sexta-feira, 22 de abril de 2011

SÓ PODE SER ISSO

Os comentaristas anonymous ( um grande número) ficam extremamente amargos e raivosos nos feriados prolongados.
 Imagino a razão:
Visitas em casa. Sogra, cunhado e sobrinhos. A patroa pede para consertar o chuveiro, pias entupidas, o Alvoradão fechado, nenhum jogo na TV, loteria acumulada foi premiada, ovos de páscoa derreteram, vizinho trocou de carro, bermuda ficou apertada, obrigação de ir na procissão mais à noite. O bacalhau está parecendo curimbatá. A desgraça do IR para fazer, a criançada mexendo onde não deve...
Calma pessoal, segunda-feira está chegando.

Zelador

ANDAVA SUMIDO DO BLOG

CANTINHO DA SALA

Joan Miro - 1938

JESUS E A RAPOSA

Primeiramente, precisamos esclarecer aos nossos caríssimos leitores que não se trata de uma fábula, mas de um depoimento.
E que depoimento seria esse? Trata-se de um depoimento feito por Jesus com relação a um dos principais governantes de sua época. Referimo-nos aqui ao rei Herodes, a quem Jesus chamou de raposa (Lc 13.31-32).

Rev. Uéslei Fatareli - Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie

Há quem pense que por Jesus ter dito nos Evangelhos “Dai a César o que é de César e a Deus o que é Deus” (Mt 22.21) Ele tenha com isso ensinado a termos uma postura passiva e indiferente com relação às autoridades, não submetendo as mesmas a qualquer tipo de avaliação justa, contínua e criteriosa. Todavia, se olharmos com atenção para a vida de Jesus, conforme é narrada nos Evangelhos, veremos que Ele respeitava sim as autoridades constituídas, mas, também, não era ingênuo com relação a elas, pois Ele bem sabia que por detrás de muitos aparatos oficiais e palacianos escondiam-se ‘raposas da pior espécie’.

Como sabemos, existem raposas que são fruto de uma ordem natural, mas há também um tipo de ‘raposa’ que é resultado de uma desordem da natureza. O primeiro grupo respeita sua espécie e alimenta-se de outras, somente para sua sobrevivência, o que faz com que não haja qualquer tipo de extinção. Por outro lado, o segundo grupo, além de não cuidar e nem de respeitar os de sua própria espécie, promove tanto a destruição dele mesmo, como também a extinção de outros grupos de seres vivos.

Herodes, o rei ao qual nos referimos no início dessa reflexão foi uma autoridade cruel, carregada de inveja, hipocrisia e com o medo doentio de perder sua posição política. Seu governo girava em torno de si mesmo, e, para manter-se no comando de um poder déspota, tudo ele fazia para conservar seus privilégios, até mesmo fingir interesse em prestar adoração ao recém-nascido Jesus (Mt 2), todavia, com objetivo homicida em relação ao Senhor e Salvador do mundo. Não alcançando êxito, deu ordem para que todos os meninos de Belém e de todos os seus arredores, de dois anos para baixo, fossem mortos (Mt 2.16-18).

Pensando no que pudemos refletir até aqui, o que seria manifesto da parte de Jesus com relação a cada autoridade que hoje ocupa algum cargo no poder executivo, legislativo ou judiciário? O que Ele afirmaria de cada autoridade ligada ao comércio, à indústria ou ao terceiro setor? O que Ele diria de cada autoridade religiosa de nossa época? Qual depoimento Jesus faria a nosso respeito?

Finalmente, precisamos ser criteriosos e vigilantes, não só com relação aquele tipo de ‘raposa’ que se reveste ou que é revestida de autoridade, mas, também conosco, visto que a maioria de nós exerce, mais cedo ou mais tarde na vida, algum tipo de domínio. Nesse sentido, precisamos ser exigentes e sóbrios com relação a nós mesmos no que tange a uma conduta que priorize a retidão e a irrepreensibilidade em Cristo. Somente assim, com a graça de Deus, teremos condições de não viver enganando quem quer que seja. Somente assim deixaremos de ser enganados por aquele tipo de ‘raposa’ que Jesus nos alertou a respeito, uma espécie que engana muitas pessoas, mas que não engana a todos em todo o tempo, pois há limite para tudo na vida, inclusive para tais ‘raposas’, pois nada há encoberto que não venha a ser revelado (Lc 12.2).

