quarta-feira, 27 de julho de 2011

SOB A LUZ DE VELAS

A parte perguntou para a parte qual delas
é menos parte da parte que se descarte.
Pois pasmem: a parte respondeu para a parte
que a parte que é mais — ou menos — parte
é aquela que se reparte.

Cacaso

ELE ESTÁ PRESENTE

Post do Walter Bianchi

Não é uma questão de ser chique ou não, é simplesmente uma questão de fé.
Veja o que disse o jornalista Marcos Losekann, no programa do Jô. “Eu tenho uma explicação simples para comprovar a existência de Deus. Eu tenho. Veja você: a gente acredita em tudo que é possível, e em tudo que é impossível. A gente acredita em universo, que continua se expandindo; a gente acredita em galáxias que não se sabe onde começam, onde terminam; a gente acredita em via-láctea; a gente acredita em coisas inimagináveis, só em Deus a gente prefere não acreditar. Só Deus não existe. Só o maestro pra reger tudo isso não existe. O resto todo existe. Então acho tão simples acreditar em Deus… É tão natural que exista alguma coisa que controle isso tudo. (…) As pessoas acham démodé acreditar. Há um patrulhamento ideológico em acreditar. Jornalistas, via de regra, não podem acreditar. Por que não? Eu acredito. E eu tenho o telefone Dele, falo com Ele direto, tranquilo.” E ele tem razão. Para algumas pessoas é um tanto constrangedor acreditar em Deus. Principalmente no meio intelectual. Tem gente que acredita, mas fica com vergonha de assumir ou simplesmente de usar expressões comuns aos cristãos como “com fé em Deus” ou “graças a Deus”. Acho que em tempos assim, em que as demonstrações de fé e sentimento estão cada vez mais em baixa, depoimentos como esse de Marcos Losekann são importantíssimos e merecem ser destacados.
E porque não dizer:é chique!

Walter Bianchi

PEDALANDO

CHIQUE É CRER EM DEUS

Por Glória Kalil

Nunca o termo “chique” foi tão usado para qualificar pessoas como nos dias de hoje.
A verdade é que ninguém é chique por decreto. E algumas boas coisas da vida, infelizmente, não estão à venda. Elegância é uma delas.
Assim, para ser chique é preciso muito mais que um guarda-roupa ou closet recheado de grifes famosas e importadas.
Muito mais que um belo carro Italiano.
O que faz uma pessoa chique, não é o que essa pessoa tem, mas a forma como ela se comporta perante a vida.
Chique mesmo é quem fala baixo.
Quem não procura chamar atenção com suas risadas muito altas, nem por seus imensos decotes e nem precisa contar vantagens, mesmo quando estas são verdadeiras.
Chique é atrair, mesmo sem querer, todos os olhares, porque se tem brilho próprio.
Chique mesmo é ser discreto, não fazer perguntas ou insinuações inoportunas, nem procurar saber o que não é da sua conta.
É evitar se deixar levar pela mania nacional de jogar lixo na rua.
Chique mesmo é dar bom dia ao porteiro do seu prédio e às pessoas que estão no elevador.
É lembrar-se do aniversário dos amigos.
Chique mesmo é não se exceder jamais!
Nem na bebida, nem na comida, nem na maneira de se vestir.
Chique mesmo é olhar nos olhos do seu interlocutor.
É “desligar o radar”, o telefone, quando estiver sentado à mesa do restaurante, prestar verdadeira atenção a sua companhia.
Chique mesmo é honrar a sua palavra, ser grato a quem o ajuda, correto com quem você se relaciona e honesto nos seus negócios.
Chique mesmo é não fazer a menor questão de aparecer, ainda que você seja o homenageado da noite!
Mas, para ser chique, chique mesmo, você tem, antes de tudo, de se lembrar sempre de o quão breve é a vida e de que, ao final e ao cabo, vamos todos terminar da mesma maneira, mortos sem levar nada material deste mundo.
Portanto, não gaste sua energia com o que não tem valor, não desperdice as pessoas interessantes com quem se encontrar e não aceite, em hipótese alguma, fazer qualquer coisa que não lhe faça bem, que não seja correta.
Lembre-se: o diabo parece chique, mas o inferno não tem qualquer glamour!
Porque, no final das contas, chique mesmo é Crer em Deus!

Glória Kalil



ESTÁ TUDO DOMINADO


Brasil com Miséria (Folha)

O Maranhão ainda é o Estado que tem maior parcela da população vivendo com até R$ 70 mensais. É 1,7 milhão, de acordo com o último Censo, o que representa 25% dos 6,5 milhões de maranhenses.
A pobreza é evidenciada pela infraestrutura deficiente. O esgotamento sanitário, por exemplo, cobre só 12% dos domicílios e a coleta de lixo alcança só 25% deles.
A atual governadora é Roseana Sarney (PMDB), filha do presidente do Senado, José Sarney (PMDB). Ela está em sua quarta gestão no Estado, que também foi governado pelo próprio Sarney de 1966 a 1971. Os governadores seguintes foram eleitos com seu apoio, à exceção de Nunes Freire (1975-1979).

