sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

SOB A LUZ DE VELAS


Antes que eu discurse, tenho algo importante para dizer.

Groucho Marx

TOMOU O BARCO

Tomou o barco ontem, em São Paulo, aos 94 anos, o Sr. Abraham Kasinski, que trouxe para a terrinha uma unidade industrial da COFAP (hoje Mahle), onde produzem peças para a industria automobilística.
A empresa muito se envolveu com a comunidade Itajubense, tendo sido dirigida por muitos anos pelo Américo Brites.
Na mesma ocasião, abriram uma unidade industrial em Lavras e outra em Cambuí, para fabricação de outros itens.
O Sr. Kasinski nasceu na Argentina e no inicio dos 50 trabalhou com o pai numa loja de revenda de auto-pecas na capital paulista.
Em 1997, vendeu para a Mahle a sua participação na COFAP.
Em 1999 fundou em Manaus a Kasinski, fabricando motos em parceria com a sul-coreana Hyosung.
Em 2009 a empresa foi adquirida pela chinesa CR Zongshen.
Todos nós reconhecemos o quanto a Cofap e depois Mahle tem sido importante para nossa cidade.

ER 

MOÇA BONITA

FOTOGRAFIA PREMIADA

O fotógrafo espanhol Samuel Aranda ganhou o premio World Press Photo de 2011, com uma imagem das revoltas do Yemen publicada no The New York Times. Foi tomada na capital, Sana, no dia 15 de outubro do ano passado. Mostra uma mulher coberta com um véu tradicional, consolando um familiar ferido.
O World Press Photo é o prêmio mais importante do mundo em seu genero e celebra os seus 55 anos. Na edição deste ano, concorreram mais de 100.000 fotos captadas por 5.247 profissionais de 124 países.
Samuel Aranda nasceu em 1979 em Barcelona. Já trabalhou para o El País, para a France-Press, La Vanguardia e The New York Times.
Aranda, receberá 10.000 euros, uma câmara Canon e um lote de lentes. A cerimônia de premiação será no dia 21 de abril em Amsterdã.

Deu no El País

É DISCO QUE EU GOSTO



EU QUERO VOLTAR PARA A BAHIA

Seria o momento ideal ?

ER

CARTAS QUE NÃO RECEBI

São Bernardo, fevereiro de 2012

Prezado Camarada,

Gostaria, antes de mais nada, registrar que oficialmente continuo filiado ao partido. Entenda que não é fácil mudar de um ano para o outro.
Tenho promovido infindáveis reuniões coletivas comigo mesmo, em frente a espelhos.
Cheguei a conclusão que o poder suga os ideais. Corrompe. Engorda. Acomoda. Distancia.
Esgotaram todos os meus argumentos em defesa do indefensável.
Posso ser um apaixonado, mas burro não sou.
Como numa guerra, a cúpula participa como pilotos de bombardeios. Lutam, mas não fitam os inimigos.
Nós, meros "companheiros", lutamos na infantaria com baioneta calada.
Corpo a corpo.
Sempre encaramos com firmeza os olhares desafiantes dos nossos adversários. Sentiamos prazer em empunhar e desfraldar o pavilhão vermelho.
Ficou difícil.
Passamos a nos defrontar com meio-sorrisos de ironia e até mesmo de pena.
Para nós militantes de primeira hora, ficou clara a expressão "canoa furada".
O que fazer ? Como agir ?
Abandonar o barco ? Tentar esvaziá-lo com um dedal ? Remar buscando as margens tal como um  "Costa Concordia"
Devagarinho estamos nos transformando num PTB dos anos 50.
Penso em me posicionar, do mesmo que muitos companheiros da terrinha, com um franco atirador, metido a democrata socialista de centro-esquerda, desatrelado de siglas que mais nada dizem, ou melhor, que dizem quase tudo.

Abraço

Engenheiro

ENCONTROS IMPOSSÍVEIS

Madre Teresa e Gandhi

AQUELE ABRAÇO !

O ARTISTA

Post da Bah:

Meu favorito ao Oscar. Vale a pena assistir.
O ARTISTA ( The Artist ) "Na Hollywood dos anos 20, George Valentin (Jean Dujardin) é uma das maiores estrelas do cinema mudo, participando de dezenas de aventuras ao lado de seu cão da raça Jack Russel Terrier. Inveja de muitos homens, ele lentamente começa a se defrontar com o ostracismo após a invenção e chegada do cinema falado, que tem um desastroso efeito na vida do astro. Enquanto sua amiga Peppy Miller ganha notoriedade com essas mudanças, Valentin é cada vez mais relegado ao esquecimento". Ainda não vi alguns dos outros concorrentes, mas na minha leiga opinião, Jean Dujardin merece ser o vencedor do Oscar. Interpretação magnífica.

Bah