segunda-feira, 30 de maio de 2011

SOB A LUZ DE VELAS


"Sou um só, mas ainda assim sou um. Não posso fazer tudo..., mas posso fazer alguma coisa. Por não poder fazer tudo, não me recusarei a fazer o pouco que posso."

Comentário do Anonymous Coroné

(de Célia Spangher)

FRASE ABOBRINHA DO DIA



"O castigo vem a cavalo "

(Dito popular)

O VELHO CIRÃO DE VOLTA

Para Ciro Gomes, Lula cometeu um erro e pode ter prejudicado o capital político da presidente Dilma Rousseff .

- Se ele quer ajudar, faça isso pelo telefone, discretamente. Mas essa ida a Brasília liquida com qualquer capital político que a Dilma possa e deva acumular, que é inerente à liderança que ela tem como presidente.

Ciro também não concorda com a opinião de Lula de que sem Palocci o governo se "arrastaria" até o fim. Esse teria sido um comentário do ex-presidente para conseguir o apoio da bancada do PT no Senado na defesa do seu ex-ministro.

- Discordo completamente até porque o Lula teve que demitir o Palocci. Ele próprio. Nós estaríamos como país muito mal parados  se dependesse do Ciro Gomes, da Dilma, do Lula. O Lula tem esse equívoco.

- Se depende só do Lula o Brasil? Eu sou contra isso. Depende só do Ciro? Depende só da Dilma? Depende só do Palocci? Que conversa é essa?

Disse Ciro Gomes, hoje em Brasília (Deu no O Globo)

ER



FAZER O QUE ?

Foto do excelente site da jornalista Nilda Bitencourt (www.nildabitencourt.com.br).  Deve ter sido sem querer o bem bolado merchandising da foto.
Sem dúvida nenhuma, um flagrante nostálgico, lembrando, com todo o respeito, antigos filmes brasileiros rodados em Taubaté.

ER

JUSTIÇA

Painel do Leitor (Folha) - Carta enviada pelo maestro Júlio Medaglia
 
Sobre o artigo "No túnel da Justiça", de Fernando de Barros e Silva (Opinião, 28/5), que comentou a prisão de Pimenta Neves, réu confesso, 11 anos após o assassinato de Sandra Gomide, gostaria de lhes narrar um fato.

Passei o mês de fevereiro na Alemanha. Numa segunda-feira à noite, o noticiário mostrou cenas de uma estação de trens de Berlim onde quatro jovens em torno de 17 anos espancavam um pintor de paredes. O mesmo noticiário, na terça, mostrou os jovens sendo identificados e presos.

Na quarta, via-se o julgamento. Um pequeno fórum, um promotor de um lado, um advogado dativo, de outro, e um juiz no meio. Sobre suas cabeças havia uma tela que mostrava o espancamento filmado pelas câmeras da estação. Uma parte do bate-boca entre os advogados foi ouvida mas, logo em seguida, veio a sentença: dez anos de prisão para os quatro em regime fechado. Na quinta, o mesmo noticiário mostrava os condenados entrando na cadeia.

Como se pode observar, a distância entre o Brasil e a Alemanha, em vários aspectos, é bem maior que a geográfica...

Júlio Medaglia



PHOTOGRAPHIA NA PAREDE

PASTEL DE FARINHA DE MILHO

Está no Pouso Alegre. Net

Já considerada a 1ª cidade média de Minas Gerais e a 10ª do Brasil no ranking de desenvolvimento econômico, Pouso Alegre vem registrando diversos indices que confirmam a liderança de sua economia no Sul de Minas. Com o crescimento de 7,2% ,a cidade apresenta quase o dobre do percentual nacional, que é de 4%.
O PIB de Pouso Alegre é R$ 2 bilhões e a sua renda per capita é de R$ 17 mil.

Pouso Alegre foi a cidade que mais gerou empregos da região sul de Minas em 2009. Foram 20.044 admissões. A média de criação de novas vagas na cidade é maior do que a média estadual. Em Minas Gerais, a variação de emprego ficou em 2,65%, já em Pouso Alegre a taxa atingiu 5,29%. Nos últimos seis anos, a economia do município cresceu 48,55%.

Na culinária, Pouso Alegre tem o pastel de farinha de milho como Patrimônio Municipal, alem de possuir ótimos restaurantes e pizzarias.
 
