segunda-feira, 19 de setembro de 2011

SOB A LUZ DE VELAS

Assustem-se, riam e também não impeçam o rolar de furtivas lágrimas. Não se esqueçam  que estamos apenas no meio do filme. Muita coisa ainda irá acontecer.
Estou certo porém: o final será feliz.

José Tipica

MUITO ESTRANHO

Não precisamos analisar pesquisas. Todos têm plena consciência disso. Até eles próprios concordam quando de suas manifestações.
A classe mais criticada, mais desprezada, mais odiada, mais insultada, mais sem credibilidade no país é a dos políticos. Políticos em todos os níveis e cargos.
Estamos errados na generalização.
No fundo, a política é uma atividade nobre.
Existem políticos honrados e bem intencionados. Parecem que são poucos, mas existem.  
Estranho: Aqui no interior encontramos diariamente com políticos, nas ruas, no supermercado, nas feiras e na igrejas.
De perto todos parecem bons. Dirigem cumprimentos, trocam idéias e sorrisos. São maridos, são pais, são filhos, são médicos, engenheiros, comerciantes, advogados e professores.
Enfim, gente como a gente.
Uma coisa porem é certa: Nenhum deles escapa de um grave pecado. 
Em algum momento assumiram compromissos que deixaram ou estão deixando de serem cumpridos. 
Os políticos do mal, que nos causam tristeza e indignação, atuam longe. Tomamos conhecimento das suas faltas pela televisão, jornais e pelo rádio.
Será que a proximidade transforma todos em bons ? Ou estaríamos usando binóculos ?

José Tipica

IMAGEM DO PAÍS

Los cariocas son enormemente creativos. Lo han podido comprobar las centenares de personas que, como cada mañana, han paseado hoy por la playa de Copacabana, en Río de Janeiro. Se han encontrado con 594 escobas de color verde (que representan a los 513 diputados y 81 senadores brasileños) que habían sido plantadas en la arena durante la noche como parte de una campaña contra la corrupción política que patrocina el Movimiento de Indignados brasileño.

El Pais (hoje)

PHOTOGRAPHIA NA PAREDE

Willie Nelson

PARTICULARIDADES MINEIRAS

Um estudo elaborado pelo Instituto de Pesquisa Tabulare, de Ipatinga, recrudesce a polêmica sobre o dispêndio dos legislativos municipais. Com base em dados do Tesouro Nacional, o levantamento mostra que, para se manterem, as câmaras mineiras consumiram cerca de R$ 800 milhões em 2010, um valor quase quatro vezes superior aos R$ 212 milhões que os municípios investiram no mesmo período em assistência à criança e ao idoso.
Segundo o levantamento do Tabulare, as câmaras municipais mineiras custaram, em média, em 2010, R$ 40,8 para cada habitante do Estado. O valor fica bem acima do que cada brasileiro gasta, em média, por ano, para manter a Câmara dos Deputados (R$ 18,14), ou o Senado (R$ 14,35).
O estudo feito pelo Tabulare em orçamentos das câmaras mineiras também mostra que os moradores de cidades pequenas são os que mais gastam para manter os legislativos funcionando.
Como não têm renda própria, as prefeituras são as responsáveis pelo pagamento de despesas das câmaras municipais.

Deu no Hoje Em Dia

É ASSIM QUE FUNCIONAVA

Estacionei o carro ontem, por alguns minutos, próximo a imponente escritório regional (atendimento aos eleitores) do PT, ou mais preciso, dos Deputados Ulisses e Odair Cunha. Ficou imponente e mostrou bom gosto.

Fez lembrar um fato que aconteceu na década de 50, numa cidadezinha mineira.
Empolgado, um inexperiente político, logo após eleito, montou um belo escritório na praça principal da sua cidade.
De imediato, um adversário, matreiro político local, também dotado de espírito gozador, passou a seguinte instrução para  a sua rede de fiéis cabos eleitorais espalhados pelos diversos bairros do lugarejo:
- "Discretamente deixem escapar para o povo que todos os possíveis problemas que os afligem, poderão ser resolvidos de imediato no plenarinho (nome dado ao escritório político)."
Antecipação de exames médicos - 
Pagamento de contas de luz, água, telefone e IPTU.
Indicação para empregos
Cancelamento de multas de trânsito
Indicação para empregos
Vagas nas escolas
Passagens de ônibus
Ajuda para casamentos, batizados e aniversários
Ingressos grátis para shows
Remédios em geral
Aceleração de nomeações
Cesta básica emergencial
Passes para transporte
Vale emergência

Com toda a certeza, esse proceder não era o objetivo do escritório.
Mas ao dar a "dica", os cabos eleitorais insinuavam que conheceriam alguém que já teria sido atendido. 
No caso de dificuldades em obter sucesso, o macête seria insistir mais e se for o caso, dar uma ligeira peitada cívica.
Como a maioria absoluta não foi atendida, felizes é que não voltavam para casa.

