governo de São Paulo.
Há duas semanas a Folha revelou que a Siemens delatara às autoridades antitruste a existência de um cartel - do qual fazia parte- em licitações para compra de equipamento ferroviário, construção e manutenção de linhas de trens e metrô em São Paulo e no Distrito Federal. 
O esquema envolve subsidiárias das empresas Alstom, Bombardier, CAF e Mitsui, e as empresas TTrans, Tejofran, MGE, TCBR, Temoinsa, Iesa e Serveng-Civilsan.
As combinações podem ter aumentado em 20% os preços. Mas o cálculo dependerá ainda de um levantamento de contratos assinados pela Companhia Paulista de Trens Metropolitanos e pelo Metrô de São Paulo. 
A Siemens fez um acordo que pode garantir à empresa e a seus executivos imunidade administrativa e criminal e diz que "coopera integralmente com as autoridades". A empresa afirma que enfatiza a importância de uma concorrência leal e "obriga todos os funcionários a cumprir regulamentos antitruste".
As demais empresas também dizem estar colaborando com as investigações.
Se for confirmado e condenado o cartel, as empresas ficam sujeitas à multa que pode chegar a 20% do faturamento bruto no ano anterior à abertura de processo -o que poderia chegar a R$ 1 bilhão no caso da Siemens, segundo cálculos oficiais.
Folha 
Blog: Não se trata de um caso simples. A revista Isto É do final de semana estimou em R$ 425 milhões o prejuízo das empresas públicas. O dinheiro (depois de apurado o montante) deverá ser devolvido com juros, multas e correção monetária. Terão que ser denunciadas as pessoas físicas possivelmente corrompidas.
Pense: Essa fortuna poderia ser investida na ampliação do próprio caótico sistema de transporte paulista, em segurança, em educação e saúde. Quantos sofreram tanto com esse assalto ? Quantos se empanturraram com caviar, bebidas finas com produto do roubo. Essa operação (superfaturamento) se tornou normal e corriqueira no país. Dificilmente alguma obra não tenha esse acréscimo criminoso.
Estamos desde há muito navegando num mar de lama e para nós, tapar as narinas têm sido mais cômodo.
Todos os envolvidos, com mandatos ou não, com delação premiada ou não, teriam que ter seus direitos imediatamente cassados, passaportes recolhidos e aguardar os julgamentos em casa.
ER 

LACUNAS


Ouvido hoje de manhã na Padaria do Morro Chic:
- Ô Cumpadre a Argentina nos mandou um Papa simpático, humilde e atuante, que cativou com suas palavras e proceder, quase todos.
- É Cumpadre, concordo, mas mandou também, para compensar, uma frente fria de arrebentar.
- Pois é...e as perdas da terrinha nos últimos dias ? lamentáveis.
- Se fossemos uma equipe de futebol, poderíamos afirmar que os grandes craques estão indo embora e infelizmente não temos no plantel substitutos à altura. Temos jovens promessas, que andam oscilando muito.
- Éh...estão surgindo lacunas  difíceis e quase mesmo impossíveis de serem preenchidas em curto e médio prazo.
- Pior. Algumas nunca serão.
- É a vida.

ER

PHOTOGRAPHIA NA PAREDE

Steve McQuenn

NOSSO TEATRO

Noticiou este jornal, há pouco tempo, que nossa Prefeitura cogitava de construir um teatro em Itajubá.
Recentemente, em entrevista concedida à "Gazeta Intermunicipal" em seu nº 9 , de abril de 82, Dona Nair Prado, Diretora do Departamento de Educação, Cultura e Turismo da Prefeitura Municipal, também se referiu a esse assunto.
Disse ela que apesar de todas as dificuldades, a criação de um teatro em Itajubá ainda não saíra de seu pensamento.
Alguns membros da Secretaria de Planejamento, acrescentou ela - estavam cuidando do assunto, o que lhe dava esperança de ver em breve concretizado esse sonho.
Não creio que tal venha ainda ocorrer durante o atual governo municipal, prestes a extinguir-se.
A obra projetada é grande demais para um tempo tão curto de trabalho.
Ao novo governo municipal, surgido da eleição de 15 de novembro próximo, deverá caber a missão de dotar a nossa cidade do teatro que tanta falta lhe está fazendo.
Essa tarefa seria facilitada se a Prefeitura quisesse aproveitar para realização dessa obra o prédio já existente na Praça Theodomiro Santiago, esquina da Cel Rennó - o mesmo edifício em que funcionou, durante muitos anos, o Cine-Teatro Apolo, ali construído outrora por Eulálio da Gama Pinto, o saudoso Lalinho, pioneiro do cinema falado em Itajubá.
Com a inauguração do Cine Presidente, o antigo cinema foi desativado e o prédio em que funcionava está ali até hoje, desviado de sua verdadeira finalidade, alugado para fins unicamente comerciais.
A Prefeitura poderia comprá-lo ou, se os proprietários não o quisessem vender, desapropria-lo por utilidade pública e ali inaugurar finalmente o teatro que a cidade tanto necessita.
O edifício foi construído para ser um cine-teatro. Para funcionar apenas como teatro precisará naturalmente de obras de adaptação, de uma reforma que não será difícil e poderá ser projetada e realizada por um bom arquiteto, especialista nesse gênero de construções.
Creio que esse é o caminho mais fácil e econômico para a Prefeitura realizar esse melhoramento, desejado por todos os itajubenses.
Salvo se a especulação imobiliária entrar novamente em cena, agora num teatro de verdade, para demoli-lo e levantar ali um novo espigão, como já fez, em parte, com o Palacete Amélia Braga, há um ano destruído e hoje transformado em terreno baldio, cercado por tosco e desgracioso tapume de madeira, talvez destinado a ocultar e proteger a mina de ouro ali descoberta, há tempos, pela assessoria imaginosa dos capitalistas da terra.
José Ernani de Lima

Jornal O Sul de Minas de 26 de junho de 1982
(publicado no livro do Carlos Alberto Silva - "José Ernani de Lima" - Um engenheiro na história e nas letras de Itajubá - página 457)

ER

DESGASTE TOTAL