quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

SOB A LUZ DE VELAS

Difícil não é lutar por aquilo que se quer, e sim desistir daquilo que se mais ama.
Eu desisti. Mas não pense que foi por não ter coragem de lutar, e sim por não ter mais condições de sofrer

Bob Marley

GUIA DE CULINÁRIA OGRA

Do André Barcinski - Folha Uol

Poucas coisas são tão boas na vida quanto ir a um bom restaurante.
Sou daqueles que acompanha a cobertura gastronômica com interesse. Estou sempre atrás de lugares novos para comer e não penso duas vezes antes de conferir alguma dica.
Gosto de comer de tudo. E gosto de todo tipo de restaurantes, dos mais recomendados pelos guias aos pés-sujos mais infectos.
Pra mim, bom restaurante é aquele que dá vontade de voltar. Independentemente de preço ou estilo.
Mas tenho de confessar que adoro um muquifo. Poucas coisas me dão mais prazer do que descobrir alguma birosca que serve um bife sensacional, ou uma cantina poeirenta com um talharine dos sonhos.
Entre os muitos projetos que nunca conseguirei realizar, um tem lugar especial no meu coração (e estômago): um guia da gastronomia ogra.
Seria um livro com dicas de restaurantes de onde se sai carregado.
Cheguei até a elaborar uma lista de “dez mandamentos básicos” que o local teria de atender para ser incluído. São eles:

1 - Não pode ter nome começando por “Chez” ou terminando por “Bistrô”

2 - A comida precisa ocupar ao menos 85% da área total do prato (com preferência a iguarias com uma taxa de ocupação de mais de 100% dos pratos, como bifes que caem pelas bordas dos pratos)

3 – Não pode ter “chef”, e sim “cozinheiro”.

4 – Não pode ter “menu”, e sim “cardápio”

5 – Algumas palavras estão terminantemente proibidas nos cardápios. A presença de qualquer uma delas significa exclusão imediata da lista. São elas: “nouvelle”, “brûlée”, “pupunha”, “espuma”, “lâmina”, “lascas” e “contemporânea”

6 – Não pode ter filiais

7 - Os garçons não podem ser modelos, manequins ou atores, com preferência para garçons velhos e feios

8 – Os garçons precisam passar no teste da colherzinha, que consiste em servir arroz com uma só mão, juntando duas colheres, sem derramar um grão sequer

9 – Não pode estar localizado nos seguintes bairros: Vila Olímpia, Itaim-Bibi, Moema e Vila Nova Conceição (era um guia de Sâo Paulo!)

10 – O teste final: se o garçom, ao ser perguntando “o que é ‘El Bulli’?”, responder qualquer coisa que não seja “é onde eu sirvo o café”, o restaurante está sumariamente eliminado

André Barcinski



PRIMEIRO VOO

Meu primeiro voo aconteceu no início de 70, num Eletra da Ponte Aérea Rio-São Paulo. Estava com um amigo. Na época ainda existia serviço de bordo e era no capricho.
Quando o avião aplumou e eu estava ainda no meio da primeira das minhas orações, a bonita aeromoça (hoje são chamadas de comissárias e não são necessariamente bonitas) se aproximou e indagou:
- Vocês desejam algo ?
Meu amigo de São Gonçalo do Sapucaí, respondeu de bate-pronto:
- Moça, a senhora me desculpe, mas eu quero tudo o que eu tenho direito. Pode trazer!

As coisas mudaram muito (ou fingem que mudaram). Hoje à tarde, depois de macios e longos oito anos, o ex-presidente Lula e sua esposa, tomaram um voo comercial (Gol) para Brasília. Sentadinhos na poltrona como meros mortais.

Não se estusiasmem. Deve ser só esta vez. Em breve voltarão aos jatinhos particulares. Deve ter sido apenas para caçoar da imprensa  e sair no Jornal Nacional.

ER 

SE TIVER LUTA...ESTAREI LÁ !

