sexta-feira, 30 de março de 2012

SOB A LUZ DE VELAS

 
Pensa-se a partir do que se escreve e não o contrário.
 
Louis Aragon

PORQUE INCOMODA MAIS

Sinceramente não gosto nem de ler o noticiário sobre denúncias feitas acerca do quase ex-Senador Demóstenes Torres.
Durante certo tempo julguei ser uma das poucas vozes merecedoras de  crédito no Congresso. Se bem que em se tratando de políticos, a história nos obriga a sempre ficar com um pé atrás.
O goiano formou-se em Direito pela PUC - Goiás. É concursado do Ministério Público do Estado desde 1983. Foi Procurador do órgão e Secretário de Segurança Pública entre 1999 e 2002, no governo de Marconi Perillo.
Foi eleito Senador com 1.300.000 votos. Foi candidato ao governo de Goiás e desde o início de 2009 é presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado.
Foi considerado pela Revista Época um dos 100 brasileiros mais influentes do ano de 2009. Em março de 2011, assumiu a liderança da bancada do Democratas no Senado.
Hoje lemos que durante o tempo em que com seu conhecimento e posicionamento duro e destemido nos proporcionava ainda uma tênue confiança no Congresso, já mantinha um relacionamento constante com o atualmente preso, Carlinhos Cachoeira.
Como comentou certa vez um anônimo:
" Não me preocupam os escândalos nas manchetes. Preocupam-me os que ainda não foram noticiados."

ER

MOÇA BONITA

Patrícia Pillar

MUDANDO A TÁTICA

Ouvido ontem na Praça do Soldado, na terrinha:

- Ô cumpadre, recebi ontem o primeiro pedido de voto para vereador. Bom candidato. Aposentado. Homem sério. 
Conforme nós combinamos, coloquei prá ele as condições minha e da minha família: Pode contar conosco desde que assuma o compromisso de lutar pelo salário mínimo para os vereadores, inclusive publicando isso nos "santinhos" de campanha.

- E aí, o camarada topou ?

- Saiu de fininho. Disse que iria consultar o seu partido, etc. Amarrou o burro e foi-se embora.

- É... também fui procurado por um candidato também para a vereança, só que para a reeleição. Fiz a mesma exigência.

- E aí, no que deu ?

- Cara, o homem soltou os cachorros. Disse que quem trabalha de graça é relógio. Fez cara feia e meio que enrolando a voz me mandou enfiar o voto não sei onde.

-Eh...Não vai ser fácil não. Vamos insistir mais um pouco, se não der, a gente muda de tática.

ER

CARTAS QUE NÃO RECEBI

Itajubá, 30 de março de 2012

Prezado Zelador,

A internet cada vez se torna mais avassaladora.
Nunca jamais alguém (nem os criadores) conseguiu vislumbrar tal capacidade de envolvência.
Não conseguimos mais imaginar o planeta sem o Google e sem as redes sociais.
O facebook se tornou viciante. Aproxima e une pessoas. Provoca reencontros e o reacendimento de amizades esfriadas pelo tempo e distância.
Como escreveu Marshall McLuhan em 1960, agora o mundo se tornou realmente uma aldeia. 
Discordo quando criticam  as oportunidades concedidas em blogs para os anônimos.
No facebook, que não permite a manifestação anônima, críticas e ligeiras ironias, com certeza são postadas como "que bonitinhos", "linda", "como você mudou para melhor", "saudades" e "parabéns".
O bom entendedor consegue captar e imaginar.
Nos blogs, desde que não envolvam ofensas, os comentaristas anônimos se sentem à vontade.
Novidade ? Nenhuma.
Pessimistas, especialistas em muxoxos, conversadores de "pé de ouvido", conversadores através de janelas, com as mãos em conchas e os sempre "do contra", sempre existiram.
Hoje, a diferença está na linguagem escrita e no alcance maior.
Pessoas que pensam diferente (e bem diferente) do que acreditamos ser, justo, doce, idealista, belo e sincero, existem. Podem estar do nosso lado.
É dificultoso lidar com opiniões divergentes.

Saudações,

John Chair

É DISCO QUE EU GOSTO



Post do Alfredo Junta - Texto do seu amigo Dárcio Fragoso

Tomou o barco no dia 27/3/2012 a maior e melhor cantora brasileira de chorinho.

Ademilde Fonseca nasceu em 4/3/1921 em Macaíba RN. Com 20 anos mudou-se para o Rio de Janeiro e em 1942 começou a cantar em programas de calouros. Nesse mesmo ano durante uma festa, acompanhada pelo regional de Benedito Lacerda cantou o choro "Tico tico no fubá", de Zequinha de Abreu e letra de Eurico Barreiros. Benedito gostou tanto de sua interpretação que levou-a aos estúdios da Columbia, na época dirigida pelo famoso Braguinha, o João de Barro, que também adorou seu modo de cantar e programou seu primeiro disco: um 78 rpm com "Tico tico no fubá" e o samba "Voltei pro morro" de Benedito Lacerda e Darci de Oliveira. Foi a primeira vez que o choro de Zequinha de Abreu, composto em 1917, foi gravado com letra de Eurico Barreiros.
No mesmo ano gravou os sambas "Racionamento" de Humberto Teixeira, Caio Lemos e Lauro Borges e "Altiva América" de Esdras Falcão e Humberto Teixeira. No ano seguinte gravou os choros "Apanhei-te cavaquinho" de Ernesto Nazareth com letra de Darci de Oliveira e Benedito Lacerda e "Urubu Malandro", de motivo popular.
Desde então passou a ser considerada a "Rainha do Choro" pois era a única cantora que conseguia cantar acompanhando o ritmo rapidíssimo da maioria dos choros. Gravou centenas de discos e apresentou-se em todo o Brasil e no exterior.
Foi Ademilde quem conseguiu convencer os puristas do choro a aceitar choro cantado, pois até início dos anos 40, choro era gênero de música eminentemente instrumental.
Os choros que se tornaram mais conhecidos até hoje, são Carinhoso, Tico Tico no Fubá e Brasileirinho, pois além da beleza da melodia as letras também lindas ajudaram a divulgar as composições.
Em sua homenagem segue "Noites Cariocas", do Jacob do Bandolim e Hermínio Belo Carvalho 
Post do Alfredo Junta - Texto do seu amigo Dárcio Fragoso.

ER



CANTINHO DA SALA


A obra de Leonardo, a esquerda, e a descoberta no Museu do Prado


Ao te-los juntos, se notam mais as diferenças e as semelhanças. Assim, depois de analisar a Gioconda do Prado, que chegou a semana passada a Paris e a recém restaurada Santa Ana, o Louvre alterou a data da Mona Lisa original.
Até esta data,se considerava que Leonardo da Vinci havia pintado sua obra mais famosa entre 1503 e 1506. Agora o intervalo se amplia: O quadro pode ter sido pintado entre 1503 e 1519.
A modificação estabelecida pelo Louvre aparece no catálogo da exposição Santa Ana, a última obra de Leonardo da Vinci, que abriu suas portas ontem e que permite ver a cópia do Prado da Mona Lisa e a Santa Ana,depois de sua recente restauração.

El País

ER


VISITA MILAGROSA