Pouso Alegre Net



IRREALISMOS

Post de um Anonymous

RUY CASTRO (Folha)

Nos filmes da Hollywood clássica (leia-se, do cinema surdo a, no máximo, 1965), ninguém trancava a porta do carro ao estacionar. Aliás, era tranquilo estacionar. Não se sabe por quê, todo mundo entrava ou saía do carro pelo lado do motorista. E, se o sujeito tinha de pagar o táxi, já tirava do bolso o dinheiro certo, sem olhar, e nunca esperava o troco. Idem quanto à conta do restaurante ou do bar -era só deixar o dinheiro na mesa ou no balcão, e sair. Moeda para dar gorjeta ou para falar ao telefone não era problema -bastava enfiar a mão no bolso. Era também do bolso (do paletó, de preferência) que saía o cigarro -solto, avulso-, não de um maço ou cigarreira. O fósforo era aceso na sola do sapato ou na parede. E fumar consistia em acender o cigarro, dar uma tragada, lembrar-se de algo urgente e jogar o cigarro fora. Mesma coisa, comer. O personagem sentava-se à mesa, punha o guardanapo no colo, dava uma garfada, e um importante compromisso obrigava-o a levantar-se e sair correndo. Fazer a barba, também. O galã ensaboava o rosto, aplicava a navalha uma ou duas vezes e, por qualquer motivo, tinha de interromper. Limpava a espuma com a toalha e, ora, veja, já estava barbeado por baixo. Outra cena clássica era a de bater no gancho do telefone para recuperar a linha. O sujeito estava falando e a ligação era cortada. Dava, então, várias pancadinhas no gancho. Mas a linha nunca voltava. E este era o único traço de realismo naqueles filmes em que as mulheres, mesmo depois de ir para a cama sofrendo e chorando, acordavam prontas, maquiadas e lindas. Em Brasília, também é assim. Depois de ir para a cama rindo, feliz e exultante, qualquer político importante, mesmo acusado de grossas e cabeludas falcatruas que constrangem a nação e abalam o equilíbrio político, continua acordando rindo, feliz e exultante.

Ruy Castro (Folha)

12 ANOS DEPOIS...

A Justiça Federal condenou o empresário Ricardo Mansur em dois processos criminais a uma pena total de 11 anos e meio de prisão por gestão fraudulenta da Mappin Previdência Privada (MPP) e do Banco Crefisul, dos quais foi presidente e acionista controlador. “A culpabilidade demonstrada merece especial reprovabilidade não apenas pelo descaso com o sistema financeiro mas pelo fato de o acusado ter procurado lograr os órgãos de controle”, advertiu o juiz Marcelo Costenaro Cavali, da 6.ª Vara Criminal Federal em São Paulo.
Mansur poderá apelar em liberdade. Ele pegou 6 anos de reclusão no processo Mappin e mais 5 anos e 6 meses no processo Crefisul. Nas duas ações ele foi denunciado pela Procuradoria da República por violação ao artigo 4.º da Lei 7492/86 (Lei do Colarinho Branco). No caso do Crefisul, os prejuízos globais a terceiros, segundo apuração do Banco Central (BC), chegam a R$ 407,5 milhões.

247

BONS ORIENTADORES

Cerca de 30 políticos foram terceirizados pela Cemig para coordenar as ações do programa Energia Inteligente

Especializados no ofício de arrecadar votos, um grupo seleto de 30 ex-prefeitos ganhou uma nova missão. Foram terceirizados pela Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) para implementar nas bases eleitorais o Energia Inteligente.
Trata-se de um programa para combater o desperdício e aumentar a eficiência energética nos municípios mineiros.
 Entre as funções dos contratados nesse exílio de luz estão a troca de lâmpadas incandescentes por fluorescentes, mais econômicas, e a instalação de equipamentos movidos a energia alternativa, como a solar. Como o trabalho exige um mínimo de capacitação técnica, os ex-prefeitos tiveram de gastar a própria energia na realização de eventos para o eleitorado que prometem, por exemplo, a distribuição de geladeiras mais econômicas.
 Um dos coordenadores do programa da Cemig, Higino Zacarias de Sousa, admite que os ex-prefeitos foram contratados no segundo semestre de 2010, ano eleitoral, por um período de seis meses. 
Para implementar o programa Energia Inteligente, os ex-prefeitos receberam salários que chegaram a R$ 5 mil por mês.