Soli Deo Gloria.

Rev. Uéslei Fatareli 





PHOTOGRAPHIA NA PAREDE

Blade Runner - Los Angeles - 2019

ELES DISSERAM...

E nós com isso ?

Todo maconheiro velho reclama da qualidade da maconha atual. Perto da maconha daquele tempo, dizem, a de agora é uma palha sem graça.
A observação é paradoxal, porque a maconha de hoje tem concentrações muito mais altas de THC, o componente psicoativo da planta, do que as contidas nos baseados de vinte anos atrás.
A queixa procede, no entanto. O THC inalado, ao chegar ao cérebro, libera quantidades suprafisiológicas de neurotransmissores -como a dopamina- ligados às sensações de prazer e de recompensa. Como tentativa de adaptação à agressão química representada pela repetição do estímulo, os circuitos de neurônios envolvidos na resposta, sobrecarregados, perdem gradativamente a sensibilidade à droga, produzindo concentrações cada vez mais baixas dos referidos neurotransmissores. Nessa fase, a nostalgia toma conta do espírito do usuário.

Dráuzio Varela

CADA UM COM A SUA

CRUEL MUNDO CAPITALISTA

Em novo ranking publicado pela revista Forbes, a Petrobrás já é a oitava empresa de capital aberto do mundo.
Quatro parâmetros foram usados para a elaboração da lista: lucro líquido, vendas, ativos e valor de mercado.
Fazem parte da lista, 2000 empresas e dentre elas, aparecem outras 35 brasileiras. A Vale aparece como a maior mineradora do mundo (posição a que foi levada pelo recém - demitido por excesso de capacidade, Roger Agnelli).
O banco americano JP Morgan contiunua como o maior conglomerado do planeta, seguido pelo britânico HSBC, pela GE e  Exxon Mobil.
A segunda empresa brasileira colocada é o Bradesco (46), aparecendo o Banco do Brasil em 51.
Da terrinha, no momento não aparece nenhuma. Mas estamos quase.

ER

FRASE ABOBRINHA DO DIA

"O sujeito para procurar o Dr. Aldo, com certeza não deve estar enxergando bem."

José Tipica

VIGIANDO A PLANTAÇÃO

Deu na Folha

Brasil, Bolívia e EUA devem assinar dentro de um mês um acordo para monitorar em conjunto o plantio da coca em território boliviano, um recuo de La Paz na rejeição à participação americana na vigilância antidrogas.
O Brasil trabalhava para incluir os EUA em um pacto trilateral dessa natureza há anos. A tarefa é polêmica, dada a desconfiança da Bolívia contra Washington.
A agência antidrogas americana (DEA) foi expulsa da Bolívia em 2008, acusada de espionagem e apoio à oposição ao presidente Evo Morales. Washington manteve alguma cooperação por meio de assistência financeira, mas o volume dos aportes vem caindo.
Negociadores brasileiros sabem que o Brasil será usado como espécie de "garantia" aos bolivianos contra os americanos.
Acreditam porém que o risco de conflito vale a pena para contar com suporte político e financeiro americano em um país cuja política antidrogas, vista como leniente, é questionada internacionalmente.
Segundo rascunho do memorando tripartite, ao qual a Folha teve acesso, os EUA fornecerão equipamento de GPS e aparelhos de medição a laser e treinarão seus operadores. Terão acesso a todas as imagens de monitoramento remoto.
O Brasil oferecerá "imagens [de satélite] e capacitação", além de fundos de valor não revelado.
Morales descartou receber de volta agentes da DEA, no entanto. Segundo envolvidos nas negociações, seu governo continua dividido a respeito do tratado tripartite.
A intenção do Brasil é deixar o esforço cada vez mais regional. Pretende também trazer o Peru para a cooperação no futuro.

Folha



VIVER SEM JESUS É MUITO PERIGOSO



ER