terça-feira, 15 de maio de 2012

o que ensina este sábio senhor é comovente. Sr. Harold Schlumberg:
 
 
 
 
 



PRÁ PENSAR

A explosão dos preços dos imóveis em São Paulo, assim como em outras grandes cidades, está vinculada ao ataque especulativo,
Novos empreendimentos são comprados não por famílias que procuram, enfim, aproveitar o crescimento econômico e escapar dos aluguéis, mas por imobiliárias e especuladores. Seus interesses restringem-se a inflacionar o mercado fazendo, por exemplo, com que o preço médio dos imóveis na cidade tenha triplicado em quatro anos.
Como os imóveis são vistos acima de tudo, coo um tipo de investimento, o interesse maior consiste em criar situações de concentração de propriedade que facilite a "rentabilização" financeira.
Era de esperar que os governos transformassem o combate à especulação imobilíária em luta maior. No entanto, em vez de procurar defender seus cidadãos, o que vemos é uma associação incestuosa entre prefeituras e interesses do mercado.
Uma política realmente zelosa dos reais interesses dos cidadãos deveria começar por simplesmente impedir indivíduos e empresas de terem mais do que dois imóveis na mesma cidade.
Imóveis não são ativos de investimento, mas bem sociais. Não devem servir para que aqueles que que nada produzem façam mais dinheiro sem nada fazer. Antes, eles são um bem maior que o Estado deve garantir para a segurança das famílias.
É claro que alguns verão nisso um atentado à propriedade privada. Entretanto mesmo a Constituição brasileira não hipostasia o direito de propriedade, pois a submete à exigência dela preencher uma função social.
Limitar a concentração oligopolista da propriedade no setor imobiliário é a maneira mais eficaz de ampliar o direito dos cidadãos a um bem fundamental.
Com isso, parcelas majoritárias da população não precisariam mais presenciar o triste espetáculo de ver suas economias espoliadas para valorizar as fortunas dos mais ricos.
Vladimir Safatle

SOB A LUZ DE VELAS

A política é quase tão excitante como a guerra e não menos perigosa. Na guerra a pessoa só pode ser morta uma vez, mas na política diversas vezes.

Winston Churchill

RENOVANDO ASSINATURA

Ouvido hoje nas proximidades da Pça. Theodomiro Santiago:

- Ô cumpadre, li a transcrição do discurso do Collor ontem no Senado.

- Fiquei sabendo. O homem pirou de vez. A impressão que dá, é que uma banda do PT, com rabo preso, atiçou o homem contra a imprensa. Elle tem razão uai ! Cachorro mordido por cobra tem medo até de linguiça.

- Éh...mas em decorrência disso fui obrigado a tomar diversas providências.

- Desembucha homem !

- A primeira delas foi ligar para a "Veja" e de forma antecipada renovar minha assinatura por mais dois anos.

- Pois fez muito bem !

ER

É DISCO QUE EU GOSTO



You´re A Lady

Peter Skellern - e Brigitte Bardot

ER

PRÁ PENSAR !


Cite uma viva alma, entre as lideranças da cidade, que não esteja defendendo um interesse próprio. Ou seja, buscando cargos, negócios ou pior, armando vinganças. Procure com lanterna, contador geiger, leitor de barras, ou algum artefato próprio recém-desenvolvido. Não achará. Difícil.
É a vida...

ER

MOÇA BONITA

Julie

NÃO ME ENSINARAM NA EFEI

Mdig
Quando me formei (73) o uso da gravata nos escrItórios era quase obrigatório. Andei umas duas semanas com a mesma gravata e o mesmo nó. Quem me salvou e pacientemente me presenteou com uma "instrução de montagem", como a apresentada acima, foi o grande amigo e primeiro chefe, Paulo Noronha (também de São Gonçalo do Sapucai)

ER

CALADO POR CALADO...

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), aceitou nesta segunda-feira (14) o pedido de habeas corpus para que o bicheiro e empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira seja dispensado de depor na terça-feira (15) à CPI mista que investiga suas relações com políticos e empresários.
Blog: Preferiram que o Cachoeira ficasse calado na cadeia, ao invés de ficar calado na CPI. A pizza já foi para o forno. Está cheirando.

ER

AQUI ESTÁ PERIGOSO !


Segundo um dos participantes da reunião, o Projeto do Parque Tecnológico está empacado pela lerdeza do Codema. O Codema alega que aconteceram muitas mudanças no projeto e faltariam informações.
Depois dizem que é implicação dos que estão de fora.
Felizmente descobrimos uma maneira de dois empresários, ou duas entidades, ou dois políticos, avançarem na mesma direção aplicando esforços conjugados:
Critiquem os dois.
Dão uma olhadela para o céu, assobiarão e cerrarão fileiras de imediato, contra o irresponsável crítico.
Celebram uma precária paz, unidos pelo aparecimento de um novo adversário comum.
Tipo de parceria que dura pouco.Mas já é alguma coisa.
Na terrinha já não temos dois grupos separados, puxando cada um uma ponta da corda.
A corda há muito já se esfacelou.
Surgiram uma infinidade de pontas e em cada qual encontram-se atarracados uma infinidade de grupos e lamentavelmente cada um defendendo "o seu".
E as lideranças com condições de, em se preciso, socar a mesa, mandar alguns oportunistas plantar batata, redirecionar o barco e avançar ?
Desanimaram e se afastaram.
Tem uma coisa: Que tem gente levando ou preparando-se para levar vantagem, ou mesmo colocar em situação difícil um desafeto,isso tem !
Excesso de vaidade !
Caminhamos aceleradamente para o "o último que sair apague a luz".
ER

NOTÍCIA QUE GOSTARIA DE LER - 7

Bancos devolverão valor dos juros cobrados a mais nos últimos 5 anos.

Clarin da Boa Vista

REPRESANDO O CACHOEIRA