sábado, 25 de maio de 2013

AGORA VAI !

Ouvido hoje nas proximidades do Bar e Pastelaria  do Coró, na Boa Vista:
 
- Ô Cumpadre, só agora começo a entender o que o Super Secretário declarou ontem na entrevista no rádio, sobre a constante busca de recursos nos governos federal e Estadual.
 
- É verdade. Ele disse que tendo projeto os recursos virão.
 
- Pois é...uma parte já chegou. O Bilaquinho conseguiu no Ministério das Cidades, 650 mil para darem uma ajeitada no aterro sanitário da terrinha. Em contrapartida, Santa Rita, Cachoeira de Minas, Brasópolis e Marmelópolis despejarão  seu lixo aqui.
E tem mais... as autoridades municipais estão esperançosas de receber 3.000 toneladas por mês. As cidades limpas pagarão R$ 36,00 por tonelada enviada.
 
- Negocião Sô ! 
 
- Preis ou prá nóis ?

ER

DE NOVO: PIMENTEL, CDL E O PROJETO OLHO VIVO

Deu na Folha

O ministro Fernando Pimentel (Desenvolvimento), um dos mais próximos da presidente Dilma Rousseff e cotado para coordenar sua campanha à reeleição, é acusado pela Procuradoria-Geral da República de ser "autor de delitos" e ter "concorrido ativamente" para o desvio de R$ 5 milhões da Prefeitura de Belo Horizonte em 2004, quando era prefeito da cidade.
A Folha teve acesso ao inquérito que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF). O caso está sob a relatoria do ministro José Dias Toffoli. Ele deve apresentar seu voto ao plenário do tribunal, que decidirá se abre ação penal.
O inquérito analisa as circunstâncias da contratação, pela Prefeitura de Belo Horizonte, da Câmara dos Dirigentes Lojistas local para implantar o projeto "Olho Vivo", que previa a instalação de 72 câmeras para coibir crimes no centro da cidade.
O documento da Procuradoria, datado de março de 2012, é assinado pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel, e sua mulher, Cláudia Sampaio, e acusa diretamente o ministro: "O denunciado [Pimentel] concorreu ativamente para o desvio dos R$ 5 milhões em favor da Câmara dos Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte".
A acusação contra Pimentel é de "apropriação de bens ou rendas públicas", com pena de até 12 anos de prisão.
Diz ainda a Procuradoria: "A denúncia contém clara e concisa descrição do fato criminoso e dos indícios de autoria, que permitem com segurança apontar o denunciado como autor dos delitos".
Em síntese, a Procuradoria afirma que o convênio com a Câmara dos Dirigentes Lojistas foi uma forma simulada de contratação sem licitação, e que o dinheiro foi parar em uma empresa-fantasma.
A Procuradoria corroborou as conclusões do Ministério Público de Minas, que em 2010 denunciou o ex-prefeito e o ex-secretário de Coordenação e Gestão Regional, Fernando Viana Cabral, entre outros.
 
Folha

NUNCA ANTES