Acusado de comandar a política no Estado, Sarney afirma não ter mais influência. A atual governadora diz que está investindo em infraestrutura para desenvolver o Maranhão.

Dados de 2009 do IBGE mostram que 45% dos trabalhadores maranhenses são informais ou não têm a carteira de trabalho assinada.

Dos 20 municípios com menor renda média do Brasil, 14 são maranhenses. No Estado, o rendimento médio mensal domiciliar, por pessoa, é de R$ 404,99, o menor do Brasil.

Folha



BATATADAS À GRANEL

Quem fala o quer ouve o que não quer !

Deu na WebMinas

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi comparado aos generais da ditadura militar (1964-1985) e ao também ex-presidente Fernando Collor de Mello em evento voltado para o mercado imobiliário na noite desta segunda-feira, em São Paulo. Lula recebeu o título de personalidade do ano da revista Vida Imobiliária em uma cerimônia realizada no tradicional Clube Monte Líbano, devido à criação do programa Minha Casa Minha Vida. Ele rejeitou as comparações.
O presidente do conselho editorial da revista e empresário do setor imobiliário, Romeu Chap Chap , fez um longo discurso no qual comparou Lula a Collor e aos generais. Segundo Chap Chap, seria impossível Lula ter feito o Minha Casa Minha Vida se não fossem os militares, que criaram o BNH, no anos 70, e Collor, que promoveu a abertura da economia.
Chap Chap se referiu à ditadura como “o ainda criticado regime militar” e classificou a abertura econômica promovida por Collor como um “gesto de heroísmo”.
Lula ainda viu o empresário pedir uma salva da palmas especial para seus antecessores Fernando Henrique Cardoso e Itamar Franco, pela estabilização da economia que também teria sido fundamental para o sucesso de seu governo. O petista aplaudiu FHC. Além disso, Lula foi comparado ao francês Charles De Gaule, considerado um dos maiores estadistas do século 20.
Chap Chap admitiu que boa parte dos empresários do mercado imobiliário “não é petista” e nem sequer votou em Lula nas eleições de 2002 e 2006. “Quando Lula disse que faria um milhão de casas e criaria 10 milhões de empregos pensamos que era só uma promessa demagógica de campanha”, disse Chap Chap.
Ao receber o prêmio, Lula lembrou que nunca o setor imobiliário ganhou tanto dinheiro. “Quem não é competitivo que trate de se estabelecer”, disse. O ex-presidente também aproveitou para, de forma sutil, se desvencilhar das comparações. “Não tem o que inventar, Temos que fazer o óbvio. Estamos fazendo agora o que poderia ter sido feito há 30 anos”, disse. O evento, que custou R$ 250 mil, tem entre seus patrocinadores a Caixa Econômica Federal.

WebMinas



É DISCO QUE EU GOSTO



Amy tomou o barco, ficou a Duffy. Mercy

ER

DANDO UMA BICUDA NO JEITO DE VIVER

Post via email do Walter Bianchi

Como a classe média alta brasileira é escrava do “alto padrão” dos supérfluos - Adriana Setti

