quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

SOB A LUZ DE VELAS


É relativamente fácil suportar a injustiça. O mais difícil é suportar a justiça.

 Henry Mencken

É DISCO QUE EU GOSTO



O americano de Dallas, Trinidad Lopez III, simplesmente Trini Lopez (de 1937) toca guitarra e canta desde os 15 anos de idade. Tocava em uma boate chamada Cipango. Alcançou sucesso mundial na década de 60.
Trabalhou também no cinema (lembram-se de "Os doze condenados" com Telly Savalas ?).

ER

PHOTOGRAPHIA NA PAREDE

Jide Alakija - Nigéria

A COISA ESTÁ BRABA

Deu na Folha:

Ministro do Supremo beneficiou a si próprio ao paralisar inspeção

O ministro Ricardo Lewandowski, do STF (Supremo Tribunal Federal), está entre os magistrados que receberam pagamentos investigados pela corregedoria do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) no Tribunal de Justiça de São Paulo, onde ele foi desembargador antes de ir para o STF.

- Segundo nosso Código de Processo Civil, um magistrado deve se declarar suspeito para julgar um caso quando:

- ele é amigo íntimo ou inimigo capital de qualquer das partes;

- uma das partes é credora ou devedora do magistrado, de seu cônjuge ou de parentes destes, em linha reta ou na colateral até o terceiro grau (tio e sobrinho);

- ele é herdeiro presuntivo, donatário ou empregador de alguma das partes;

- ele receber dádivas antes ou depois de iniciado o processo; aconselhar alguma das partes acerca do objeto da causa, ou subministrar meios para atender às despesas do litígio;

- ele for interessado no julgamento da causa em favor de uma das partes;

- por motivo de foro íntimo.

Folha

QUEDA PARA A DIREITA

Não existe coisa pior que carrinhos de supermercado, com tendências teimosas de puxar para determinado lado. Encarei, ou melhor, tentei pilotar um desses hoje no Alvoradão. Briguei com o veículo durante todo o tempo. A saída foi empurrá-lo meio de lado.  
E o pior: a queda era para a direita.

ER

MOÇA BONITA

Super Audrey

EU TE AMO MEU BRASIL

Trecho escrito por Hugo Gomes de Almeida para a Tribuna da Imprensa

"O concurso público é o instituto jurídico mais revolucionário do direito brasileiro. Coroa o mérito intelectual e dá oportunidade a pessoas titularizarem cargos sem que precisem manifestar reverência a poderosos do dia, podendo exercitar, no exercício das funções, a independência funcional e o reto senso de justiça.
O enfrentamento do concurso público obriga os pleiteantes de cargos na área jurídica a que adquiram, mediante acurados estudos, uma visão sistêmica das disciplinas do Direito. Esse fato se afigura induvidosamente salutar.
Em pleno século XXI, ainda há práticas desajustadas clamando por remoção. A principal delas é a metodologia com que se conseguem as promoções por merecimento, tanto no Ministério Público quanto na Judicatura.
Não há critérios objetivos para aquilatar-se merecimento. O pleiteante precisa sair pedindo, dir-se-ia mendigando proteção de políticos ou de membros da própria instituição. Os vitoriosos nessas caminhadas sem descortino além, de na maioria, serem os menos dotados de merecimentos, tornam-se devedores a quantos venham favorecê-los! No decurso do tempo, o favorecimento será cobrado acrescido de gravames!

Marco Aurélio Mello ocupou todos os cargos jurídicos, beneficiário de protecionismos. Não há registro de que se tenha submetido a um só concurso público. A primeira benesse com que o mimosearam foi a nomeação para o cargo inicial do Ministério Público do Trabalho.
Daí, pelo artifício do quinto constitucional, alçou-se a juiz do Tribunal do Trabalho do Rio de Janeiro, atualmente sob a pomposa nomenclatura de Desembargador Federal do Trabalho. Por análoga mecânica, tornou-se ministro do Superior Tribunal do Trabalho. Guindou-se ao Supremo Tribunal Federal por meio de favorecimento familiar do conhecimento de todos."

Hugo Gomes de Almeida


NÃO É COMIGO