quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

SOB À LUZ DE VELAS

"Não havíamos marcado hora, não havíamos marcado lugar. E, na infinita possibilidade de lugares, na infinita possibilidade de tempos, nossos tempos e nossos lugares coincidiram. E deu-se o encontro."

Rubem Alves

AQUI, ALI, EM ALGUM LUGAR

Para os entendidos (no bom sentido) é um marco na arquitetura novaiorquina. Para mim, um local tétrico, Não só pelo assassinato de John Lennon em frente ao portão de entrada, mas possivelmente pelas cenas externas do filme "O Bebê de Rosemary", de Roman Polanski, de 1968, com a magricela Mia Farrow. Não foi por menos, que lá residiram Jack Palance e Boris Karlloff.
O Dakota está localizado entre a 72 e o Central Park West.
Levou quatro anos para ser construído, tendo ficado pronto em 1884. Foi desenhado pelo mesmo escritório que projetou o Hotel Plaza, que fica próximo e tem uma imagem mais amena. Seu construtor (dono) foi o Sr. Edward Clark, proprietário da Singer (máquinas de costura).
Tem apenas 65 apartamentos, com a característica de não ter um igual ao outro. Variam de 4 a 20 cômodos. 
Lá moraram, entre outros, Lennon e família (a Yoko ainda mora), Laureen Bacall, Leonard Bernstein, José Ferrer, Roberta Flack, Judy Garland, Rudolf Nureyev e Robert Ryan.
Não basta querer morar no Dakota. É preciso ter o seu nome aprovado pelo Conselho. Para se ter uma ideia: Antonio Banderas e Melanie Griffith, já foram recusados.
Nem irei tentar.
No vizinho Central Park, fica o Strawberry Fields, uma área de 2,5 hectares que presta  homenagem a Lennon.

ER   

FRASE ABOBRINHA DO DIA


"História sem pé nem cabeça. No final, o decapitado se casa com a perneta."

Millor

PHOTOGRAPHIA NA PAREDE

(Richard Avedon - Café des Deux Magots - Paris)

DEVE SER ENGANO

Longe da terrinha, tomei conhecimento pela internet da edição semanal do Itajubá Notícias. O editorial do jornal versa sobre a doação de área, pela prefeitura municipal, à empresa Mafita-Matadouro e Frigorífico Itajubá Ltda (Decreto 4.281 de 10.12.2010).
A área, de 18.000 mil metros quadrados, estaria ao lado do próprio Mafita e serviria para expansão dos seus negócios.
Todos os itajubenses conhecem o Mafita. É o tradicional frigorífico do ex-prefeito Saulo Germiniani e sua família.
Para a surpresa geral, o jornal revela que a empresa Mafita recebedora do benefício não seria a do Frigorífico, mas sim uma empresa imobiliária pertencente ao próprio grupo, situada na Rua Miguel Braga, no Bairro da Boa Vista.
A razão social da indústria de carnes seria Frigorífico Vale do Sapucaí Ltda.
A doação de áreas públicas para expansão e implantação de empresas é amparada por lei municipal e normalmente tem como contrapartida o compromisso da empresa incentivada em gerar determinado número de empregos e atingir nível de faturamento definido.
O cumprimento dessas responsabilidades, imagino, não seria possível de se alcançar em um escritório imobiliário. 
O assunto carece de imediatos esclarecimentos da empresa, da Prefeitura e da Câmara Municipal.
Deve ter acontecido algum engano, imaginando o porte de todos os interessados.

ER  

ELES DISSERAM...

 

Do Valter Bianchi - Texto do Rubem Alves
 
O que as pessoas mais desejam é alguém que as escute de maneira calma e tranquila.
Em silêncio. Sem dar conselhos.
Sem que digam: "Se eu fosse você".
A gente ama não é a pessoa que fala bonito.
É a pessoa que escuta bonito.
A fala só é bonita quando ela nasce de uma longa e silenciosa escuta.
É na escuta que o amor começa.
E é na não-escuta que ele termina.
Não aprendi isso nos livros.
Aprendi prestando atenção.
Rubem Alves

TUDO POR DINHEIRO