terça-feira, 14 de maio de 2013

LATINO TAMBÉM ESTEVE SÁBADO EM ITAJUBÁ


SOB A LUZ DE VELAS

 
 
Por detrás de uma grande fortuna há um crime."
 
Honoré de Balzac

TOMOU O BARCO

 
Tomou o barco hoje na terrinha, muito antes do combinado, a Fátima Carvalho Mota. De tradicional família da região, mais precisamente de Brasópolis e Olegário Maciel. Filha do Sr, Geraldo Mota. Fátima deixa dois filhos já moços.
Conheci a culta Fátima pessoalmente na semana passada. Exatamente na última terça-feira ela concedeu-nos (a Sônia e a mim) o prazer de sua visita. A conversa sobre livros, filhos e a vida tomou algumas horas, que passaram num piscar de olhos.
Gostava muito de Balzac e andava a procura do "Diário de Ane Frank" para ler. Chorou ao ler Ana Karenina.
Começava ali uma amizade interrompida hoje, abruptamente pelo destino.
Conversamos durante umas três ou quatro horas. Rimos muito e lamentamos pouco. Dessas poucas horas de convívio direto, ficou a impressão que fomos amigos a vida toda.
Marcante.
Em tempo: o sepultamento acontecerá hoje às 17:00 horas em Brasópolis.
É a vida.

ER

HELP ! HELP !

 
Não sou contra e nem favor. Só queria entender: como um vice-governador de um governo do PSDB pode ao mesmo tempo ser ministro de um governo do PT ?
Penso, penso e não consigo entender.

Anônimo

MOÇA BONITA


Sara

15 PARA A MEIA NOITE


 
Acabam de ligar no último volume o escapamento do mafuá do parque de exposição.  Isso é hora ?
Vibram as vidraças das janelas.
Absurdo com apoio e aprovação da administração municipal.
Confesso que num momento de fraqueza acreditei que as coisas iriam mudar.
Ontem o Luc (5 meses) voltou para São Paulo atordoado com o ruído da madrugada de domingo (terminou próximo das quatro da manhã). 
O duro é que amanhã chegam o João e o Mateus (4 anos/3 meses) para passar uns dias com os avós.
Melhor seria poder levar o pessoal para dormir durante esta semana no Hotel Coroados. Para os de fora, trata-se de uma aconchegante pousada localizada na privilegiada região habitada pelos donos do poder.
Imagino  que lá pelas bandas das margens plácidas do riacho Zé Pereira, todos  devem contar carneirinhos até o sono chegar e depois...sonhar com os anjos.
Ô Terrinha...
Seguiremos com nosso protesto solitário.

Em tempo: Imagino a situação dos indefesos velhinhos do Lar da Providência (antigo Asilo). O que eles chamam de palco fica a uns 20 metros dos dormitórios. 

ER

QUAL O PIOR ?