terça-feira, 9 de julho de 2013

FOI SEM NUNCA TER SIDO

 
Como previsto, a Câmara mandou à cova o plebiscito ‘vapt-vupt’ sugerido por Dilma Rousseff há duas semanas. O cadáver exalava odores havia dez dias. O último prego foi martelado no caixão no final da manhã desta terça (9), em reunião dos líderes partidários com o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves.
Ao final da reunião, Henrique jogou sobre a cova a última pá de cal ao reafirmar que será mesmo constituído um grupo de trabalho para elaborar um projeto de reforma política. Se for aprovada, será submetida a referendo no ano que vem. E valerá para as eleições de 2016.
O atestado de óbito do plebiscito foi rubricado por mais de 90% dos líderes.

Josias de Souza

SEM VANDALISMO

Está acontecendo em Brasília uma manifestação dos prefeitos brasileiros (também chamada pela imprensa, de marcha). Estima-se que 4.000 alcaides estejam participando. Até o momento, a caminhada tem sido pacífica e nenhum ato de vandalismo foi registrado. A reportagem constatou que essa é a primeira manifestação popular (mais ou menos popular) realizada este ano no país, com os participantes recebendo polpudas diárias, hospedagem em hotéis de nível superior, alimentação rica em calorias e transporte aéreo.
Bombas, só de chocolate e creme. Gás pimenta, só no camarão à baiana.
Filósofos políticos tentam explicar o movimento.
Agora vai.

ER

ELE PRÓPRIO SERIA UMA DAS RAZÕES

 
O fenômeno brasileiro merece uma reflexão profunda sobre a qualidade de vida. O povo julga e pensa que está na maior infelicidade feliz. Tanto que um dos slogans dos protestos é: “Eu era infeliz e não sabia.”

José Sarney (para El País)

MOÇA BONITA

Fernanda

O PIOR DE TUDO


EQUIPAMENTO DE DEFESA

Deu no UOL

"O Brasil ocupa a 4ª posição no ranking de maiores exportadores de armamentos do mundo, segundo documento divulgado pela entidade Small Arms Survey no início do mês. De acordo com o relatório, em 2010, o país vendeu ao menos US$ 326 milhões (R$ 736 milhões) em armas e munições, ficando atrás apenas dos Estados Unidos (US$ 821 milhões, ou R$ 1,6 bilhão), da Alemanha (US$ 495 milhões, ou R$ 1 bilhão) e da Itália (US$ 473 milhões, ou R$ 950 milhões).           
Visitantes manuseiam armas em exibição na Feira Internacional de Defesa e Segurança LAAD Defence & Security, no Rio de Janeiro, a maior exposição de equipamentos militares da América Latina .
A maior parte dos armamentos exportados pelo Brasil vai para compradores dos Estados Unidos, Malásia, Alemanha, Estônia e Cingapura. São, em sua maioria, revólveres, pistolas, escopetas e munições diversas.
No mesmo período, o país importou ao menos US$ 27 milhões (R$ 50 milhões) em foguetes, granadas, lança-granadas e outros armamentos pesados. Os países que mais exportam para o Brasil são a Rússia, Estados Unidos, Chile, Bélgica e China.
Parte do arsenal de gás lacrimogêneo utilizado pela Polícia na Turquia para conter os protestos traz, em seu verso, um selo de "Made in Brazil", de acordo com reportagem da Folha de S. Paulo."
 
Blog: Penso que parcela significativa do armamento portátil exportado pelo Brasil é fabricado na terrinha. As informações sobre o mercado mundial são altamente reservadas. O que alivia um pouco é o argumento, de que aqui se fabricam armas para defesa e não para ataque. Pois é...
 
ER 

DEU NO JORNAL

 
Aluno de engenharia terá que trabalhar dois anos no "Projeto Luz Para Todos" para se formar. 

