segunda-feira, 22 de agosto de 2011

MOÇA BONITA

Jéssica Lange

A POLÍTICA COM ELA É

Trechos do Reynaldo Azevedo

Luiz Inácio da Silva liquidou a candidatura de Marta Suplicy (PT-SP) à Prefeitura de São Paulo assim como quem esmaga um piolho ou se livra de um cisco na roupa. É visível que ela não tem disposição nem subjetiva nem objetiva de enfrentar o “coroné”, o dono do partido.

Lula quer Fernando Haddad disputando o cargo. Vai ser o nome do partido na base do dedaço. Será porque Lula quer e ponto final.

A situação de Marta, que já era muito difícil tendo Lula como adversário interno, piorou muito depois que Mário Moyses, seu braço-direito, foi preso pela Operação Voucher, da Polícia Federal. No petismo, acham que a candidatura foi ferida de morte. Não que sua vida fosse ser muito fácil caso decidisse enfrentar o Babalorixá de Banânia. Agora, dá-se internamente a situação por liquidada.

Reynaldo Azevedo



CARTAS QUE NÃO RECEBI

São Paulo, 22 de agosto de 2011

Camarada,

Conforme sugerido nossa equipe de pesquisa e análise política esteve na terrinha no decorrer da última semana.

Pesquisas, entrevistas e o acompanhamento diário da mídia local nos colocaram em condições (em caráter preliminar) de traçar um perfil político da sua cidade.

De imediato podemos afirmar: estamos diante de uma das mais ardilosas e inteligentes campanhas políticas já acompanhadas pelo nosso Instituto.

Tudo azeitadamente organizado para consolidar a imagem do atual administrador, como vítima implacável da sanha dos políticos que se encontram afastados do poder pela vontade do povo humilde e trabalhador.

Quanto mais alto denunciam e esbravejam os adversários, todos membros da elite, mais baixo, quase beirando o sussurro (levando alguns às lágrimas) e exalando humildade, se defende o atual administrador, através dos sons fanhosos da emissora AM.

A Câmara está dominada (apenas uma longíqua voz clama no deserto), encontra-se juridicamente muito bem estruturado e continua semanalmente passando pelos potes de água benta, contando também com toda a sorte do mundo ao seu lado.

Ninguém saliente na equipe (os que tentaram carreira solo, foram abatidos em pleno voo), adversários divididos, aliados atônitos (vide o PT) e estratégias sherloquianas.

Pisaram na bola com o caso dos remédios ? Nenhum problema. Um aliado fiel provoca um mini-escândalo portando armamento ilegal e todas as atenções são desviadas.

Muito silêncio ? Mudem a preferencial de um importante cruzamento de ruas. protestos? desmude. Ficará a imagem de uma concessão.

Novas obras ? Duas ou três lombadas eletrônicas, pedra fundamental no Parque Municipal, muros de arrimo diversos e ah! shows, muitos shows.

Na situação de hoje a administrador está como massa de bolo. Quanto mais batem, mais cresce. Até férias está tirando, com certeza para coincidir com as vacâncias no hemisfério norte, afinal, o Obama e o Sarkozi também estão descansando.

Não será de todo ruim deixar o caxambuense petista se envolver e enroscar um pouco com o dia a dia, assumindo compromissos e selando promessas que jamais serão cumpridas.

Camarada, avise o pessoal da sua terrinha, que caso não surja nenhum fato novo excepcional, podem começar a pensar  nas eleições municipais de 2016.

Armando Lero 

Instituto Brasileiro de Estratégia e Marketing Político     

CLASSE AAA

Deu na Folha:

Os muito muito ricos escapam dos critérios de classificação de renda usados por institutos de pesquisas. Para suprir essa carência, publicitários, marqueteiros e pesquisadores inventaram uma nova categoria, bem acima da tradicional classificação de classes A, B, C, D e E: a classe AAA.
Têm pelo menos dois carros importados na garagem, casa na praia ou no campo e renda individual acima de R$ 50 mil.
Segundo os especialistas, a classe AAA tem um caráter emergente: bolso de classe A e a cabeça da classe C. Gosta de cores primárias, Ferrari amarela. São essas pessoas que movem hoje o mercado de luxo.

Blog: Começam a surgir na terrinha os primeiros sócios da classe AAA. Ainda demonstram certa timidez.

ER

DE PAI PARA FILHO (EM MINAS)

Deu no Estado de Minas

Crédito pessoal a juros de 1,57% ao mês. A proposta, tentadora, é para poucos. Especificamente para os 77 deputados estaduais e 154 aposentados e pensionistas do Instituto de Previdência do Legislativo de Minas Gerais (Iplemg). E o financiamento “de pai para filho” é custeado com dinheiro público – maior fonte de arrecadação da entidade. A mesma operação no mercado custa ao cidadão comum uma média de 4,67% de juros ao mês, segundo dados de julho da Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac) – três vezes superior ao índice praticado pelo Iplemg. Se o aperto financeiro é grande e a única alternativa é fugir de entidades oficiais, esse mesmo cidadão vai pagar 10% de juros para um agiota.
Atualmente, 30 deputados recorreram ao benefício “camarada” e devem cerca de R$ 5 milhões. Nos corredores da Assembleia, os rumores são de que os deputados tiveram de apelar ao Iplemg para pagar dívidas da campanha do ano passado. Somados o valor emprestado e os juros cobrados, os deputados podem despender até R$ 384.813,12 em quatro anos para o instituto. Isso porque o valor emprestado pode ser dividido em 48 meses – período equivalente ao mandato na Assembleia Legislativa – e a prestação mensal tem um teto de 40% do valor bruto do salário. Os deputados recebem hoje R$ 20.042,35, 75% do que é pago ao parlamentares em Brasília. Ou seja, cada parcela pode chegar a R$ 8.016,94
 
Estado de Minas
 
Blog: Com certeza o nosso Deputado está fora dessa.
 
ER

MÁQUINA DO TEMPO

ÚNICA DIFERENÇA

CORRENDO PELA VIDA

Aconteceu ontem em São Paulo, debaixo de chuva fina e muito frio, a Corrida 10 kms  do Hospital A.C Camargo, com o pessoal  de Itajubá marcando presença sob o estímulo e orientação da Personal Trainer Vanessa Furstemberger.
O zelador, talvez por excesso de velocidade, não foi capturado pela câmera fotográfica. 

ER