Hoje em Dia




PÉSSIMO COMPORTAMENTO

Ás da comunicação e marketing de campanhas do ex-presidente Lula, da senadora Marta Suplicy e outros nomes do primeiro escalão do PT, o publicitário Dudu Godoy emprestou seu escritório em Campinas para uma reunião de lobistas da organização criminosa a quem o Ministério Público imputa fraudes em série e desvios de R$ 615 milhões dos cofres públicos.
A revelação, incluída no relatório de inteligência da promotoria, foi feita por Luiz Augusto Castrillon de Aquino, ex-presidente da Sanasa, companhia de saneamento de Campinas, foco de corrupção que aponta para políticos próximos a Lula.
Aquino fez acordo de delação premiada. Em busca do perdão judicial ofereceu dois relatos minuciosos, em janeiro, nos quais traça os movimentos do grupo que teria se apossado de setores da administração Dr. Hélio (PDT), prefeito de Campinas e amigo do ex-presidente.
A promotoria afirma que Rosely Nassim, primeira-dama e chefe de gabinete do marido prefeito, ocupa o topo da organização. Ela ia ser presa, mas um habeas corpus a livrou de "medidas coercitivas".
A promotoria quer saber o grau de relação entre Dudu Godoy, Aquino e os lobistas Emerson Geraldo de Oliveira e Maurício Manduca. Alvos da devassa, Oliveira e Mancuda seriam o elo de prefeitos e empresários no esquema de corrupção. A próxima etapa da investigação mira contratos da prefeitura de Campinas na área de publicidade.
Oliveira e Manduca foram presos em setembro, quando a promotoria deflagrou a primeira fase da operação. Há duas semanas, a Justiça ordenou novamente a prisão dos dois.

O Estado de São Paulo



BOM COMPORTAMENTO

Prefeituras de Nova Resende e Olímpio Noronha ficam entre as 10 no ranking nacional do Índice de Responsabilidade Fiscal, Social e de Gestão

Para ter as contas aprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-MG) e conseguir apoio até da oposição na Câmara, a receita da Prefeitura de Nova Resende é simples: definir prioridades para a cidade e acompanhar de perto o andamento de tudo que foi planejado. O município da Região Sul de Minas, com 15 mil habitantes, foi o melhor colocado do estado e ficou com a sexta posição entre todas as cidades do país no ranking divulgado pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), que calculou o Índice de Responsabilidade Fiscal, Social e de Gestão dos Municípios (IRFS) em todas as cidades do Brasil. Se o estudo deixou claro que os problemas ainda são muitos, os mesmos índices apontam melhoras na maioria das gestões municipais.
O levantamento avaliou as três áreas da administração municipal por meio de diferentes indicadores de 2009. No setor fiscal, por exemplo, foram considerados os números de cada prefeitura relacionados à Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), como o nível de endividamento e gastos com pessoal. Já a área de gestão levou em conta o cumprimento dos valores mínimos estabelecidos na lei para a educação e saúde, setores que devem receber 25% e 15%, respectivamente, das verbas públicas municipais. Para o campo social de cada município o estudo levou em conta as taxas de mortalidade e índices de vacinação infantil. Oliveira Fortes, na Zona da Mata de Minas, ficou em primeiro lugar no ranking do campo social.
Para o prefeito de Nova Resende, Ronei Brito (PT), os bons resultados que o município teve no relatório devem ser divididos com a equipe. “O principal é direcionar os recursos para as áreas que as pessoas mais precisam e acompanhar sempre o destino do dinheiro, para que não aconteçam desvios ou irregularidades. Assim como a maioria dos municípios temos problemas com a baixa quantidade de recursos, por isso priorizamos as duas áreas que consideramos mais importante para a população, saúde e educação”, explica.
Em 2009, segundo dados do TCE-MG, a Prefeitura de Nova Resende aplicou R$ 3,4 milhões na educação, que representam 27,86% do total arrecadado no município. Na saúde foram R$ 3,5 milhões, 28,77% das verbas municipais. No ano passado os valores para saúde aumentaram para 32% e a educação, apesar de redução no percentual de investimentos, se manteve acima dos valores mínimos, com 25,64%.
Até mesmo os vereadores da oposição aprovam a gestão atual. “Apesar de pertencer a partido contrário, tenho grande respeito por essa administração, que está fazendo um bom trabalho. Tivemos muitas dificuldades em anos anteriores e a cidade precisava de mais seriedade dos administradores”, afirma Sebastião Pacheco (PSDB).

Estado de MInas

DESFILE DE CHARRETES FOI UM SUCESSO

Av. BPS - Foto Aldo Gonçalves

CONSULTÓRIO