Clarin da Boa Vista

CAMINHO DA ROÇA


Ontem à noite, sem nenhum objetivo determinado, estava passando uma vista nos três volumes da "A História Vivida"- Documentos Abertos, publicados pelo "O Estado de São Paulo", lá pelo final dos anos 70. Publica entrevistas concedidas por grandes personalidades brasileiras. O brilhante trabalho foi coordenado pelo jornalista Lourenço Dantas Mota.
No volume III, fui atraído pela entrevista do Dr. Euryclides de Jesus Zerbini, grande médico brasileiro, nascido na vizinha Guaratinguetá e chefe da equipe que realizou os primeiros transplantes de coração no Brasil.
Lá pelas tantas lhe foi perguntado sobre a concentração dos médicos nas grandes cidades brasileiras.
Respondeu o Dr. Zerbini, em 30 de setembro de 1979:

- Peguemos o caso de uma pequena vila no interior do país, no norte de Goiás ou de Mato Grosso, digamos. Se ela recebesse um grupo de indivíduos que terminaram seus cursos - um médico, uma ou duas enfermeiras, um advogado, um engenheiro - é claro que esta vila se beneficiaria. A meu ver, esse grupo deveria ficar lá dois anos, dando assistência à população, podendo depois retornar aos grandes centros. Um bom número provavelmente ficaria por lá, contribuindo para o desenvolvimento do país. Muitos responderão: "Ah!, mas aquelas pessoas não concordarão em ir". Mas meu Deus, como é feito o recrutamento militar ?Ele é obrigatório. Se nosso filho for chamado para prestar serviço ao Exército, tem de ir, não tem história. E irá para onde o Exército mandar. O número de médicos que sai das faculdades hoje é enorme, excessivo, e eles deveriam ser lotados no país inteiro.
Aliás, o número excessivo de médicos é outro problema. O Ministério da Saúde deveria estudar a situação do país, determinar o número de médicos necessário e propor ao Ministério da Educação que não permita a formação de médicos em número superior àquele que precisamos. O país está crescendo, mas as pessoas se formam e querem ficar em São Paulo. O importante é saber o que o país precisa. É tão difícil fazer isto ? Não pode ser. Por que não se pode mandar um médico ou outro profissional recém-formado para uma cidade do interior ? Basta que se negue a entrega do diploma até o cumprimento daquele estágio para que ele vá tranquilamente. É claro que se perguntarmos a eles se querem fazer um estágio de dois anos no interior a resposta será negativa. Mas se for convocado terá de ir, e prestará um serviço à nação. Há certos problemas de ordem geral como esse que não consigo entender. Talvez por ficar trancado numa sala de operação certas coisas me escapem.

A História Vivida

ER

O REVOLUCIONÁRIO

 
Poucos, exceto os paulistas, dão a importância devida as lembranças do dia de hoje.
9 de julho.
Dia comemorativo da Revolução Constitucionalista de 1932.
O povo paulista saiu em defesa da constituição e um nosso conterrâneo ilustre, Dr. Theodomiro Santiago, atravessou a serra, pela Vila Maria, a cavalo, e foi lutar pela defesa da Constituição.
Foi um dos líderes.
Com o fim da revolução (durou de julho a outubro de 1932), ele foi preso em sua casa na cidade de Itajubá e conduzido ao Rio de Janeiro.
Foi expatriado junto com outros companheiros. Partiu para o banimento em novembro de 1932, chegando em Lisboa, a bordo do navio Siqueira Campos", em 18 de novembro de 32.
Talvez tenha sido o primeiro e único itajubense enviado para o exílio em toda a nossa história.
Os tempos eram outros.
Oficialmente contabilizam -se 934 mortos. Na verdade, ultrapassaram os 2.000.
Na época, meu pai tinha 12 anos de idade e morava em Silvestre Ferraz (hoje Carmo de Minas). Ele me contava, impressionado, que presenciou a passagem pela cidade, de trens com vagões próprios para transportar gado, lotados de jovens e meninos prisioneiros paulistas. 
É a vida. 
 
(registros do nosso historiador Armelim Guimarães)
 
ER