terça-feira, 30 de outubro de 2012

É DISCO QUE EU GOSTO

MOÇA BONITA

 
 
Ao mestre com carinho.

ER

SOB A LUZ DE VELAS

 
Sem amigos ninguém escolheria viver, mesmo que tivesse todos os outros bens.

Aristóteles

MARCOU ÉPOCA

 
Às vésperas de completar 47 anos, circulará amanhã pela última vez em São Paulo, o "Jornal da Tarde".
Marcou todos nós que começamos a trabalhar e viver na cidade no início dos anos 70. Era leitura diária e obrigatória.
Nosso primeiro carro, com certeza, foi comprado após consulta ao "Jornal do Carro", caderno que saia às quarta-feiras.
Foi marcante a cobertura que o "JT" deu a campanha das Diretas Já". Reportagens claras, charges e uma parte de esportes espetacular. 
A capa com o menino torcedor chorando a derrota da seleção brasileira para a Itália na Copa de 82, na Espanha, sensibilizou a cidade.
O "JT" chegou a ter uma circulação diária de 190.000 exemplares. Este ano tem circulação próxima de 37.000 exemplares.
O responsável maior pelo jornal (do Grupo Estadão) foi o jornalista Mino Carta, que com o tempo foi ficando estranho, estranho e hoje dirige a revista, praticamente governista, "Carta Capital".
Em Sampa, passarei por uma banca para comprá-lo pela última vez. 

ER



DEVER CÍVICO