Coincidentemente o político nunca mais foi eleito.

Mas isso é coisa do passado.

ER   

DEIXANDO PEGADAS OU DIGITAIS

Deu no Estado de Minas

Com base em dados do Orçamento Brasil 2010, o Estado de Minas apurou que boa parte das emendas apresentadas pelos 513 deputados naquele ano foi destinada a estados onde eles não são votados.
A manobra, como mostrou reportagem na edição de ontem, serve para esconder os verdadeiros interesses dos parlamentares, que são o financiamento de partidos e de campanhas eleitorais, tráfico de influência e ainda reforço para caixas de entidades não governamentais sob suspeita.
Conforme dados do Orçamento Brasil 2010, 74 parlamentares destinaram 165 emendas no valor total de R$ 136,3 milhões para estados em que não são votados.
Os cofres mais atacados são os do Ministério do Turismo, da Ciência e Tecnologia e da Fundação de Amparo ao Trabalhador, vinculada ao Ministério do Trabalho.
Dois secretários da Câmara estão entre parlamentares que destinam emendas para ONGs.
É fácil compreender o toma lá dá cá quando se conhecem os números da farra.
Em 2010, ano eleitoral, Filipe Pereira enviou uma emenda no valor de R$ 3 milhões para a fundação Instituto Pedro Aleixo, com sede na Rua Pouso Alegre, Bairro Floresta, Zona Leste da capital mineira, onde nasceu o partido. Como retribuição, Pereira contou com apoio irrestrito do PSC, que foi o principal patrocinador da campanha do parlamentar carioca, com o investimento de R$ 3,205 milhões, valor que corresponde a 95% de todas as doações recebidas por ele. Na verdade, os valores revelam um salto significativo no volume de recursos da campanha de Pereira. 
O Estado de Minas tentou falar com representantes da fundação, mas na sede do PSC, que funciona ao lado da entidade, a informação era de que não havia funcionários.
Acostumado a aportar recursos em terras mais distantes, o deputado Filipe Pereira também investiu em uma organização não governamental de Brasília, a Plural Brasil, que promove eventos para a divulgação do turismo interno.
E por falar em excelência em turismo, o deputado federal Aelton Freitas (PR-MG) também inovou e prestigiou o seu estado de forma inusitada. Apresentou emenda no valor de R$ 2,5 milhões destinada à ONG Centro de Capacitação, Treinamento e Cultura Terra Verde, com sede em Belo Horizonte. O curioso, no entanto, é que a entidade recebeu o dinheiro para “alavancar a indústria da cultura para a comemoração dos 50 anos da cidade de Brasília”, a 748 quilômetros da capital mineira.
Difícil é encontrar a sede da Terra Verde em Belo Horizonte.
Ela deveria funcionar em uma casa na Rua Machado, 207, no Bairro Floresta. Uma placa na casa, no entanto, indica simplesmente outro endereço, sem mencionar o que funcionava ali. Do novo local, um escritório de contabilidade, a equipe de reportagem do EM foi expulsa sem maiores informações
 
Estado de Minas

ALÔ MUNDO, LÁ VOU EU !

ER

NOVA ATRAÇÃO

Anunciado a estréia do Programa " Nilda Bitencourt entrevista o Dr. Rogério - Unimed" no dia 10 de outubro na Futura FM (11:30 horas). Esse muito ouvido programa, durante muitos e muitos anos esteve na Rádio Jovem FM.
Essas mudanças constumam não ser tranquilas. 
Como curiosidade:
A dupla, entrevistado e entrevistador, representam localmente o Dep. Dimas Fabiano  na terrinha.
O pessoal da Futura FM é ligado ao Dep. Bilaquinho (outra corrente, outro partido). Poderemos estar presenciando uma interessante união de forças.
Faz todo o sentido.

ER

ESTUDANTES NO ABC