No ano passado, meus pais (profissionais ultra-bem-sucedidos que decidiram reduzir o ritmo em tempo de aproveitar a vida com alegria e saúde) tomaram uma decisão surpreendente para um casal – muito enxuto, diga-se – de mais de 60 anos: alugaram o apartamento em um bairro nobre de São Paulo a um parente, enfiaram algumas peças de roupa na mala e embarcaram para Barcelona, onde meu irmão e eu moramos, para uma espécie de ano sabático.
Aqui na capital catalã, os dois alugaram um apartamento agradabilíssimo no bairro modernista do Eixample (mas com um terço do tamanho e um vigésimo do conforto do de São Paulo), com direito a limpeza de apenas algumas horas, uma vez por semana. Como nunca cozinharam para si mesmos, saíam todos os dias para almoçar e/ou jantar.
Com tempo de sobra, devoraram o calendário cultural da cidade: shows, peças de teatro, cinema e ópera quase diariamente. Também viajaram um pouco pela Espanha e a Europa. E tudo isso, muitas vezes, na companhia de filhos, genro, nora e amigos, a quem proporcionaram incontáveis jantares regados a vinhos. Com o passar de alguns meses, meus pais fizeram uma constatação que beirava o inacreditável: estavam gastando muito menos mensalmente para viver aqui do que gastavam no Brasil. Sendo que em São Paulo saíam para comer fora ou para algum programa cultural só de vez em quando (por causa do trânsito, dos problemas de segurança, etc), moravam em apartamento próprio e quase nunca viajavam.
Milagre? Não. O que acontece é que, ao contrário do que fazem a maioria dos pais, eles resolveram experimentar o modelo de vida dos filhos em benefício próprio. “Quero uma vida mais simples como a sua”, me disse um dia a minha mãe. Isso, nesse caso, significou deixar de lado o altíssimo padrão de vida de classe média alta paulistana para adotar, como “estagiários”, o padrão de vida – mais austero e justo – da classe média europeia, da qual eu e meu irmão fazemos parte hoje em dia (eu há dez anos e ele, quatro). O dinheiro que “sobrou” aplicaram em coisas prazerosas e gratificantes.
Do outro lado do Atlântico, a coisa é bem diferente. A classe média europeia não está acostumada com a moleza. Toda pessoa normal que se preze esfria a barriga no tanque e a esquenta no fogão, caminha até a padaria para comprar o seu próprio pão e enche o tanque de gasolina com as próprias mãos. É o preço que se paga por conviver com algo totalmente desconhecido no nosso país: a ausência do absurdo abismo social e, portanto, da mão de obra barata e disponível para qualquer necessidade do dia a dia.
Traduzindo essa teoria na experiência vivida por meus pais, eles reaprenderam (uma vez que nenhum deles vem de família rica, muito pelo contrário) a dar uma limpada na casa nos intervalos do dia da faxina, a usar o transporte público e as próprias pernas, a lavar a própria roupa, a não ter carro (e manobrista, e garagem, e seguro), enfim, a levar uma vida mais “sustentável”. Não doeu nada.
Uma vez de volta ao Brasil, eles simplificaram a estrutura que os cercava, cortaram uma lista enorme de itens supérfluos, reduziram assim os custos fixos e, mais leves, tornaram-se mais portáteis (este ano, por exemplo, passaram mais três meses por aqui, num apê ainda mais simples).
Por que estou contando isso a vocês? Porque o resultado desse experimento quase científico feito pelos pais é a prova concreta de uma teoria que defendo em muitas conversas com amigos brasileiros: o nababesco padrão de vida almejado por parte da classe média alta brasileira (que um europeu relutaria em adotar até por uma questão de princípios) acaba gerando stress, amarras e muita complicação como efeitos colaterais. E isso sem falar na questão moral e social da coisa. Babás, empregadas, carro extra em São Paulo para o dia do rodízio (essa é de lascar!), casa na praia, móveis caríssimos e roupas de marca podem ser o sonho de qualquer um, claro (não é o meu, mas quem sou eu para discutir?). Só que, mesmo em quem se delicia com essas coisas, a obrigação auto-imposta de manter tudo isso – e administrar essa estrutura que acaba se tornando cada vez maior e complexa – acaba fazendo com que o conforto se transforme em escravidão sem que a “vítima” se dê conta disso. E tem muita gente que aceita qualquer contingência num emprego malfadado, apenas para não perder as mordomias da vida.
Alguns amigos paulistanos não se conformam com a quantidade de viagens que faço por ano (no último ano foram quatro meses – graças também, é claro, à minha vida de freelancer).
“Você está milionária?”, me perguntam eles, que têm sofás (em L, óbvio) comprados na Alameda Gabriel Monteiro da Silva, TV LED último modelo e o carro do ano (enquanto mal têm tempo de usufruir tudo isso, de tanto que ralam para manter o padrão).
É muito mais simples do que parece. Limpo o meu próprio banheiro, não estou nem aí para roupas de marca e tenho algumas manchas no meu sofá baratex. Antes isso do que a escravidão de um padrão de vida que não traz felicidade. Ou, pelo menos, não a minha. Essa foi a maior lição que aprendi com os europeus — que viajam mais do que ninguém, são mestres na arte do savoir vivre e sabem muito bem como pilotar um fogão e uma vassoura.

PS: Não estou pregando a morte das empregadas domésticas – que precisam do emprego no Brasil –, a queima dos sofás em L e nem achando que o “modelo frugal europeu” funciona para todo mundo como receita de felicidade. Antes que alguém me acuse de tomar o comportamento de uma parcela da classe média alta paulistana como uma generalização sobre a sociedade brasileira, digo logo que, sim, esse texto se aplica ao pé da letra para um público bem específico. Também entendo perfeitamente que a vida não é tão “boa” para todos no Brasil, e que o “problema” que levanto aqui pode até soar ridículo para alguns – por ser menor.
Minha intenção, com esse texto, é apenas tentar mostrar que a vida sempre pode ser menos complicada e mais racional do que imaginam as elites mal-acostumadas no Brasil.

Adriana Setti