domingo, 4 de março de 2012

SOB A LUZ DE VELAS


É à noite que é belo acreditar na Luz.

Edmond Rostand 

CANTINHO DA SALA

Washington Maguetas

MOÇA BONITA

NÃO SOMOS PROVÍNCIA

Sempre tive respeito pelos petistas locais. Sempre tive bom relacionamento com o Ulisses, Celinha, Paulino, Gama, Dr. Paulo Salomon e até já votei no Laudelino quando de sua eleição para Deputado Estadual.
São pessoas inteligentes e sabem que o PT, como os outros partidos, despinguelou de vez.
Não adianta buscar justificativas. Impossível.
Já está mais do que na hora, principalmente o Prof. Paulino, que está mais diretamente envolvido na questão, encarar de frente o "piso nacional dos professores".
A questão não pode ser resumida simplesmente a "caprichos do Anastasia".
Convém que todos leiam com atenção a declaração de outro gran-petista e governador do Rio Grande do Sul,Tarso Genro, que também não consegue pagar o merecido piso estabelecido (de forma federal) para o professorado. Disse ele:
"O Mercadante tem uma opinião totalmente furada sobre o pagamento do piso nacional aos professores da rede pública, que não tem respaldo na realidade jurídica do país e nem nas relações federativas. O Piso é um valor constante, atualizável pela inflação. Sou totalmente favorável ao piso do Fundeb, mas quem o instituiu deve repassar recursos a Estados e municipios para complementá-lo."

Voltando, lembrem-se que tudo começou, já no governo Lula, com Tarso Genro como Ministro da Educação e com aprovação do Congresso que tinha o Mercadante como líder do Governo.

O problema existe. Os professores tem o direito ao piso. Ficaria melhor para todos nós se o assunto não fosse tratado como num varejo, num oba-oba próprio para ludibriar os mais incautos.
Não dou a mínima pelota para o partido (já se esgotou), mas podemos esperar ainda muito das pessoas mencionadas.

ER

E AGORA JOSÉ ?

Jerome Walcke sapecando um beijo no Ricardo Teixeira 
As coisas simplesmente não estão funcionando no Brasil. As obras nos estádios estão atrasadas, faltam aeroportos, hotéis e até leis para a realização da Copa de 2014 no país. Temos de dar um empurrão, um chute no traseiro e entregar a Copa. É isso que faremos para que os organizadores se dêem conta de que precisam trabalhar. O grande problema que temos no Brasil é que quase nada avança.
Assim falou o secretário-geral da Fifa, Jèrome Valcke, que viajará ao Brasil na semana que vem para pressionar o Comitê Organizador a tomar ações urgentes.

Blog: O cara pode até ter razão, mas passou dos limites no palavreado.

ER


COALIZÃO FORTE