Camarada,

Eu ando meio cansado de ventos e tempestades, de angústias e de saudades, de frestas e dos abismos, de dores e de rancores, de chuvas, de vendavais. Eu ando meio alecrim.
Eu ando meio enjoado de sangue jorrado em vão, de feridas, de cicatrizes, de lânguidos corações, de mazelas e chorumelas, de cupidos, de serafins. É que eu ando meio alecrim. Eu ando já saturado de tragédias e das novelas, de modelos, de passarelas, de choro, riso e consolo, de guerra, de crime e comédia, da fome e de quem consome. Pois ando é meio alecrim.
Eu ando leve, no vento, no intento do firmamento, na face que toco com a mão, no passo que não toca o chão, no espaço e no meu vazio, neste infinito e no azul, neste silêncio, em meu som, nesta magia, em meu tom.
Em mim, apenas e enfim, o suave odor de alecrim.
Mas, se tiver luta...estarei la!

Anônimo

TELA QUENTE

Corre aqui por onde eu moro, a notícia que a partir de amanhã, quinta feira, acontecerá o início das transmissões via internet (com imagens) das reuniões da Câmara Municipal de Itajubá.
Deve ter acontecido na semana uma correria às Lojas Colombo em busca de renovação dos guarda-roupas. Como sempre, pecarão pela combinação de cores.
Mas isso não vem ao caso. O importante são os projetos e os debates.
Você que está afastado da terrinha, mate a saudade e envie o seu comentário sobre os projetos discutidos e o desempenho dos nossos edis para o "viver é perigoso".
Não perca a primeira parte da reunião, onde são apresentadas as moções de congratulações e também as de pêsames.
Imperdível.

ER

CARTAS QUE NÃO RECEBI - 1

Brasília, 02 de janeiro de 2011

Caro brasileiro Edson,

Senti-me  na obrigação de comunicá-lo através de um expediente direto, considerando a posição política do seu Pai, no passado. Seu pai foi um udenista de primeira hora e muito mais do que isso, um ferrenho lacerdista.
Comunico-lhe, como estarei fazendo a todos brasileiros, minha retirada da carreira política. Deixo o Senado e retorno ao meu Amapá, quer dizer, ao meu Maranhão.
Não considere isso uma ameaça, mas voltarei a escrever os meus livros de poesia.
Em reunião realizada hoje com a mais alta autoridade da república, liberei todos os cargos e postos que estiveram sob minha jurisdição nos últimos 40 anos.
Devolvo o setor elétrico para a Presidente do país.
Na minha pequena ilha (herança da família de minha mulher), procurarei de forma pacata, viver os meus últimos anos. O meu salário de aposentado será suficiente para sobrevivermos com modéstia.
Que não me procurem para conversar sobre o passado e sobre a política.
A literatura me basta.
Doravante, só arredarei pé do Maranhão, tão somente para as reuniões com os colegas imortais da Academia Brasileira de Letras, no Rio de Janeiro.

Saudações

J. Sarney 

FRASE DO DIA

"Quem perde seus bens perde muito; quem perde uma amigo perde mais; mas quem perde a coragem perde tudo."

Cervantes

IDEALISTAS ? MORRERAM QUASE TODOS

Ficar velho é ruim. Ficar velho observador é muito 'mais ruim'.
Depois de longo tempo afastado das reuniões diversas que acontecem na comunidade, o zelador eremita resolveu participar de algumas durante a última semana. 
Impressionante. Como você conhece quase todos os participantes e não se sente tomado por paixões e nem prejudicado (e nem beneficiado) nos seus interesses, acaba se situando numa cômoda posição de isento observador.
Facílimo identificar quem está com quem, quem "puxa saco" de quem, quem está com birra com quem, e por aí vai.
Com muita classe, cada um defende o que é seu. Seu emprego, seus interesses, seu futuro. Alguns até que buscam pouco. Almejam "status", posição na comunidade. Têm fonte de renda própria. Querem é uma agenda, discutir tudo e não decidir nada. Aliás, essa classe nunca decidiu nada na vida. Nem a cor da gravata a ser colocada.
Outros querem pequenos agrados. Uma posição para alguém conhecido e muitas vezes, com um simples afago da autoridade presente se derretem todos.
Os mais vivos apresentam um constante ar de enfado. São espertos demais para se exporem. Jogam a responsabilidade em outros. E cobram resultados.
Desse momento itajubense será difícil sair alguma coisa além do óbvio.
Podem espremer com toda a força.
Porém, mais preocupante que a ruindade do momento, vem a ser a ausência de perspectivas, principalmente políticas.

Quem sabe se uma revolução... 

ER 

O RETORNO DO DRAGÃO