quinta-feira, 1 de março de 2012

SOB A LUZ DE VELAS


Quem é pequeno vê no maior apenas o que um pequeno é capaz de perceber.

Hermann Hesse

E AGORA PESSOAL ?

E agora Professor ? O homem é do Partido, é Ministro e Guru.
Como é que a gente fica ?

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, reconheceu hoje que o reajuste de 22,2% no piso nacional do magistério é elevado e que algumas prefeituras terão dificuldade com as novas folhas de pagamento. Ele fez um apelo a professores e gestores municipais para que busquem o entendimento e evitem paralisações.
“É preciso equilíbrio, responsabilidade. Os professores têm que ajudar para que isso seja absorvido e para que não haja retrocesso”.
O novo piso foi anunciado na segunda-feira elevou o salário dos professores de R$ 1.187 para R$ 1.451.
Alguns estados e municípios alegam dificuldade financeira para pagar o valor determinado.
Governadores reuniram-se ontem com o presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT-RS), e pediram a aprovação de um projeto de lei que altere o critério de correção do piso, que passaria a ser feito com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que mede a inflação.

Web

FRASE ABOBRINHA DO DIA

Não sei nem colocar minhoca em anzol.

Crivella, novo Ministro da Pesca, admitindo que terá que fazer um "intensivão".

ER

CANTINHO DA SALA

Leonid Afremov

TOMOU O BARCO


Tomou o barco hoje, de forma antecipada, o poeta, compositor, músico e cantor italiano, Lucio Dalla. O cantor, figura constante no "viver é perigoso", é o outor de Caruso, um dos maiores sucessos no planeta. Foi levado após um ataque cardíaco em Montreux, na Suíça.
Dalla iria completar 69 anos no próximo domingo.

ER


.

MOÇA BONITA

JÁ TÁ NO PONTO !

Os meninos antigos costumavam cutucar as frutas com a unhinha, para sentir se as frutas da estação já estavam no ponto. Segundo dizem na cidade, o Prefeito esteve ontem em Belo Horizonte para assinar o tal Projeto SOMMA. Empréstimo para calçar ruas, vindos dos cofres do BDMG.
Já vão para dois anos que se discute essa lenga-lenga.
A fruta ainda não estava boa.
Costuma ficar no ponto para ser apanhada é nos anos de eleições.
Já está boa, mais doce e pronta para ser colhida.
Sempre foi assim.
E  às vezes funciona.
Melhor: Como tem período de carência para pagar, quem poderá ser responsabilizado pela despesa será o outro que poderá vir depois.
É a vida...

ER

INTERNET RÁPIDA

Ouvido ontem no Ranchinho do Pastel de Milho na Boa Vista.

- O cumpadre, que discurseira é essa que esta acontecendo sobre a velocidade da internet na terrinha ?

- Conversa boba. Papo de criadores de caso.

- Ué ? Mas o pessoal tem direito. Esta preocupado. Ameaçam voltar aos tempos de cartas pelo correio.

- Pra que discutir antes ? Que esperem chegar a novidade na terrinha. Deixem os homens implantarem o sistema  e depois iremos ver se funciona ou nâo !

- Nao chegou então? Claro que não. Estão na fase de experiências. Isso vai longe. Deverá estar acessível lá pelas olímpiadas.

- Ah! Bom...

ER

OLHA O NÍVEL !

Deu no Brickmann

A condenação de um jornalista por insulto a um colega é algo que nos deve fazer pensar: da mesma forma que os comentaristas de matérias on-line, cabe-nos manter o nível mesmo nas discussões mais duras. As pessoas podem ter opiniões divergentes sem, por isso, serem compradas, safadas, ordinárias, vendidas. A luta para desmoralizar uma pessoa, ou colocá-la na cadeia, ou fazê-la perder o emprego, a menos que haja provas fortes de conduta inadequada, é algo indigno: é transferir a discussão do campo das ideias, dos argumentos, do texto, para o campo da polícia, que não é o nosso.
Já houve disputas ferozes na imprensa brasileira, disputas que envolveram duras acusações pessoais. Carlos Lacerda x Samuel Wainer, Wainer x Chateaubriand, Chateaubriand x Matarazzo, João Calmon x Roberto Marinho, Marinho x Lacerda, essas guerras pessoais marcaram a imprensa nos anos 50 e início dos anos 60. A consequência? Em 1964, todos perderam - alguns primeiro, outros mais tarde, alguns mais, outros menos. Até empresas que cresceram no regime militar o fizeram à custa de submeter-se a comandos mais altos que o de seus proprietários.
Divergir, discutir, usar termos duros, vá lá; mas é preciso lembrar-se de que o consumidor de informação está mais preocupado com os fatos que o atingem mais de perto. É sempre interessante acompanhar uma briga, mas termina cansando. E acaba-se gastando força, criatividade e verba que deveriam ser usadas na busca de boas notícias, importantes e bem apresentadas.

Brickmann

LEI GERAL DO COPO