sábado, 26 de janeiro de 2013

JEJUM DE 100 DIAS


FALTAM 74 DIAS

Contando a partir de 1º de janeiro, o período de silêncio (100 dias) determinado pelo Prefeito Rodrigo, se encerrará no dia 11 de abril de 2013.
Atinge todos os Secretários e Diretores.
Portanto, toda a quaresma será respeitada. Toda a equipe, com o  devido conhecimento da máquina, estará pronta para fornecer informações daqui a 74 dias.
Aguardaremos. 
 
ER

RAY - BAN

Lindsay Lohan

DAMA É DAMA

Chegavam os Jogos da Primavera.
A disputa era renhida entre o Batalhão e a Escola de Engenharia.
Dois meses antes o Major Ferreira, linha duríssima, começou a montar um grupo de atletas para levar ao campeonato. No Atletismo, o exército ganhava quase tudo (vinham reforços da AMAN). Nas competições de quadra, a Engenharia era imbatível.
Pediram para o Cabo 257 (na realidade, ordenaram aos berros) que identificasse, entre os mais de mil recrutas, uns dez ou doze bons de xadrez para, após um torneio interno, fossem selecionados os dois melhores que representariam o Batalhão nos jogos.
Todos os soldados tinham conhecimento de que ser escolhido como atleta, fosse qual fosse a modalidade, era sinônimo de dois meses de "boa vida".
O atleta só tirava serviço leve, era paparicado e tinha o direito de tomar dois copões de toddy e traçar dois pães diariamente, ao invés do café com leite e um pão somente.
Dois toddys por dia era a glória total. Véspera do paraíso !
Foi aí que o Cabo 257 cometeu o seu grande erro. 
Com uns trezentos soldados em fileiras, sendo a maioria vinda das cidadezinhas ou roças próximas de Itajubá, o Cabo, ou melhor, o selecionador, subiu num banco e levantando um tabuleiro de xadrez na mão, gritou bem alto:
 -  Quem domina ?
Na expectativa de serem "atletas", uns 30 levantaram o braço. Todos foram relacionados e os trinta nomes entregues para o Major.
Ele, como recém-chegado à cidade, estranhou o elevado número de atletas. Comentou :
- Cidade universitária é outra coisa. Quando estive servindo em Pouso Alegre, continuou ele, não tinha ninguém no quartel, além de mim, que soubesse jogar xadrez.
A lambança estava feita. 
Berrou ele: amanhã as 9:00 horas, quero os trinta inscritos, em fila indiana, na porta do meu gabinete. Irei rapidamente testar um a um.
Dito e feito. Colocou uma mesinha no meio da sala e trovejou:
- Cabo 257 ! Avance com o primeiro candidato.
Era o 176 - Carmo, das redondezas de Pedralva. Bom e pacato sujeito. Entrou timidamente, bateu continência e acatando o aceno do Major, sentou-se à mesinha de jogo.
De cara, o Carmo estranhou as pedras enfeitadas. Nunca as tinha visto com tanta ostentação. Lá em Pedralva costumavam jogar até com tampinhas de garrafas.
O Major acionou o cronômetro e iniciou a partida.
Vez do Carmo: Deu uma pensada, coçou o queixo e saiu comendo tudo ! Lógico que ele achava que era jogo de dama.
O Major atônito, levantou-se e vendo o ar vitorioso do Carmo, juntou-o pelos colarinhos da farda e lançou o soldado literalmente porta a fora.
Os outros vinte e nove, se arrepiaram e perguntaram uníssono:
- O Carmo ganhou do Major ?
O Carmo se levantando e arrumando a farda, gritou para os colegas:
- O jogo é diferente. Não é permitido sair comendo as pedras.
Foi uma correria escada abaixo. Não ficou nenhum dos vinte e nove.
O Cabo 257 pagou o pato, pois segundo o Major, ele estaria tirando uma com a cara dele.
Gente: Dama é dama, xadrez é xadrez.

(vivereperigoso) 
ER

É DISCO QUE EU GOSTO


PROFESSOR